Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

“Quem foi roubado foi ele. As pessoas aproveitaram-se da sua ingenuidade e fragilidade”. A outra versão no caso Rúben Semedo

Rúben Semedo vai comparecer perante um juiz espanhol na quinta-feira, às 11h locais, após ser detido pela polícia no seguimento de uma denúncia em que, segundo Catió Baldé, "foi vítima de burla". O representante do antigo defesa central do Sporting, hoje no Villarreal, defendeu à Tribuna Expresso que o jogador "foi enganado" por pessoas que "se aproveitaram da [sua] ingenuidade e fragilidade", embora admita que "as coisas podiam ter sido resolvidas de outra forma, à base da lei"

Diogo Pombo

NurPhoto

Partilhar

A 29 de outubro de 2017, Rúben está dentro de uma discoteca, em Valência, cerca das seis da manhã, e começa a discutir com um tipo, os amigos tentam separá-los, mas diz-lhe que lhe dará uma camisola do Villarreal se for com ele até lá fora – onde acabaria por o atacar com uma garrafa de cristal.

A 19 de novembro de 2017, Rúben está no interior de um Mercedes, estacionado à porta de outra discoteca, por volta das oito e meia, à espera do segurança a quem tira o telemóvel e o arremessa para o chão para, depois, lhe apontar a arma que tem escondida debaixo da roupa.

Estes dois episódios constam nas denúncias que chegaram à polícia espanhola contra Rúben Semedo, e que o diário “Las Provincias”, e muita da imprensa desportiva do país, escreveu na altura. E, a 11 de fevereiro de 2018, terá acontecido outro alegado episódio, noticiado por esse mesmo jornal, que o contou assim:

O jogador está na sua casa em Torre en Conill, uma urbanização de luxo situada em Valência. Lá dentro estão quatro pessoas: ele, um primo dele, outro homem e um tipo amarrado e atado numa sala, que é espancado ao ponto de ficar com as marcas de várias contusões e uma fratura no tornozelo; antes ou depois, na rua, alguém pega numa arma e dispara-a duas vezes, para o assustar; uma vez preso, roubam-lhe as chaves de casa, vão lá e roubam-lhe 24 mil euros, um computador e outras coisas de valor.

Verdade ou não, é o terceiro episódio em sete meses que o português leva em Espanha, desde que o Villarreal pagou 14 milhões de euros ao Sporting para o contratar. Alegações que o associam a saídas à noite, discotecas, horas madrugadoras, altercações e armas e, na terça-feira, levam a Guardia Civil a detê-lo por suspeitas de agressão, sequestro e assalto - o primo e o outro indivíduo, conta o “Las Provincias”, terão conseguido fugir de Valência.

E assim está Rúben Semedo, futebolista profissional de 23 anos, internacional sub-21 português, à espera de ser ouvido na quinta-feira, às 11 horas locais, por um juiz espanhol que “vai decidir as medidas de coação a adotar”, revelou Catió Baldé, empresário do jogador, à Tribuna Expresso.

O representante está em Espanha com familiares de Rúben Semedo e conta que ele “foi enganado” e “vítima de burla”. Lamenta que “aconteceram algumas coisas”, mas “o roubado foi ele” pelas “relações de amizade em que as pessoas se aproveitam da ingenuidade e fragilidade dos jogadores, quando há dinheiro envolvido”.

Sem se pronunciar, em específico, sobre o último episódio, Catió Baldé admite que “têm acontecido várias situações desagradáveis” e “nada bonitas”, mas que “não correspondem à verdade”. O empresário confirma que Rúben Semedo “tem frequentado discotecas” e que tal “lhe é permitido”, explicando que o jogador “paga muitas vezes pela fama que tem”, pois “nunca infringiu as leis que fazem parte da [sua] carreira profissional”.

Mas, depois, o empresário solta que “se pode condenar, provavelmente, a maneira de resolver” os problemas em que o jogador se vê envolvido. Que as coisas “poderiam ter sido feitas de outra maneira, à base da lei”, mas que só na quinta-feira, após ouvir a decisão do juiz, “teremos uma ideia concreta daquilo que aconteceu”.

Até lá, contudo, Catió Baldé reconhece que a imagem de Rúben Semedo já foi, e está, muito prejudicada. Uma evidência “nada agradável” e “muito preocupante” para quem descreve como um futebolista “em início de uma carreira muito, muito promissora” e que era “projetado que podia ser um dos melhores centrais da Europa e do Mundo”.

Esta época, Rúben Semedo apareceu em apenas cinco jogos do Villarreal, o último a 10 de dezembro, em que jogou 48 minutos contra o Barcelona. O português tem sido afetado por algumas lesões e, até ao momento, não foi capaz de se impor a titular no atual sexto classificado da liga espanhola.