Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Atlético de Madrid continua sem poder contratar

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) manteve a proibição ao Atlético de Madrid de comprar jogadores

Cláudia Alves Fernandes

Os colchoneros foram castigados devido a irregularidades na contratação de menores

Gonzalo Arroyo Moreno

Partilhar

Neste verão, o Atlético não vai poder andar à caça. E com andar à caça referimo-nos a mover-se pelo mercado à procura das pernas ideais para reforçar a equipa. A decisão não é de agora: a deliberação inicial era relativa ao mercado de inverno (e estendia-se até janeiro de 2018), no qual os colchoneros viram-se já impossibilitados de assinar contratos, e aplicava-se a duas equipas madrilenas – Real e Atlético de Madrid.

Mas, pelo caminho, algumas coisas foram mudando. O Real Madrid, que também tinha sido um (triste) contemplado com o castigo devido a irregularidades na contratação de jogadores menores, recorreu da sentença final e, neste verão, Zidane já vai poder apanhar sol descansado, sabendo que a equipa que orienta já pode ser reforçada.

Só os rojiblancos não tiveram a mesma sorte, com o TAS a comunicar esta quinta-feira que o castigo destes madrilenos se prolongava. Assim, o destino do Atlético de Madrid é passar o verão à sombra das equipas espanholas que, pelo mercado, vão mexendo e contratando.

Pelo menos, os colchoneros conseguiram ver a multa reduzida – o valor inicial seria de 825 mil euros e baixou para cerca de 504 mil. Parece que nem tudo é mau.

Mas este processo não se fica por aqui, ao que parece. Sabida a sentença, o Atlético chegou-se à frente para acusar o TAS de injustiça, ao relembrar o caso dos conterrâneos. Num comunicado do Atlético após a formalização da decisão, podia-se ler que "houve decisões diferentes em casos semelhantes": "Consideramos que a decisão de manter a proibição de inscrever jogadores num segundo período, correspondente ao mercado de verão, evidencia um tratamento discriminatório contra o nosso clube".

O clube da capital espanhola evidenciou os "danos irreparáveis" que a decisão trará à equipa e garantiu ainda que vai negociar as contratações para que os jogadores possam ser inscritos a partir de 1 de janeiro do próximo ano, data em que finda a proibição do Tribunal.

Há agora uma outra saída ao fundo do túnel: os colchoneros podem recuperar os jogadores que emprestaram a outros clubes - Vietto, Kranevitter, ambos a jogar pelo Sevilha, e Diogo Jota, que atua pelo FC Porto, são alguns dos nomes apontados pelo espanhol "Marca" - para que o plantel de Simeone não fique por reforçar.