Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

“Querida Los Angeles, não tens de quê”. L.A. e mundo em geral: sejam bem-vindos a Zlatan

Já conhecemos aquela mistura muito especial entre ironia, sarcasmo e arrogância que existe em Zlatan Ibrahimovic. Não é nada de novo. Mas o sueco, e quem trabalha com ele, ainda arranja forma de, aos 36 anos, anunciar a sua chegada ao novo clube de forma original - poupando os agradecimentos aos adeptos do LA Galaxy, o seu novo clube, com um anúncio num jornal (em papel, sim). Uma história que tem um ex-jogador do Sporting pelo meio

Diogo Pombo

Partilhar

"Los Angeles, welcome do Zlatan."

É o género de frase que poderia ecoar a bordo de um avião, acabados de aterrar na cidade americana dos anjos. Não fosse a sua lógica um pouco distorcida, como tão habitualmente a vemos ser no futebolista em questão. O jogador com uma carreira catapultada por golos, títulos e coisas fantásticas feitas dentro de campo, sim, mas também por uma aura rebelde, icónica, especial. Um tipo fora da caixa e longe da vulgaridade, por ter um feitio tão peculiar de quem se acha diferente.

Ao longo dos anos, vimos e ouvimos Zlatan Ibrahimovic a responder a jornalistas com convites subliminares. A emparelhar-se com a Nike, marca que quase sempre o patrocinou, para inventar uma expressão verbal - “Dare to Zlatan” - baseada nele próprio, sugerindo risco e desafio ao statuos quo. E assistimos enquanto se comparou a leões, no último ano, quando uma lesão no joelho, que acabaria com a carreira de muito bom futebolista, foi para ele um desafio para voltar a jogar.

Zlatan regressou, vimo-lo de novo nos relvados com a camisola do Manchester United, até marcou um golo, mas a forma já não era a de antes e, na quinta-feira, soubemos que tinha rescindido contrato com o clube. Só que não era o fim.

Surgiram uns ruídos de que ele ainda poderia ir parar aos EUA, despedir-se aos poucos do futebol no país onde quem o joga, por mais famoso e conhecido que seja, tem mais paz e descanso do que teria em outros sítios. E Ibrahimovic, aos 36 anos, escolheu Los Angeles para prolongar sua estadia entre nós e não privar o futebol de uma personalidade que não será fácil substituir.

Esse feitio tão especial que, por vontade própria ou por engenho do departamento de marketing e comunicação do novo clube, foi anunciado ao mundo de forma original - como só o poderia ser.

1 / 3

Jon Shard/LA Galaxy

2 / 3

Jon Shard/LA Galaxy

3 / 3

Jon Shard/LA Galaxy

Esta sexta-feira acordou em Los Angeles com um anúncio de uma página no LA Times, o mais importante jornal da cidade, no qual se lia, no topo: “Querida Los Angeles, não tens de quê”. Em formato de carta, o anúncio tinha no rodapé uma assinatura de Zlatan Ibrahimovic e o símbolo do clube. Numa época em que tudo quanto é interação humana está, cada vez mais, a ser filtrada por redes sociais, um jogador e um clube optaram pelo bom e velho papel antes de darem a boa nova pelo Facebook, Instagram e Twitter.

Ao anúncio em papel seguiu-se um vídeo do clube, a oficializar a contratação, aos quais sucederam textos no site oficial do clube.

Um deles, para acrescentar à abordagem original do LA Galaxy, serviu para explicar como foi possível contratar Zlatan e resumir a história que levou o sueco até ali. Uma história que tem como orquestrador um americano de seu nome Jovan Kirovsky, que fará soar algumas campainhas na cabeça dos portugueses porque, há muito tempo (2000/01), fez sete jogos no Sporting que tinha acabado de ser campeão nacional.

Ele hoje é o diretor desportivo dos LA Galaxy e o tal texto explica como o facto de ter jogado na Europa, em outros clubes importantes e conhecidos (juniores do Manchester United e Borussia Dortmund, por exemplo), e de, por isso, entender o que os jogadores querem e gostam de ouvir, fez o clique na cabeça do craque sueco.

Kirovsky conheceu-o nos tempos de Ibrahimovic no Paris Saint-Germain, em 2016. Pelo meio jantou com o sueco em Los Angeles, partilhando mesa com David Beckham (que também lá jogou) e, depois, fez por manter contacto com mensagens e telefonemas quando Zlatan preferiu experimentar a Premier League e se lesionou no joelho.

Os contactos valeram a pena e ele e o clube vão agora contar com o futebolista especial, original, invulgar e irremediavelmente carismático que é Zlatan Ibrahimovic. Que, à sua maneira, lhes dirá: “Não têm de quê.