Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

“Perdão, Andrés”. A “France Football” pede desculpa a Iniesta por nunca lhe ter dado uma Bola de Ouro

Numa emotiva carta disfarçada de editorial, o diretor da publicação penitencia-se por a revista francesa nunca ter reconhecido o espanhol como melhor jogador do mundo

Lídia Paralta Gomes

Aitor Alcalde Colomer/Getty

Partilhar

Iniesta teve azar. O azar de ser contemporâneo de Messi e Ronaldo, os maiores e exclusivos glutões de prémios individuais na última década. Coletivamente, Iniesta ganhou tudo o que um jogador pode vencer: um Mundial e dois Europeus por Espanha, oito campeonatos e quatro Ligas dos Campeões pelo Barcelona.

Falta-lhe, apenas, uma Bola de Ouro, prémio que talvez merecesse em 2010, ano em que, além de ter conquistado o título de campeão espanhol, marcou o golo no prolongamento que deu o primeiro Mundial a Espanha e que fez Juan Antonio Camacho gritar aos microfones da Cadena SER: “Iniesta de mi vida!”

Por estes dias, Iniesta prepara a despedida do futebol europeu - a China é o destino mais provável - e, aos 33 anos, certamente que a passagem do tempo já não permitirá às FIFAs e às France Footballs desta vida emendar esta injustiça histórica.

Mas poderão pelo menos fazer um mea culpa.

A “France Football” fê-lo esta terça-feira. Num emotivo editorial, Pascal Ferré, diretor da revista gaulesa, pediu perdão a Andrés Iniesta por nunca ter dado uma Bola de Ouro ao homem que “não é um jogador, é O jogador”, explicou.

“Ele é o melhor facilitador do futebol de sempre. A maior parte dos seus contemporâneos complica, mas ele divertiu-se durante 15 anos a simplificar tudo, sem qualquer pensamento vaidoso, a não ser aquele de fazer viver o jogo. O talento de Iniesta é inventar para os outros. Provou que o cérebro é, definitivamente, o músculo essencial dos grandes campeões. Sem ele, Messi teria ficado cansado muito mais rapidamente no Barcelona. O seu altruísmo impediu-o seguramente de um ainda maior reconhecimento”, escreveu o jornalista no editorial.

Pascal Ferré admitiu ainda que “entre as maiores ausências na lista de vencedores da Bola de Ouro”, a de Iniesta é “dolorosa”.

Iniesta esteve duas vezes entre os três finalistas da Bola de Ouro, em 2010 e 2012. Em 2010 foi segundo, atrás de Lionel Messi e em 2012 foi terceiro, atrás de Messi e Cristiano Ronaldo.