Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Bruno de Carvalho assume “desilusão” com época e reitera confiança em Jesus

A mensagem do presidente leonino foi publicada no dia seguinte à eliminação do Sporting pelo Desportivo de Chaves (1-0) nos quartos de final da Taça de Portugal e três dias depois do empate no mesmo campo (2-2), para a I Liga, que manteve o clube de Alvalade a oito pontos do líder Benfica

Lusa

JOSE COELHO / LUSA

Partilhar

O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, assumiu esta quarta-feira que “esta época, ao nível do futebol, tem sido uma desilusão”, mas garantiu que “atirar a toalha ao chão não é uma hipótese” e reiterou a confiança em Jorge Jesus.

“Sem rodeios, esta época, ao nível do futebol, tem sido uma desilusão. Resta-nos lutar pelo campeonato. Atirar a toalha ao chão não é uma hipótese”, escreveu Bruno de Carvalho na sua página no Facebook.

A mensagem do presidente leonino foi publicada no dia seguinte à eliminação do Sporting pelo Desportivo de Chaves (1-0) nos quartos de final da Taça de Portugal e três dias depois do empate no mesmo campo (2-2), para a I Liga, que manteve o clube de Alvalade a oito pontos do líder Benfica.

“Estou triste, desolado, mas estados de alma não são compatíveis nem se podem confundir com as funções que assumi (...) Não irei dar um passo atrás para apaziguar algumas 'almas' sportinguistas, nem fazer o gosto a quem, fora e dentro do nosso clube, quer sangue pelo sangue”, frisou.

Bruno de Carvalho garantiu que, “com o treinador Jorge Jesus”, vai “manter a coesão de um grupo que necessita de elevar os seus níveis de entrega e de acerto técnico-tático, mas, para isso, a sua autoconfiança e autoestima têm de ser trabalhadas”.

“Eu sou o responsável máximo e, logo de seguida, o treinador [Jorge Jesus]. Precisamos do vosso apoio para mantermos esta equipa, a quem resta um objetivo que, estando difícil, não é impossível: o campeonato”, reiterou.

Neste sentido, o presidente do Sporting insistiu que “a política da exigência vai manter-se”, acrescentando que “estes ciclos negativos surgem no futebol com uma força tal que, facilmente, tudo e todos são colocados em causa”.