Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

O único clube que vai a jogo contra o Canelas: “Medo? Só do escuro. Os jogadores do Candal não são cobardes”

Alberto Ribeiro, líder do Clube Desportivo de Candal, garante que a equipa irá a todos os jogos com o Canelas 2010 porque os jogadores são “homens e não rapazinhos, que fazem o que o treinador diz e o presidente ordena”. Parafraseando um amigo, afirma que só tem medo do escuro, onde se escondem os cobardes. O Canelas também já reagiu

Isabel Paulo

D.R.

Partilhar

O presidente com várias passagens pelo Clube Desportivo do Candal não gosta que se refiram ao “mais representativo clube de Vila Nova de Gaia por Candal”, o nome da freguesia da coletividade com 112 anos de história e algumas presenças nas divisões nacionais. Aos 74 anos, avisa que voltou ao seu clube para o salvar da falência e defendê-lo desportivamente, não para alinhar “em grupos ou ir atrás dos outros como os passarinhos”.

Alberto Ribeiro conta que foi convidado para participar na reunião dos 12 clubes que vão deixar de comparecer aos jogos do Canelas 2010 com receio de ameaças e agressões, mas respondeu logo que não ia.

Filho de um “ferrenho antisalazarista”, diz que aprendeu a não ter medo no tempo da ditadura e em democracia preza a isenção em vez de reuniões secretas. “Sou como um amigo meu, que diz que medo só do escuro, que é aí que se escondem os cobardes”.

Advoga que se há cenas de violência entre adeptos é para isso que existe policiamento, enquanto em campo estão os árbitros e assistentes, os únicos que afirma terem estado mal no jogo no Complexo Desportivo do Candal, há um mês, contra o Canelas . “É o melhor estádio de Gaia, tivemos uma enchente de 900 adeptos, mais que em alguns recintos da I Liga. Perdemos por 1-0, por erro do árbitro, mas isso já estamos habituados”, lamenta, o presidente da equipa que segue em 11º lugar da Série 1 da Divisão de Élite da AF Porto.

Alberto Ribeiro avança que já falou com o treinador Rui Conceição e com os jogadores, que lhe garantirem não terem medo de jogar. “É um plantel de homens, não de cobardes, que fazem o que o treinador diz e o presidente ordena”, conclui.

Canelas pede reunião urgente com os rivais

Bruno Canastro afirma ter sido colhido de surpresa, esta quinta-feira, com o boicote aos jogos por parte de 12 adversários. “Estou estupefacto. Isto é de tal forma grave que já pedi uma reunião urgente à AF Porto com todos os clubes, não só para perceber o que aconteceu, mas para tentar reverter a situação”, refere o presidente do Canelas 2010.

Bruno Canastro admite excessos dentro e fora das quatro linhas na época passada, que ditaram a falta de comparência do Lavrense e do Balazar, mas que os casos foram sanados. “O Canelas aceitou todas as condições impostas pela A F Porto, desde o reforço do policiamento à nomeação de árbitros dos nacionais, que nem concordo com isso”, frisa Bruno Canastro, sublinhando que não faz sentido os adversários partirem para este tipo de represálias sem apresentarem sequer reivindicações.

“Não entendo. O último jogo foi com o Padroense, acabou empatado a zero e sem incidentes, apenas uma ou outra confusão nas bancadas”, adverte o líder do clube onde jogam seis Super Dragões, entre os quais o líder da claque Fernando Madureira, o goleador do plantel.