Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

José Mota: “2-0 no intervalo limitou-nos e de que maneira”

O treinador do Feirense diz que perder um jogador logo nos primeiros minutos, sofrer um golo pouco depois e mais outro ainda na primeira parte foi mais do que sufiente para a equipa de Santa Maria da Feira não conseguir dar a volta ao resultado contra o FCP

Expresso

FERNANDO VELUDO/LUSA

Partilhar

"Jogar com o Porto com um jogador a menos nos primeiros minutos e nesse mesmo lance sofrer um golo de penalti cria muitos desiquilíbrios emocionais, mas também em termos do colectivo, daquilo que pretendíamos. Sentimos que a estratégia que tínhamos para este jogo acaba por ruir"

Para o treinador do Feirense, José Mota, é óvio que os acontecimentos do arraque do jogo ditaram o desmpenho da equipa e o resultado do jogo. Contudo, o dirigente diz que, apesar de tudo isto, tentaram "ser uma equipa organizada, que também criou as suas hipóteses de golo".

"Durante a primeira parte também percebemos que o Porto iria assumir o jogo e criar desgaste", mas "2-0 no intervalo limitou-nos e de que maneira", comentou.

José Mota diz, aliás, que apesar de na segunda parte tentarem "ser extramente organizados", sabiam que "ia ser extremamente difícil dar a volta a o resultado".

"Ainda tivémos uma bola na trave, mais uma outra situação, mas estávamos demasiado curtos e sem poder ofensivo para criarmos mais oportunidades e naturalmente o Porto foi aproveitando, desgastando a minha equipa e acho que acontece o 3-0 e o 4-0 com muita naturalidade".

Questionado sobre as alterações à equipa, José Mota explica que foram sendo feitas porque criar um maior desgaste jogar só com 10. "Não se pode pedir aos jogadores que sejam ofensivos e defensivos, tem de haver o equilíbrio necessário".

"Até ao intervalo podia ter feito uma substutição em termos defensivos, não o fiz porque senti que a equipa ainda estava equilibrada e tinha tido boa chance para fazer golo e portanto mantive a mesma estrutura e penso que a equipa esteve muitíssimo bem. Na segunda parte, com o desgaste dos jorgadores mais ofensivos, tivemos de ter o equilíbrio necessário".

José Mota comentou ainda que a derrota com o Porto praticamente não conta porque a equipa quase que foi obrigada a que isso acontecesse "porque é muito difícil jogar com 10 contra um Porto moralizado e com os grandes jogadores que tem, mas os meus jogadores tudo fizeram para ter outro resultado e merecáamos ter feito um ou dois golos. Tudo isto dava um pouco de ânimo aos jogadores pelo trabalho que desenvolvorem, que foi muito".

É por isso que que diz: "Sabemos qual é o nosso caminho e o que temos de fazer" daqui para a frente.