Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

O misterioso sr. Doyen

De uma modesta família de agricultores de Condeixa-a-Nova ao convívio com a elite do futebol mundial, a história da ascensão de Nélio Lucas, rosto visível (mas pouco) da controversa Doyen Sports, facilitador de negócios opacos, íntimo de oligarcas da ex-URSS e especialista em factos alternativos

Nelson Marques

FOTO Stéphane Lagoutte/REA/4see

Partilhar

Estamos em janeiro de 2014. Numa antiga igreja do século XIX no luxuoso bairro de Mayfair, o mais exclusivo de Londres, 118 convidados jantam e dançam toda a noite. Entre eles estão, segundo o site francês Mediapart, alguns dos homens mais poderosos do futebol mundial, como Florentino Pérez, presidente do Real Madrid, Miguel Ángel Gil, diretor-executivo do Atlético de Madrid, e Adriano Galliani, à época diretor-geral do AC Milan.

Estão também craques como Neymar e Xavi, então no Barcelona, e David Luiz, do Chelsea; agentes de futebolistas, como Alexandre Pinto da Costa, filho do presidente do FC Porto, e o italo-belga Luciano D’Onofrio, que chegou a ser diretor de futebol dos portistas na década de 80 e desde então tem estado envolvido em vários escândalos; fiscalistas suíços peritos em offshores; e ainda oligarcas da ex-União Soviética com ligações aos presidentes do Cazaquistão, Turquia e até a Donald Trump.

Estão ali todos para celebrar o 35º aniversário (cumprido duas semanas antes, a 5 de janeiro) de Nélio Freire Lucas, o português que é diretor-geral da Doyen Sports Investments.

Nélio tem boas razões para festejar. Em menos de três anos, a Doyen — que tem sede em Malta, um paraíso fiscal, e escritório em Londres — converteu-se num dos maiores e mais conhecidos fundos de investimento do futebol: nessa altura, a sua especialidade era ainda a participação nos direitos económicos de futebolistas, uma prática que a FIFA viria a proibir um ano depois. Ao mesmo tempo, gere contratos publicitários de estrelas como David Beckham, Usain Bolt ou o brasileiro Neymar, que protagonizou este verão a mais cara transferência de sempre: €222 milhões.

A imprensa começava então a comparar Nélio ao compatriota Jorge Mendes, que representa Mourinho, Ronaldo e outros craques. “Ele é o Jerry Maguire”, afirmava Vincent Labrune, então presidente do Marselha, comparando-o ao agente desportivo interpretado por Tom Cruise no cinema.

A faustosa noite custou quase €200 mil ao intermediário português, segundo documentos revelados pela investigação “Football Leaks”, coordenada pela rede EIC — European Investigative Collaborations, à qual o Expresso está associado. No virar do século seria uma fortuna para o então jovem produtor de espetáculos, que criou a primeira empresa, a 100% Artes & Espectáculos, quando tinha apenas 18 anos, mas a quem, por vezes, ainda faltavam fundos para cobrir algumas despesas: em 2000, pagou duas multas (de €600 e €720, respetivamente) por ter passado dois cheques sem cobertura; em 2002, cometeu um delito fiscal, pelo qual teve de pagar €1190 cinco anos depois; em 2008, teve o automóvel, um veículo da marca BMW, penhorado por causa de uma dívida de 2001.

FOTO Christian Hartmann/REUTERS

Mas esses tempos vão longe. Hoje, o filho de dois modestos agricultores da Mata, um lugar de Condeixa-a-Nova, viaja em jatos privados, conduz um Bentley de €72 mil, almoça nos melhores restaurantes, frequenta as festas mais exclusivas e passeia-se em mocassins de pele de crocodilo e relógios caros. Detém 20% do capital da Doyen Sports Investments e 50% da Vela Management, uma empresa de representação de futebolistas, também sediada em Malta (onde os negócios estrangeiros pagam menos de 10% de impostos), que presta serviços à Doyen e que ele divide com Mariano Aguilar, ex-jogador do Atlético de Madrid — na Vela, recebe €450 mil anuais e 10% de comissão por cada transferência.

Em 2015, recorreu a outra empresa maltesa, a Wood, Gibbins & Partners, através da qual controla a sua participação na Doyen, para comprar um iate de €3,2 milhões. O seu mais recente negócio, a D Ruption, cuja atividade permanece ainda em segredo, tem sede na The Villa, uma luxuosa mansão de 11 mil metros quadrados na Courtenay Avenue, a quarta rua mais cara do Reino Unido. Valor de mercado? Quase €20 milhões.

Mas quem é afinal este homem misterioso de 38 anos que, em pouco tempo, passou de contar tostões a somar milhões?

A resposta não é simples, porque Nélio Lucas raramente dá entrevistas e existem ainda muitas páginas em branco na sua biografia. Do pouco que revelou sobre si, muito não se confirma. Na única vez em que aceitou levantar o véu sobre o seu percurso — no que alguns viram uma manobra de relações públicas para acalmar o coro de críticas sobre a Doyen — contou ao diário francês “Libération” que trabalhou na Creative Artists Agency, nos EUA, a principal agência internacional de representação de artistas e desportistas.

Garantia ter acompanhado a carreira de Mariah Carey e ter sido road manager de Bruce Springsteen, mas o Expresso apurou que não existe registo da sua passagem pela empresa. Também não existe de qualquer matrícula na Universidade da Califórnia (UCLA), onde ele afirma ter estudado comunicação, marketing e política internacional. Sobre a sua infância e adolescência nada se sabe. Revelou apenas que foi viver com uma família de acolhimento na Florida depois de, segundo ele, ter feito aos 11 anos testes que revelaram um QI elevado — também não foi possível confirmar esta informação.

O mentor israelita

Vamos aos factos. Pouco depois de criar a primeira empresa, Nélio abriu uma segunda, a WFM-World Football Management, dedicada à produção de eventos desportivos e à representação futebolistas. É por causa desta empresa que, no final de 2003, a poucos dias de completar 25 anos, salta pela primeira vez para as páginas dos jornais. Depois do Estádio Municipal de Aveiro ter sido inaugurado em novembro com uma partida entre Portugal e Grécia, o Beira-Mar, o clube mais importante da cidade, decide fazer o seu próprio evento, num encontro com o Osasuna, de Espanha. A gestão é entregue à WFM, que representa vários jogadores do clube. Nélio promete “o maior [espetáculo] que já foi organizado em Portugal para a inauguração de um estádio“ e anuncia apresentação de um novo reforço: “É muito alto, louro e fala português”.

A partida termina empatada a 1 (vitória dos aveirenses nos penáltis) e o evento é um fiasco: nem o ator brasileiro Maurício Matar, que cantou duas músicas do seu novo álbum antes do início do jogo, nem Roberto Leal e o comediante Fernando Rocha, que atuaram ao intervalo, conseguiram animar as bancadas despidas naquela fria noite de dezembro. O tão aguardado reforço era, afinal, a nova mascote do clube, uma águia chamada “Manã”, cujo nome lembrava o do então presidente dos aveirenses, Mano Nunes.

Apenas quatro meses depois, Nélio apresenta-se de novo em Aveiro. Desta vez, é anunciado como o representante do britânico Stellar Group, com o qual teria começado a trabalhar em 2002. O Beira-Mar e a empresa liderada por Jonathan Barnett — um homem muito próximo do superagente israelita Pini Zahavi e que hoje representa o galês Gareth Bale, do Real Madrid — anunciam uma parceria de dois anos, com início na época de 2004/2005, cujo principal objetivo era a colocação na equipa de vários jogadores agenciados pela empresa.

Mano Nunes mostrava-se confiante que o acordo iria “permitir ao clube uma projeção nacional e internacional”, mas o resultado seria desastroso: depois de ter recebido um camião de futebolistas e experimentado quatro treinadores numa só temporada, o Beira-Mar desceu de divisão e a parceria teve um fim abrupto. Ainda voltaria ao convívio com os grandes, mas cairia mais tarde para os Distritais, mergulhado em dívidas. (Mano Nunes mostrou-se inicialmente disponível para falar sobre a parceria com a Stellar, mas deixou depois de responder às tentativas de contacto do Expresso).

Secretismo. Nélio Lucas na única vez em que se deixou fotografar nos escritórios da Doyen Sports Investments, em Londres

Secretismo. Nélio Lucas na única vez em que se deixou fotografar nos escritórios da Doyen Sports Investments, em Londres

FOTO Stéphane Lagoutte/REA/4see

Correu mal para o clube, mas não para o jovem intermediário, que foi trabalhar na Soccer Investments & Representations (SIR) de Pini Zahavi, que desempenhara um importante papel na compra do Chelsea por Roman Abramovich. No seu currículo na rede profissional Linkedin, Nélio refere que deixou o cargo de diretor internacional do Stellar Group em julho de 2004, ou seja, antes do início da parceria que culminaria com a descida do Beira-Mar, mas tal não corresponde à verdade. Em setembro, quando o técnico britânico Mick Wadsworth anunciou a sua saída numa conferência de imprensa, o intermediário sentou-se ao lado do presidente do clube. E, em dezembro, era ainda ele quem assumia publicamente responsabilidades por alguns jogadores trazidos pela Stellar não estarem a render o que deles se esperava.

Zahavi, que foi jornalista desportivo antes de se tornar agente de futebolistas, foi “o grande professor” do português, recorda Paulo Futre. O antigo internacional conheceu o agora responsável da Doyen em 2003, quando era diretor desportivo do Atlético de Madrid. “Ele tinha ainda uns 24 anos. Já não me recordo se ele queria vender algum jogador do Atlético ou propor-nos alguma contratação. Impressionou-me que falasse tantas línguas [além de português, Nélio fala fluentemente espanhol, inglês, italiano e francês] e a inteligência que ele tinha. Não era normal que alguém tão jovem tivesse já alguma experiência no futebol, que é um mundo à parte”, conta Futre ao Expresso.

Ao “Liberatión“, Nélio afirmou que trabalhou com Zahavi nove anos [entre 2002 e 2011], o que sugere a ligação deste ao Stellar Group — foi Jonathan Barnett quem apresentou o israelita ao então diretor-executivo do Chelsea, Trevor Birch, na primavera de 2003, o que seria decisivo para a entrada de Abramovich no clube londrino. “Ele [Zahavi] tinha contactos em Inglaterra, eu no resto do mundo; eu encontrava os jogadores que ele procurava e fechava o negócio”, explicou o agora CEO da Doyen Sports.

Em 2005, o intermediário foi envolvido na polémica em torno da contratação falhada de Salomon Kalou, do Feyenoord: segundo a imprensa holandesa, o futebolista tinha sido vendido a um grupo de investidores e seria emprestado ao Benfica. Um dos agentes do jogador, Roger Linse, encontrou-se no aeroporto de Amesterdão com um dirigente do clube da Luz, José Veiga, e o representante “de um fundo de investimento”: era Nélio Lucas. “Nunca tinha ouvido falar deles [do fundo]. Fiquei a saber que existiam quando o Feyenoord me disse para falar com eles. Os contactos foram com Nélio Lucas, foi a única pessoa do fundo com quem falei. Não sei quem está por trás dele, não sei de onde veio ou como apareceu no futebol”, assegurou Linse ao Maisfutebol. A transferência acabaria por não se concretizar e durante os seis anos seguintes, enquanto pretensamente trabalhava com Zahavi, o português desapareceu dos radares mediáticos.

Os donos da bola

Só voltou a aparecer quando, em 2011, surgiu como testa de ferro de um misterioso fundo de investimento, a Doyen Sports. Durante anos, a identidade dos verdadeiros responsáveis pela empresa permaneceu em segredo, mas foi revelada no final do ano passado graças à investigação “Football Leaks”: tratam-se dos Arif, quatro irmãos cazaques que se naturalizaram turcos (Refik, Tevfik, Rustem e Vakif), próximos de figuras de reputação duvidosa como os oligarcas Alexander Mashkevitch, Alijan Ibragimov e Patokh Chodiev, conhecidos como o “Trio”, donos do maior grupo de extração de minérios do Cazaquistão e envolvidos em casos de corrupção internacional; Samuel Jonah, um sul-africano implicado no caso de corrupção e fraude da Uramin, empresa da extração de urânio da qual é o principal acionista; e os Presidentes do Cazaquistão, Nursultan Nazarbaev, e da Turquia, Recep Erdogan.

Terá sido este a dar uma mão a um dos irmãos Arif quando ele se viu envolvido num escândalo em 2010: Tevfik foi detido por suspeitas de ter organizado orgias a bordo do “Savarona”, um iate de mais de €50 milhões que fora do fundador da Turquia, Mustafa Kemal Atatürk. Na ocasião, estava acompanhado de diversos milionários, incluindo o famoso “Trio”, e de dezenas de ‘modelos’ da Europa de Leste a quem teria pago entre €2500 e €8500 por uma noite. Foi acusado de gerir uma rede de prostituição de luxo com recurso a raparigas menores, mas os seus advogados questionaram a legalidade das escutas telefónicas usadas no processo e alegaram que Tevfik estava apenas a conviver com amigos. Acabou por ser ilibado.

A fortuna dos Arif, considerada a quarta mais importante do Cazaquistão, disparou com o desmembramento da União Soviética, no início dos anos 90, e a consequente liberalização da indústria e de negócios até então controlados por Moscovo. Graças às posições ocupadas por Tevfik e Refik nos Ministérios do Comércio e da Justiça, respetivamente, a família assumiu o controlo da Aktyubinsk Chromium Chemichals Plant (ACCP), no Cazaquistão, uma das maiores produtoras de crómio do mundo. Quando foram para a Turquia, Refik criou uma sociedade através da qual transferiam as receitas da ACCP para empresas de fachada em Malta, Emirados Árabes Unidos e Ilhas Virgens Britânicas. Tevfik diversificou os negócios da família: abriu a cadeia de hotéis de luxo Rixos; a construtora Sembol, que tem receitas de mil milhões de euros por ano; e uma imobiliária nos EUA, a Bayrock Capital, que teve como parceiros de negócios Donald Trump e um homem acusado de ter colaborado com as máfias russa e italiana.

Em 2010, os Arif decidiram reinvestir a sua fortuna e criaram uma sociedade chamada Doyen Capital, em Londres, para gerir um negócio focado no comércio de matérias-primas e na procura de novas oportunidades de investimento. Para liderar a nova empresa escolheram Arif Arif, filho de Tevfik. Quando o fundo virou atenções para o futebol, confiou essa tarefa ao jovem, ambicioso e poliglota Nélio Lucas, que se tornara amigo de Arif Arif em circunstâncias que não são conhecidas. Terá sido a própria Doyen a pagar um milhão de euros a Zahavi para rescindir o contrato do português. “A mulher dele pediu-me duas ou três vezes para voltar”, contou Nélio ao “Libération”. Segundo o site Mediapart, os Arif ofereceram também ao português 20% de outra empresa do grupo, a Doyen Natural Resources, sediada no Panamá e que o grupo detém através de uma empresa de fachada nas Ilhas Virgens Britânicas. Quando não estava a transferir futebolistas, Nélio intermediava negócios mineiros no Brasil, Angola ou Serra Leoa.

Em redor da Doyen Sports, o empresário montou uma rede de agentes em diversos países, que prestam serviços através de várias sociedades registadas em paraísos fiscais. Em Londres, explora a Principal Sports Management com Amadeu Paixão, de 65 anos, um dos mais experientes empresários nacionais. Em Espanha, uniu-se aos agentes Juan Manuel “Juanma” Lopez e Mariano Aguilar, ex-futebolistas que partilharam o balneário do Atlético de Madrid com Paulo Futre. Em Portugal, é conhecida a sua amizade com Alexandre Pinto da Costa, filho do presidente do FC Porto, que intermediou vários negócios da Doyen. Mas já lá iremos.

Toque de Midas

David Beckham, ex-internacional inglês

David Beckham, ex-internacional inglês

FOTO Alex Morton/Livepic/REUTERS

Graças a um investimento inicial de quase €75 milhões por parte de Tevfik Arif, a Doyen começou a atuar de duas formas: por um lado investia na compra de percentagens dos direitos económicos de futebolistas, conseguindo lucros que chegavam a ultrapassar os 500% quando estes eram transferidos. Por outro, funcionava quase como um banco exclusivo para clubes de futebol (que tinham cada vez mais dificuldade em aceder ao financiamento tradicional), emprestando dinheiro para ajudar a financiar transferências e cobrando um juro de referência de 10%. “Não temos nada a ocultar, cumprimos rigorosamente as normas. Adiantamos dinheiro [aos clubes] e não há qualquer pistola sobre a mesa”, explicou Lucas em 2013 durante um seminário em Madrid.

O diretor-executivo da Doyen defendia-se assim daqueles que acusavam os fundos de investimento de interferir na gestão dos clubes e diminuir a sua autonomia, pressionando-os a vender depressa os seus ativos para obter um lucro rápido — uma realidade que encontra reflexo num relatório divulgado em 2013 pela Associação Europeia de Clubes, segundo o qual os jogadores que pertenciam 100% a um clube demoravam três a cinco anos a ser transferidos, enquanto aqueles que tinham o passe partilhado com um fundo ficavam apenas um a três anos.

A falta de liquidez de muitos clubes, em especial na Península Ibérica, porta de entrada da Doyen no mercado, foi fundamental para o sucesso da estratégia do fundo, que estruturou os negócios garantindo que tinha sempre lucro, independentemente de os jogadores valorizarem ou não. Se corria bem, saíam todos a ganhar. Se corria mal, o clube ficava com o prejuízo.

Um bom exemplo é a transferência do futebolista holandês Ola John do Twente da Holanda para o Benfica, em 2012. A transferência foi avaliada em pouco mais de €9 milhões, €4,7 milhões dos quais financiados pela Doyen ao abrigo de “um contrato de associação de interesses económicos”, que garantia ao fundo de Nélio Lucas 50% do valor de uma futura transferência. No pior cenário, se o clube não transferisse o jogador no espaço de três anos, a Doyen recebia €5,95 milhões, uma rentabilidade de 30% face ao seu investimento (10% por cada ano). Foi o que veio a acontecer em 2016, elevando para quase €11 milhões a verba paga pelo clube por um jogador que nunca se conseguiu afirmar e que, segundo as notícias mais recentes, o Benfica admite negociar por €2 milhões (metade do passe), alimentando a esperança de recuperar algum dinheiro numa futura transferência.

Pippo Russo, sociólogo e autor italiano que se tem dedicado à investigação do papel dos fundos de investimento no futebol, não tem dúvidas: no geral, Nélio Lucas e a Doyen têm tido uma influência “profundamente negativa” nos clubes, que entram “numa relação de dependência” e “perdem controlo dos seus jogadores e das suas finanças”. “Temos muitos exemplos: Sporting Gijon, Santos, Twente, Marselha, Seraing.” Numa primeira fase, os holandeses do Twente foram mesmo despromovidos de divisão por negociarem com o fundo já depois de entrar em vigor a proibição da FIFA, mas apresentaram recurso e acabaram condenados a uma multa de €180 mil. Contactado pelo Expresso, o diretor de comunicação do clube limitou-se a dizer que este “chegou a acordo para terminar o contrato de colaboração com a Doyen e quer olhar em frente”.

Russo, que é autor de “Orgia do Poder”, sobre a ascensão de Jorge Mendes, dá outro exemplo da influência nefasta do fundo: o FC Porto, “que desde o momento em que fortaleceu as relações com a Doyen nunca mais ganhou nada”. Mas se desportivamente as coisas não têm corrido bem, Nélio orgulha-se de o FC Porto “ter tido sempre lucro” nos negócios entre as duas partes. O mais proveitoso foi a venda do passe do central francês Eliaquim Mangala ao Manchester City, em julho de 2014, que rendeu €30,5 milhões aos “dragões” e uma verba que terá superado os €10 milhões para a Doyen. Dois anos e meio antes o fundo tinha adquirido 33% dos direitos económicos do defesa por apenas €2,6 milhões.

A Doyen deteve também percentagens dos passes de Falcao e Defour, que já abandonaram o clube, é dona de metade do passe de Brahimi e representa Sérgio Oliveira, dois futebolistas que ainda estão no plantel. Chegou a especular-se que financiou 50% dos €20 milhões que o francês Imbula custou em 2015 (a mais cara contratação de sempre dos “azuis e brancos”), mas tanto o clube como o fundo sempre o negaram. Segundo o “Correio da Manhã”, a mediação de Nélio Lucas terá sido também decisiva para desvincular o treinador Sérgio Conceição do Nantes e permitir-lhe assinar pelo FC Porto. O antigo jogador dos “dragões” é um dos quatro treinadores representados pela Doyen — os outros são Paulo Fonseca (Shakhtar Donetsk) e Carlos Carvalhal (Sheffield Wednesday), e Diego Simeone, do Atlético de Madrid, clube apontado por Nélio como um caso de sucesso de colaboração com a Doyen — foi campeão espanhol em 2014 e finalista da Champions League em 2014 e 2016.

Nélio Lucas representa o técnico argentino Diego Simeone, do Atlético de Madrid

Nélio Lucas representa o técnico argentino Diego Simeone, do Atlético de Madrid

FOTO Javier Barbancho/REUTERS

No Estádio do Dragão, a empresa tem um camarote à esquerda da tribuna presidencial, conta o “Libération”. Esta relação de proximidade entre o FC Porto e o fundo não será alheia à amizade entre Nélio e Alexandre Pinto da Costa, que é acionista da SAD portista e tem uma influência cada vez maior no clube, apesar de não ter qualquer cargo. Os dois são vistos em jantares em Matosinhos, como quando intermediaram a transferência de Imbula. Um dos negócios em que os nomes dos dois agentes se cruzam é o regresso de Casemiro ao Real Madrid depois de uma época no FC Porto, que valeu €7,5 milhões aos portistas.

A Energy Soccer, empresa detida por Alexandre Pinto da Costa e Pedro Pinho, filho do antigo presidente do Rio Ave José Maria Pinho, recebeu €700 mil de comissão, pagos não pelo clube, mas através da Vela Management de Nélio Lucas. Em março do ano passado, este dizia-se orgulhoso da cooperação com o filho primogénito de Pinto da Costa. “Juntos contribuímos para alguns dos melhores negócios do FC Porto.” A parceria com a Doyen tem sido também muito proveitosa para a Energy Soccer, que recebeu quase €1 milhão do fundo em dois anos.

Outro dos negócios muito rentáveis de Nélio Lucas foi também um dos mais polémicos. No verão em que Mangala chegou ao City, o argentino Marcos Rojo trocou o Sporting pelo outro clube de Manchester, o United, hoje treinado por José Mourinho. O central chegara a Alvalade em julho de 2012 com o apoio do fundo de investimento, que adiantou €3 milhões dos €4 milhões da transferência, ficando em troca com 75% dos direitos económicos do defesa. Quando, dois anos mais tarde, o clube vendeu o jogador por €20 milhões (à época, o maior negócio da história do Sporting), o fundo tinha direito a receber €12 milhões, sendo os restantes €8 milhões divididos em partes iguais entre o Sporting e a antiga equipa de Rojo, o Spartak de Moscovo. Só que o presidente dos “leões”, Bruno de Carvalho, decidiu rescindir o contrato com o fundo, alegando que este estava a pressionar o clube a realizar a transferência. Restituiu à Doyen apenas os €3 milhões investidos em 2012, mas esta recorreu para a Justiça, que lhe deu razão: o Sporting foi condenado em todas as instâncias a pagar os €12 milhões, acrescidos de juros.

Sempre pronto para um bom negócio

Até a prática ser banida pela FIFA em 2015, considerando-a “uma forma de escravatura moderna”, a Doyen terá investido cerca de €100 milhões nos direitos económicos de futebolistas como Falcao (hoje no Mónaco), Mangala (Manchester City), Rojo (Manchester United), Brahimi (FC Porto), Lucas Lima (Santos), Leandro Damião (Santos, emprestado ao Internacional de Porto Alegre), Gabriel Barbosa (Inter de Milão) ou Kondogbia (Inter de Milão, emprestado ao Valência). É um leque considerável de estrelas, mas Pippo Russo rejeita a comparação com Jorge Mendes. “Mendes é o homem mais poderoso do futebol e Nélio Lucas estará sempre longe do seu nível. Não podemos comparar um Ferrari e um Smart”.

O fim do negócio da copropriedade de futebolistas obrigou o fundo a mudar de estratégia, investindo diretamente nos clubes. Na prática, pouco muda: estes garantem o pagamento do empréstimo com a venda de alguns jogadores. A empresa tem tentado também intermediar a entrada de capital estrangeiro na gestão de alguns emblemas. Na mais mediática dessas tentativas, Nélio tentou tirar partido da sua proximidade com Adriano Galliani (segundo o “Football Leaks”, a filha do então diretor-geral do AC Milan é colaboradora da Doyen) para mediar a venda do clube transalpino ao milionário tailandês Bee Taechaubol. A 10 de junho de 2015, o magnata postou uma foto no Instagram que mostrava Nélio e Galliani a dar um aperto de mão num jato privado, mas o negócio acabaria por não se concretizar.

Instagram

O fracasso das negociações e as revelações do “Football Leaks” terão marcado uma mudança do papel do português dentro da Doyen, acredita Pippo Russo. “Ele era o testa de ferro, mas foi remetido para trás das cortinas. Recentemente tem mantido um maior low-profile.” Nos últimos meses, só saiu da sombra uma vez. Em fevereiro, foi entrevistado pela “GQ Brasil” como o homem por trás do novo patrocinador do Flamengo, a bebida energética tailandesa Carabao, que patrocina também a Taça da Liga Inglesa, o Reading e o equipamento de treino do Chelsea. “É um dossiê que deve ser monitorizado com atenção”, alerta o autor italiano.

A 14 de fevereiro, Dia de São Valentim, o empresário pôs fim à sua relação de quatro anos como administrador da Doyen Global, que gere direitos de imagem de desportistas de elite como David Beckahm, Neymar, Xavi, Álvaro Moratta ou o velocista jamaicano Usain Bolt (Nélio é um dos produtores executivos do documentário “I Am Bolt”, que conta a história do homem mais rápido do mundo). Questionado pelo Expresso, Francisco Empis, diretor de comunicação da Doyen, confirmou apenas que a decisão se insere numa “restruturação interna” e que o português se mantém como CEO da Doyen Sports.

No estado da aplicação de mensagens Whatsapp, Nélio diz estar “sempre disponível para um bom negócio”. Já para responder às nossas perguntas, o empresário não revelou qualquer disponibilidade. “Não me parece boa altura. Se quer uma boa história, espere um mês”, respondeu em agosto por SMS. A novidade está, ao que tudo indica, relacionada com a D Ruption, a sociedade que registou em Londres a 17 de janeiro e sobre a qual ainda nada se sabe. Se há coisa que a vida lhe ensinou é que o segredo é mesmo a alma do negócio.

Texto originalmente publicado na edição de 2 de setembro de 2017 da Revista E do Expresso

Partilhar