Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Se há alguém que não está para brincadeiras, esse alguém é Mitroglou

Num jogo muito equilibrado em Braga, o Benfica conseguiu a vitória nos últimos minutos, por intermédio do mesmo homem que já tinha decidido contra o Borussia de Dortmund: Mitroglou

Expresso

Mitroglou fez o único golo em Braga

MIGUEL RIOPA

Partilhar

Caro leitor, alguma vez viu o Halley, o cometa que passa de 75 em 75 anos pela Terra? Se a resposta é "sim", considere-se um felizardo por ter visto um fenómeno raro, mas ainda assim bem mais frequente do que um outro que foi avistado esta noite em Braga, e que é inversamente proporcional aos golos que marca: Mitroglou a sorrir.

O grego não é nem particularmente expressivo, nem particularmente bom em termos técnicos, mas podem sempre contar com ele para fazer os golos que contam: na época passada, em Alvalade; esta semana, contra o Borussia de Dortmund; hoje à noite, contra o Sporting de Braga (e, esta época, já são 20 em 31 jogos).

Aos 80 minutos, Pizzi fez a Assis o que Assis andava a fazer a quase toda a gente desde o início do jogo: roubou-lhe a bola. Jiménez, que tinha entrado há poucos minutos para o lugar de Zivkovic (titular no lugar de Carrillo), pegou nela e lançou Mitroglou pelo corredor direito.

O que podia ter sido uma jogada igual a tantas outras, foi afinal uma jogada à Mitroglou: de forma quase tão atabalhoada quanto o golo que marcou ao Borussia, o avançado desenvencilhou-se da confusão de defesas bracarenses e rematou para o único golo do jogo. E, coisa rara, sorriu. Tal como Rui Vitória, que na antevisão do jogo andou com cara de poucos amigos quando disse isto: "Sou muito tolerante, mas não brinquem com o meu trabalho nem com o dos meus jogadores. "

Arbitragens à parte, os 90 minutos do Sporting de Braga-Benfica foram sempre de muito equilíbrio, ainda que com algum ascendente para o anfitrião na 1ª parte, especialmente sempre que Pedro Santos pegava na bola e desequilibrava. Tanto através de remates - ao lado - como de assistências - marcou o canto que Battaglia cabeceou ao poste da baliza de Júlio César (titular esta noite devido ao castigo de Ederson), naquela que foi a grande oportunidade de golo da primeira metade.

Antes, Mitroglou já tinha marcado, mas a recarga ao remate de meia distância de Eliseu foi feita em fora de jogo, de acordo com a equipa de arbitragem. Depois, Mitroglou voltou a aparecer no sítio certo - e, desta vez, na altura certa -, mas o desvio ao cruzamento de Rafa passou por cima - de Marafona e da baliza bracarense.

Na 2ª parte, o equilíbrio manteve-se, mas as oportunidades de golo diminuiram, apesar da emoção ter aumentado. É que o jogo passou a ter muito mais transições rápidas e foi assim, através da desorganização alheia, que o Benfica aproveitou para fazer o que o Braga não conseguiu: chegar ao golo.

Tremendamente eficaz, o Benfica ultrapassa um dos testes mais difíceis da 2ª volta e mantém assim a liderança da Liga, com 54 pontos, mais um do que o FC Porto. Ou seja, os benfiquistas - até Mitroglou - têm motivos para continuar a sorrir.