Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

As lições do professor Mourinho

Há maior estratego do que José Mourinho no futebol mundial? O treinador português mostrou que não, ao explicar, ponto por ponto, aos alunos da FMH e à Tribuna Expresso, como é que o Manchester United preparou — e ganhou — a final da Liga Europa ao Ajax (2-0)

Mariana Cabral e Nuno Botelho

José Mourinho esteve segunda-feira na Faculdade de Motricidade Humana, em Lisboa, a dar uma aula aos alunos da pós-graduação High Performance Football Coaching

Nuno Botelho

Partilhar

Faltavam ainda 80 minutos por jogar na Friends Arena, em Estocolmo, quando José Mourinho se virou para Rui Faria e pôs as mãos nas calças. A mensagem para o fiel adjunto era clara: “Já os temos no bolso.” A história foi contada pelo próprio treinador do Manchester United, esta segunda-feira, num dia dedicado ao High Performance Football Coaching, pós-graduação internacional da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa que tem o cunho pessoal de Mourinho, doutor honoris causa da instituição, e que já vai na segunda edição.

“Nasceu de um projeto que eu e o Mourinho começámos a idealizar em 2009 e que foi posto em prática em 2015, com uma visão completamente diferente do tradicional, que incluísse uma abordagem de base académica muito forte mas sempre procurando responder às reais questões que se colocam a um treinador de elite no seu trabalho”, explica ao Expresso o professor catedrático António Veloso.

Mourinho confirma a ideia durante a sua longa “aula”, dividida entre uma manhã passada a explicar como preparou a final da Liga Europa e uma tarde recheada de perguntas dos alunos/treinadores do curso — provenientes de mais de uma mão cheia de países, ainda que haja também entre eles dois portugueses bem conhecidos no futebol: Rúben Amorim, ex-jogador do Benfica, e Pedro Madeira Rodrigues, ex-candidato à presidência do Sporting.

“Hoje em dia as portas estão abertas para todos. Na minha altura, quem tinha formação académica ainda era visto como ‘o professor de ginástica’ ou ‘o preparador físico’. Agora até temos aqui um ex-jogador de top, algo que não aconteceria há 30 anos, porque ele acharia que não precisava de estar aqui”, diz Mourinho. “A mim, chamavam-me o que queriam, desde que me dessem um trabalho no futebol”, graceja o treinador de 54 anos. “Fiz de tudo. Comecei como apanha bolas, fui jogador e fui analista do meu pai no Vitória. Apanhava o autocarro em Setúbal e ia para Lisboa, com 14 anos, analisar adversários, porque ele nem adjuntos tinha. Escrevia tudo em papel e metia autocolantes com os números dos jogadores”, recorda.

Hoje, ninguém adivinharia, a avaliar pelo grau de pormenor e sofisticação tecnológica nos vídeos utilizados no United. “Ainda faço rabiscos em papel, mas são os nerds dos vídeos que fazem o resto e os jogadores gostam”, explica, ao mostrar os filmes editados, que têm sempre de ser curtos, tal como as palestras. “No meu primeiro jogo na Champions, em 2002, quando chego ao FC Porto a meio da época, estávamos a ter reunião e estava eu de costas para eles quando oiço alguém a roncar. A sério [risos]. Era o Pena.”

Preparar a final em três dias

Mal tinha encerrado a Premier League no 6º lugar, com uma vitória sobre o Crystal Palace, a 21 de maio, e Mourinho já preparava a final de dia 24 — essencial não só para garantir um lugar na Liga dos Campeões da próxima época, mas também para conquistar o terceiro troféu do ano, depois da Supertaça e da Taça da Liga. Ainda antes de qualquer treino ou abordagem ao jogo, a equipa técnica entregou aos jogadores vídeos de cerca de cinco minutos sobre cada um dos adversários que provavelmente encontrariam na sua zona — os médios do United viram os médios do Ajax e assim sucessivamente. “O objetivo é conhecer melhor o adversário direto”, justifica, dizendo que entrou em ação de forma mais coletiva depois, três dias antes do jogo, depois de 67 jogos desgastantes e apenas 15 jogadores disponíveis a 100%.

PETER POWELL

O formato do planeamento foi — e é, independentemente do adversário — sempre o mesmo: de manhã, uma análise de vídeo sobre um momento de jogo do adversário (no primeiro dia, sobre a organização ofensiva adversária, no segundo, sobre a organização defensiva e, no terceiro, sobre os esquemas táticos), de 20 minutos, apesar de o vídeo só ter sete ou oito; pequeno-almoço; treino de 75 minutos, para os jogadores perceberem o que o treinador quer para o jogo; almoço; e outra sessão de 20 minutos com imagens estáticas sobre o adversário e as estratégias a adotar.

“Vi oito jogos do Ajax”, diz Mourinho, antes de enumerá-los todos. “Em Inglaterra vejo só dois ou três, porque já conheço o adversário, mas em competições europeias não. Para mim, a análise do adversário é muito importante, porque jogo em relação ao adversário e defino o treino em relação a isso”, explica.

Foi assim que surgiu a estratégia para bater os holandeses. “Deixá-los sem conforto mental, criar instabilidade”, explica. “Deixávamos que saíssem a jogar, mas bloqueando o central direito, o De Ligt, e deixando a bola ir para o esquerdo, o Sánchez, que tinha mais dificuldades”, pormenoriza, acrescentando que, no treino, colocava uns elásticos no campo para cada um dos jogadores entender as referências da posição inicial da equipa.

Depois, mudou a orientação do triângulo do meio-campo [dois trincos, Herrera e Pogba, e um ‘dez’, Fellaini] para encaixar no dos holandeses, que saíam a jogar através de um ‘seis’, colocando dois médios à frente. Isso obrigava a que Sánchez lançasse uma bola longa para o avançado, e aí Mourinho estava tranquilo: “Dominamos e temos estatura mais elevada.” De facto, o United ganhou 65% dos duelos aéreos e enervou o adversário, que não conseguia sair a jogar de forma apoiada como pretendia, apesar de ter tido mais posse de bola (67%-33%).

Outra opção foi não obrigar Pogba a seguir as desmarcações do médio Klaassen, por lhe faltar disciplina mental para isso, quando o adversário mudava o centro do jogo. “Pusemos o nosso lateral a fechar bem por dentro esse espaço no corredor central e, caso a bola entrasse no corredor lateral, para o extremo, o lateral saía e era o Herrera a fechar o espaço no meio. Mas o que interessa é os jogadores perceberem, especialmente defensivamente, porque aí não há espaço para dúvidas — criatividade defensiva só em situações de emergência”, avisa.

“Numa final há uma tensão diferente e, independentemente da experiência dos jogadores, eles vão pensar menos, por isso alguém já tem de ter pensado por eles antes para se sentirem mais livres. O que interessa é a equipa ficar confortável. Preparamos melhor o jogo quando conhecemos as nossas fraquezas”, admite. “Todos diziam que o Ajax jogava bonito, e que interessa muito a beleza do jogo, e blá blá blá. Disse aos nossos: para mim, bonito é não dar ao adversário o que ele quer. Até brinquei com o Smalling: ‘Com esses pés não vamos sair a jogar curto’”, revela, explicando a ideia principal em organização ofensiva.

Mike Hewitt/Getty

“Acho que foi aí que ganhámos o jogo. Na primeira fase de construção, nunca jogámos dos nossos centrais para os médios, porque eles (Ajax) eram muito perigosos a recuperar bolas de forma alta. E eles não ganharam uma única bola no nosso meio-campo assim. Se a bola não está lá, eles vão pressionar o quê?”

Mourinho, o poeta

É inegável a enorme (e crescente) importância do plano estratégico na forma de jogar das equipas de Mourinho. “Há treinadores que não querem saber do adversário, mas não sou assim. Fui dos primeiros a falar em modelo de jogo e, para mim, na altura, havia apenas um sistema e um conjunto de princípios. Agora, já acho o modelo muito mais estratégico, por isso, no início da época, treino mais do que um sistema e mais do que uma forma de jogar. Acho que todas as equipas são melhores quando se adaptam.” Por outras palavras, este Mourinho já não é aquele (poeta?) do início da carreira, ainda que admita que “a equipa melhor preparada na globalidade” que teve foi a União de Leiria, porque tinha muito mais tempo para treinar.

“Era muito fundamentalista quando era mais novo, agora sou mais pragmático, mais estratégico e menos arrogante. Quando cheguei ao Inter, apercebi-me da contradição entre as ideias que tinha e a equipa que tinha para fazê-lo. Os defesas eram trintões (Materazzi, Córdoba, Lúcio) e ninguém queria jogar com um bloco alto, com espaço nas costas, como jogava no FC Porto e no Chelsea. Tentei, tentei, mas não consegui. Teve de ser um bloco baixo.” A cedência (ou não) nas ideias é o que distingue os treinadores, considera Mourinho. “Aí, ou és fundamentalista ou tentas adaptar-te. Uma coisa é o United enquanto clube, outra é o potencial que temos. No início da época, dominávamos e houve jogos em que acabámos com 70% de posse e 28 remates. Mas empatávamos. Tive de ser mais pragmático”, explicou, voltando a mencionar a ideia que referiu depois de conquistar a Liga Europa: “Os poetas sonham com coisas que nem sempre são possíveis. O que interessa é o jogador estar confortável com o que joga e estar feliz”, diz.

“Nos cantos ofensivos contra o Ajax, eles às vezes deixavam três cá atrás e decidimos que íamos deixar dois defesas e o Mkhitaryan a meio caminho. Há um canto e começo a ver que estava o Herrera cá fora e o Mkhitaryan na área. Até tenho vergonha de admitir, como treinador, mas não pensei naquilo. Depois o Herrera explicou-me: o Mkhitaryan já tinha amarelo e assim se fosse preciso fazer alguma falta fazia o Herrera. No canto, o Mkhitaryan fez o 2-0”, conta. “No final, são sempre os jogadores que decidem como vão jogar." Mas é o treinador, ou melhor, é José Mourinho, que decide como se ganha (mais) uma final europeia - a quarta da carreira.

Texto publicado na edição de 10 de junho de 2017 do Expresso