Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Ministério Público abre investigação ao caso da aposta ilegal no Feirense-Rio Ave

DIAP de Aveiro decidiu abrir inquérito. Aposta suspeita de 50 mil euros foi feita esta segunda-feira algumas horas antes do jogo entra as duas equipas

Hugo Franco e Marta Gonçalves

SUCESSO. Lançado pela Santa Casa em setembro, o Placard permite fazer apostas diárias em jogos de futebol, ténis ou basquetebol

d.r.

Partilhar

Dois dias depois do jogo entre o Feirense-Rio Ave, o Departamento de Investigação e Ação Penal de Aveiro decidiu abrir um inquérito a aposta suspeita. A informação foi confirmada em comunicado, esta quarta-feira à noite, pelo Ministério Público.

Poucas horas antes da partida, a Santa Casa da Misericórdia de suspendeu as apostas no Placard no jogo que deu a vitória à equipa da casa por 2 a 1. Um apostador colecionou perto de 50 boletins no valor de mil euros só para aquela partida, totalizando quase 50 mil euros em apostas.

As dúvidas são ainda bem superiores às certezas, neste caso. O que se sabe ao certo? Ao contrário das apostas online desportivas, onde é possível jogar em qualquer parte do mundo, a operação foi feita em Portugal e não se confirma que tenha sido um cidadão chinês, como chegou a ser noticiado. No Placard, o apostador tem de registar fisicamente o boletim nos agentes da Santa Casa já que o jogo não se encontra disponível online, pelo menos por enquanto. E a aposta máxima permitida por boletim é de mil euros.

O facto de as apostas terem sido feitas por uma só pessoa, a um jogo considerado de interesse médio/baixo, durante a hora de almoço de segunda-feira — um dia em que até os maníacos das apostas não estão para aí virados —, fez levantar suspeitas. A Santa Casa atuou de imediato, emitindo um comunicado antes da partida em Santa Maria da Feira, em que anunciou que “as apostas ao evento encontram-se suspensas em todos os tipos e prognósticos”. Também as apostas na Betclic e na Bet.pt foram canceladas devido “aos movimentos atípicos”.

No caso do Feirense-Rio Ave, exceto o apostador sob suspeita, todos os outros que jogaram com as probabilidades neste Feirense-Rio Ave (até às 15h30 de ontem, altura da suspensão), irão receber os dividendos. As autoridades têm várias pistas para chegar ao homem que mexeu com um jogo menor: o suspeito utilizou o mesmo número de contribuinte, o que não deverá deixar muitas dúvidas sobre a sua identidade.

Na terça-feira à noite, o Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ) anunciou que “está a averiguar em detalhe” as apostas no Placard relativas à partida de futebo. “O SRIJ notificou as entidades exploradoras para retirarem esta competição das respetivas listas de eventos sujeitos a aposta. Esta decisão foi igualmente transmitida à Liga Portuguesa de Futebol. O SRIJ está agora a averiguar em detalhe o ocorrido nas apostas efetuadas naquele jogo, tendo inclusive estabelecido contactos com outros reguladores europeus que também alertaram para esta situação”, lê-se no comunicado.

Em reação à polémica, Feirense e Rio Ave criticaram posição “tardia” e “irresponsável” da Santa Casa, recusando qualquer envolvimento na manipulação de resultados.