Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

A vida de Uchebo: “Sei que, nas costas, o Fary está a matar-me”

Desde abril que o Boavista não lhe paga o salário e já passou dois dias sem eletricidade, na casa que o clube também lhe deixou de pagar. Michael Uchebo é “o ganha pão” da família, que “está a sofrer” na Nigéria, mas os axadrezados não o deixam treinar ou sequer comer com a equipa. Dizem-lhe que não é jogador do Boavista, clube com o qual tem contrato: “O presidente chegou a dizer-me, na cara, que não ia pagar o meu salário”

Diogo Pombo

GLYN KIRK

Partilhar

Em novembro, ao virar da esquina para uma semana sem jogos, culpa de uma paragem de seleções, deram-lhe uma notícia. Ele estava a ser importante, presente em todos os jogos, a torre que se erguia na frente de uma equipa vivia, lutando. Não houve “quaisquer sinais”, por isso nem suspeitava que os responsáveis do Boavista o fossem informar que o queriam fora do clube, em janeiro.

Confuso, Michael Uchebo perguntou porquê, quis saber se tinha feito algo de errado, ou irritado alguém que não devia. Não lhe deram uma resposta e, até hoje, continua à espera de uma. Ele, um tipo pacato, que diz e repete que nunca cria problemas, a calma personificada numa pessoa com quase dois metros em altura, disse “ok”.

Resignou-se, pôs na cabeça que se tinha de ir embora. Só que, pouco depois, disseram-lhe que não poderia continuar a treinar com a equipa principal. Ficou estupefacto. “Queriam que deixasse de treinar a dois meses do mercado de inverno, era de loucos. Mas disse que precisava de treinar, para manter a forma”, conta, arrastando a voz, cabisbaixo sobre a mesa na qual assenta os cotovelos.

O olhar é triste, tem as sobrancelhas naquele jeito de quem vive em lamento, com a testa franzida por falta de alegria.

Minutos antes de falarmos, Uchebo esteve perante dezenas de jornalistas, quase encolhido, com os olhos a quererem lacrimejar. Agora, estamos numa das salas da sede do Sindicato de Jogadores Profissionais de Futebol, baixa lisboeta. É assim, sentados e à volta de uma mesa, num clima de reunião, que ele diz já ter estado “mais de 30 vezes” com Álvaro Braga Júnior, presidente do Boavista, desde novembro.

Esses encontros “nunca deram em nada” de bom para ele, que não esquece o momento em que quem manda no Boavista lhe garantiu uma coisa: “O presidente chegou a dizer-me, na cara, que não ia pagar o meu salário”.

Não me precisa a altura que o ouviu a dizê-lo, mas sabe as voltas que a sua história já deu entretanto. Quando o informaram que o queriam fora do clube, começou a pensar em alternativas, em sair.

Falou com o agente, procurou treinar-se, preocupou-se com a forma física. Em dezembro de 2015, contudo, o Boavista trocou de treinador, e de postura para com o nigeriano. Erwin Sanchéz chegou ao clube e ao lado de Fary, o diretor desportivo, disse a Uchebo que o queria de volta.

Michael Uchebo, ao centro, ao lado de Joaquim Evangelista, presidente do sindicato dos jogadores, durante a conferência de imprensa realizada esta segunda-feira

Michael Uchebo, ao centro, ao lado de Joaquim Evangelista, presidente do sindicato dos jogadores, durante a conferência de imprensa realizada esta segunda-feira

SJPF

À minha frente, ele ri-se, mostra os dentes por um segundo, sorri, estupefacto, pelo insólito da situação que recorda. “Depois de dois meses, não percebi, sabes? Mas tinha um contrato com o clube, não tinha escolha, não posso dizer que não, isso traria-me mais problemas. Na internet, os adeptos diziam que tinha de voltar. Sabia que eles me adoravam, não queria causar problemas. Ok, voltei e comecei a jogar outra vez”, resume, ainda a achar aquilo tão estranho como achou na altura.

Porque, semanas antes, quando disse ao Boavista que tinha “duas opções” para sair em janeiro, “eles deixaram de pagar o salário”.

Uchebo deixou-se ir, pensou que era o melhor, não queria arranjar chatices por ser alguém – e repete esta ideia várias vezes– que “não gosta de causar problemas”.

Tranquilo, foi-se treinando e jogando de janeiro a abril, ajudando como podia. Até que, “antes do final da época passada”, o Boavista lhe voltou a dizer que não o queria: no verão, o nigeriano tinha que ir embora.

Voltou a preocupação, os telefonemas com o agente, a necessidade de arranjar uma solução. Não o conseguiu. Os axadrezados, em comunicado, dizem que “várias soluções de empréstimo ou cedência definitiva, com boas perspetivas financeiras”, foram rejeitadas pelo jogador. E o clube, que já não lhe pagava ordenados desde abril, apresentou-lhe outra alternativa: “Deram-me um papel para assinar, para rescindir e ir-me embora, sem me pagarem os salários. Eles queriam deixar-me e pronto”.

Uchebo disse que não, o mercado veraneio fechou e o Boavista propôs outra solução. “Ofereceram-me só um mês de salário para me ir embora”, garante.

O avançado de 26 anos voltou a dizer que não, ao contrário de Uche N’wofor, Mario Martínez e Aymen Tahar, três jogadores que sofreram com os mesmos males e rescindiram com o Boavista entretanto. Ou cederam às pressões, como explica Joaquim Evangelista, presidente do sindicato, sentado ao lado de Uchebo na conferência de imprensa que se realiza pouco antes.

Uche, por exemplo, reclama que os axadrezados lhe devem cerca de €100 mil que ficaram preto no branco, mas que ainda não lhe chegaram à conta bancária.

Uchebo em jogo, a época passada, contra o Benfica

Uchebo em jogo, a época passada, contra o Benfica

PATRICIA DE MELO MOREIRA

E hoje é um tipo com ar tristonho, camisa com a cara de Jimi Hendrix estampada ao peito, aquecido por um casaco de cabedal e um terço ao pescoço, que mantém sobre a roupa, a lamentar o que lhe acontece desde o início da época. O Boavista continuou a não lhe pagar o salário de 15 mil euros. Deixou de assegurar a renda e as contas da casa que lhe providenciou, no Porto.

Já passou dois dias sem eletricidade. O dinheiro para comer e sustentar a família que tem na Nigéria foi-se acabando. “Sou o ganha-pão deles”, diz, interrompendo o discurso por um segundo e fitando nos olhos, como que a garantir que percebem o que se está a passar. “Porque eles [o Boavista] não querem saber. Se eu estivesse a morrer, eles não não se importariam. Há meses que nem sequer me perguntam como estou a viver, ou se me tenho alimentado”, critica, dando um pouco de desespero à voz.

É isso que mais tem sentido quando, quase todos os dias, vai até às instalações do Boavista e não o deixam treinar. Por vezes, fazem com que nem saia de casa. “Quero ir treinar, mas eles enviam-me mensagens a dizer para não ir. Enviam com tempo, para avisar”, lamenta.

Quando lá aparece, até o proíbem de entrar no ginásio. Uchebo não entende como ninguém no clube lhe desenha um “plano de treino” para se exercitar sozinho, como já pediu a Diogo Braga, administrador do clube, e como lembra ser “o normal” quando “situações destas” acontecem noutros clubes. “Os clubes colocam-te a treinar com a equipa de reservas, por exemplo, mas pagam-te. Aqui não. São frontais e dizem, na cara, que não nos deixam fazer nada”, conta, falando de algo que “nunca tinha visto na Europa e nem sequer em África”.

Refere o continente onde nasceu, o mesmo de Fary, diretor desportivo do Boavista que, durante muitos anos, também jogou à bola. Uchebo fala dele com mágoa, lembra-se, no momento, como ele uma vez lhe disse que “não era jogador do Boavista e que não podia comer com os outros jogadores do plantel”. O nigeriano bate com as palavras no senegalês. Está triste e desiludido com ele, uma pessoa que via “como um irmão”, com quem falou “muitas vezes sobre este problema”, mas que sabe que, “nas costas”, o está “a matar”.

Não o ajudou, ou quis saber dele, quando Uchebo começou a barrado e “empurrado” por seguranças do Boavista, nas instalações do clube. “Não aconteceu uma ou duas vezes”, garante, enquanto esbugalha um pouco os olhos, como que assustado, mas “pelo menos umas três vezes”.

Numa delas, pegou no telemóvel e colocou-o a gravar um vídeo, pois “precisava de provar a forma” como os axadrezados o têm tratado. “Não quero causar problemas ao Boavista, mas, se não fizesse o vídeo, as pessoas não iam perceber”, justifica. Por isso filmou “o tipo de agressividade” da qual diz ser alvo.

Uchebo, que está no Porto sozinho, foi tendo receio. Ainda o tem. Agora sente-se melhor, “mais feliz”, agora que tem o apoio humano, jurídico e financeiro do sindicato. “Mas nem assim”, desabafa, “o Boavista faz alguma coisa” quanto a um jogador com o qual tem contrato até ao final desta época.

O nigeriano vai falando com a família, que “está a sofrer”. Explica que todos “acreditam demais em Deus” e sabem que “esta é a altura em que Deus vai lutar” por eles. Sem treinar, jogar ou sequer ir ao ginásio, sabe que é pouco provável arranjar uma solução em janeiro, um clube que o queira.

Explica, de ombros encolhidos, que tinha todas as razões para pensar que, em Portugal, “todos os clubes e as pessoas no futebol são assim”. Mas não, Michael Uchebo também sabe que não é assim, que nem todos os dirigentes proíbem os jogadores do plantel “de se darem ou envolverem” com um jogador que é mantido à parte, algo que diz estar a acontecer no Boavista.

As pessoas que possam ler este texto, diz ele, “não entendem” o que ele está a dizer ou as coisas pelas quais está a passar. “O Boavista não tem respeito por mim”, resume. E mesmo que pessoas no sindicato digam que os dirigentes do clube atendem o telefone e que vão arranjar uma solução, Uchebo pensa de outra forma: “Estas pessoas não mudam”.

  • Uchebo, o nigeriano que se diz “escravo” do Boavista

    Futebol nacional

    Michael Uchebo é um avançado nigeriano que está a travar uma luta com o Boavista. O clube não lhe paga o salário, nem o deixa treinar ou usar as instalações. Uchebo, que chegou a ser ameaçado por um segurança - “A minha vontade é pô-lo a dormir” -, não recebe salário desde abril e está a ser ajudado, monetariamente, pelo sindicato de jogadores