Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Nuno Espírito Santo: “Controlámos o jogo, independentemente da inferioridade numérica”

O treinador do Futebol Clube do Porto diz que a vitória frente ao Feirense por 4-0 não tem nada a ver com o facto de a equipa de Santa Maria da Feira ter ficando com menos um jogador logo no início da partida

Expresso

ESTELA SILVA/LUSA

Partilhar

O treinador do Futebol Clube do Porto (FCP), Nuno Espírito Santo, considera que a sua equipa foi claramente superior à do Feirense, a quem ganharam por 4-0 no jogo deste domingo à tarde. Ou seja, o facto da equipa de Santa Maria da Feira ter perdido um jogador logo no início do jogo não influenciou em nada o resultado.

"Conseguimos controlar totalmente o jogo, isso é que é importante, independentemente da inferioridade numérica. Soubemos desbloquear a equipa do Feirense e chegar ao golo. O mais importante é manter sempre o equilibrio e estar sempre dentro do jogo e atingir uma vitória que é justa", disse à Sport TV no final da partida.

Nuno Espírito Santo diz que este desempenho e resultado estão relacionados com "uma boa organização", da equipa e "um bom trabalho de jogadores" que estão determinados. Além disso, destacou ainda que a importância da apsta na defesa que já fez com que não sofressem nenhum golo em sete jogos.

"Saber que todos tem de defender. é um dos pilares que defendemos para esta equipa. Saber manter a nossa baliza a zero poque assim estamos sempre muito mais perto de conseguir a vitoria", explicou.

Questionado sobre as alterações que fez à equipa durante o jogo, o treinador do FCP diz "os jogadores que entraram, entraram bem e tem sido sempre assim, Mais uma demonstração que contamos com todos e que todos são importantes".

Já quanto ao Benfica-Sporting deste domingo, Nuno Espírito Santo não fez grandes considerações. "O fundametal hoje era cumprir com a nossa obrigação, fazer um bom jogo, consolidar o que fomos fazendo, crescer, melhorar. Tudo o que aconteça no jogo dos nossos rivais é positivo para nós porque cumprimos com a nossa obrigação", concluiu.