Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Carlos Carvalhal, o treinador das missões (quase) impossíveis

Depois de duas épocas e meia na segunda divisão inglesa, o técnico português tenta agora levantar o Swansea... e está a consegui-lo - já saiu da zona de despromoção e até já derrotou o Liverpool e o Arsenal

Cátia Leitão

Carlos Carvalhal é treinador do Swansea

Andrew Powell/Getty

Partilhar

Depois de duas épocas e meia ao serviço do Sheffield Wednesday, chegou ao Swansea City para tentar salvar a época da equipa galesa, que tinha 13 derrotas em 20 jogos. E está a consegui-lo.

Não, não é Tom Cruise. É mesmo Carlos Carvalhal, o treinador português de 52 anos que acredita na reviravolta dos seus jogadores, no que poderá muito bem ser o maior desafio da sua carreira.

O técnico natural de Braga chegou ao futebol inglês na época de 2015/2016, mas até agora esteve a treinar no Championship - o segundo escalão da liga inglesa - e a chegada ao clube galês, que foi na verdade uma grande surpresa, marca a estreia de Carvalhal na Premier League.

Em Inglaterra, o português alcançou grande notoriedade ao levar o Sheffield Wednesday a dois play-offs consecutivos para a subida de divisão, mesmo com um orçamento mais reduzido do que os dos adversários. Mas nem tudo foi um mar de rosas e após uma quebra nos resultados da equipa, Carvalhal acabou por abandonar o clube.

Agora, o técnico português quer deixar mais uma marca em Inglaterra ao impedir o Swansea de descer de divisão, o que promete ser uma tarefa difícil. Depois da saída de Paul Clement, ligada a um conjunto de maus resultados, a equipa ficou no último lugar da tabela. Mas, em pouco tempo, Carvalhal já mostrou as suas cartas e pôs a equipa a mexer.

Pelas mãos de Carvalhal, o Swansea já fez oito jogos em todas as competições, com saldo positivo: quatro vitórias, três empates e apenas uma derrota. O técnico português estreou-se em grande, com uma vitória por 2-1 com o Watford, liderado por Marco Silva, e deu uma última alegria aos galeses antes do final do ano. Mas 2018 começou com uma derrota com o poderoso Tottenham, por 2-0.

Depois disso seguiu-se um empate com o Newcastle a uma bola e uma surpreendente vitória sobre o Liverpool, quarto classificado, por 1-0, num dia em que o treinador até deu show na conferência de imprensa: "O Liverpool é uma equipa de topo, um Fórmula 1. Mas no meio do trânsito de Londres, às quatro da tarde, esse Fórmula 1 não anda... Foi isso que tentámos fazer: obrigar o Liverpool a jogar de uma forma que não gosta."

Pelo meio, também conseguiu garantir o apuramento para a 4º eliminatória da Taça de Inglaterra, ao vencer o Wolverhampton de Nuno Espirito Santo por 2-1.

Rebecca Naden

Mas o verdadeiro triunfo de Carvalhal em Inglaterra chegou terça-feira, depois do Swansea derrotar o Arsenal, sexto classificado, por 3-1, afastado-se assim assim da zona de despromoção, ao passar para o 17º lugar, com 23 pontos (embora ainda tenha os mesmos pontos do 18º classificado, Stoke City).

Carlos Carvalhal é assim o homem do momento em Inglaterra, quer pela reviravolta que tem marcado a equipa, quer pelas suas caricatas afirmações. Desde que chegou, Carvalhal tem feito declarações com muito humor e sempre cheias de analogias. Depois de comparar o Liverpool a um Fórmula 1, acrescentou também que o Swansea é uma equipa que está no hospital, mas fora dos cuidados intensivos e quase a ir para casa.

Quando abordado sobre o mercado de transferências, o técnico português deu ainda um ar da sua graça: "Temos dinheiro para sardinhas e eu estou a pensar em lagosta. Vou fazer o meu melhor para trazer os melhores jogadores. Vou olhar para as lagostas e robalos, mas, se não conseguirmos, temos de comprar sardinhas. Mas, às vezes, as sardinhas podem ganhar os jogos."

Além dos ingleses, também os jogadores estão rendidos a Carlos Carvalhal, como é o caso de Alfie Mawson, defesa-central dos galeses, que diz que "Carvalhal é uma pessoa vibrante, muito emotiva, muito positiva. É alguém que dá gosto ter ao nosso lado, com toda aquela energia. Passamos por ele e é 'bom dia', 'como estás?'. Mete conversa, luta um bocadinho connosco... para ser honesto, é a pessoa certa [para o cargo]".

A vida de Carvalhal em Inglaterra promete ser complicada, mas a carreira do técnico está mesmo marcada por missões (quase) impossíveis, visto que foi capaz de levar o Leixões à final da Taça de Portugal e de ganhar a Taça da Liga ao comandar o Vitória de Setúbal. O percurso de Carlos Carvalhal tem sido feito de obstáculos mas ele está disposto a juntar-lhe mais um.