Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Vira o disco e toca o mesmo: FC Porto não tira o pé do acelerador

André Silva (por duas vezes) e Brahimi marcaram de novo na segunda goleada consecutiva dos dragões, com Marcano a completar o 4-0 em Santa Maria da Feira. Mesmo a jogar com 10 desde os 3 minutos, Feirense ainda assustou com duas bolas nos ferros

Tiago Oliveira

Comentários

FRANCISCO LEONG

Partilhar

Ícaro. Aquele da mitologia grega que, segundo reza a lenda, morreu porque quis voar demasiado próximo do sol. Já ouviu falar? Experimentado ou novato na história, tem aqui um bom ponto de partida para o momento que condicionou todo o jogo. Minuto 3. Lançamento longo que coloca André Silva na cara do golo, apenas com o guarda-redes pela frente. Em desespero, o defesa do Feirense agarra o ponta-de-lança portista e derruba-o. Grande penalidade e vermelho direto. O nome em comum? Ícaro. Saída prematura de cena a marcar o desafio que terminou com um 4-0 a favor dos azuis e brancos.

Uma machadada na estratégia de José Mota para tentar alcançar a primeira vitória dos “fogaceiros” para o campeonato em mais dois meses e que resultou no primeiro golo da partida. Tal como tinha feito no último golo fora de portas (frente ao Club Brugge, 18 de outubro), André Silva não vacilou e colocou desde cedo o Futebol Clube do Porto na frente do marcador. Para uma equipa que até recentemente tinha estado cinco jogos sem colocar a bola no fundo das redes, tudo apontava para a continuação da recuperação. Mas as suspeitas de morte do Feirense mostraram-se manifestamente exageradas.

A jogar em superioridade numérica e mesmo a repetir o onze que na quarta-feira tinha goleado o campeão inglês Leicester, os azuis e brancos revelaram grandes dificuldades até aos 20 minutos e nunca conseguiram assentar bem o seu jogo. Com Tiago Silva em destaque na condução de jogo e Karamanos a dar muito trabalho aos centrais, o Feirense conseguiu incomodar a defensiva portista com combinações incisivas e livres sempre perigosos. Na sequência de um deles, aos 17 minutos, a bola sobrou para Tiago Silva que, de fora da área, encheu o pé para um remate que embateu em cheio no poste esquerdo da baliza de Iker Casillas, com o espanhol completamente batido. Um aviso de perigo que não permitia descansar.

Gerir e marcar

Só a meio da primeira parte é que a equipa portista se começou verdadeiramente a impor, com Óliver, Corona e Brahimi em destaque. Seria o último a dar maior tranquilidade à equipa, com um golo aos 33 minutos. Tudo simples: lançamento de Maxi Pereira para a grande área, desvio de Danilo e o argelino a fazer uso da sua ténica para ultrapassar dois adversários e colocar a bola no fundo das redes de Vaná. Novo golpe na equipa de Santa Maria da Feira e um tónico necessário para uma equipa estranhamente intranquila e pouca assertiva perante o cenário favorável. E assim se confirmou.

A partir daí, o jogo desenrolou-se sempre na mesma toada, com o Porto sempre no controlo total das operações mas sem nunca verdadeiramente deslumbrar. O início da segunda parte trouxe mais um golo (o terceiro de bola parada) com Felipe a antecipar-se ao primeiro poste e Marcano a confirmar sobre a linha. Parceria defensiva a funcionar no ataque. Com a vitória a ser quase uma certeza, Nuno Espírito Santo começou a gerir o esforço físico da

equipa, com as saídas de Corona e Ólivera. A equipa não se ressentiu e a vantagem ampliou-se com André Silva a responder de cabeça a um cruzamento de Alex Telles aos 66 minutos. Segundo bis consecutivo do jovem ponta-de-lança português, que pouco depois seria rendido pelo novo produto da cantera do Olival, Rui Pedro. Até final, nota ainda para mais uma bola no ferro, desta feita por intermédio de Platiny aos 89 minutos, naquele que teria sido um prémio merecido para o esforço da equipa do Feirense.

Para o Porto, o sétimo jogo consecutivo sem sofrer golos (já não se via igual desde 1996/1997) e dez golos em três jogos, após uma seca que ameaçava descarrilar a época dos dragões. Volte-face? No banco, era notória a boa disposição entre jogadores. Após um jogo facilitado pelo voo de Ícaro, agora é esperar pelo resultado do derby e ver qual dos rivais da segunda circular vai ficar mais próximo.