Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Golos, afundanços, futurologia, medalhas e dedos no ar

Ou como se destacam cinco pontos de mais um fim de semana desportivo. Mitroglou devolveu o sonho aos benfiquistas. Rui Patrício salvou o Sporting de mais um pesadelo e o FC Porto continua bem acordado. Lá fora, Mourinho torna-se vidente e Ancelotti mal criado. Nos EUA o basquetebol continua noutra estratosfera

Alexandra Simões de Abreu

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Partilhar

Mitroglou resolve

Cinco dias depois de marcar o golo que deu a vitória do Benfica frente ao Borussia Dortmund, para a Liga dos Campeões, Mitroglou voltou a resolver. A 10 minutos do fim da partida com o Sp. de Braga, finta, atrapalha-se, finta, volta a fintar e, marca. O grego garantiu a manutenção do primeiro lugar aos encarnados - um dia antes o FC Porto recebeu e goleou o Tondela por 4-0 -, e não fosse estar no clube rival ainda se arriscava a ser comparado a Liedson, o “levezinho” do Sporting que, resolvia. Quem sabe a comparação não sobra para Alan Ruiz que marcou nos últimos três jogos do Sporting (FC Porto, Moreirense e Rio Ave)? Embora, verdade seja dita, quem salvou o Sporting nesta jornada, a 22ª, foi o gigante Rui Patrício que deu um show de defesas no dia em que fez 400 jogos pelo Sporting.

Mourinho, o vidente

Ele nunca escondeu, é o “special one”. Assim sendo, se calhar podemos acreditar quando José Mourinho diz que o Chelsea já é campeão. “Tenho o Saint Étienne para a Liga Europa esta semana, a final da Taça da Liga e espero continuar na Liga Europa. E ainda tenho de lugar por uma posição nos quatro primeiros lugares do campeonato. Provavelmente o Chelsea pode focar-se apenas na Taça de Inglaterra, porque já são campeões e não têm mais nada por que lutar", disse o técnico português no final do encontro frente ao Blackburn Rovers, que o Manchester United venceu por 2-1. Resta saber se estava a adivinhar o futuro ou apenas a ser irónico.

O espectáculo dos triplos e dos afundanços

Quando as melhores estrelas do basquetebol norte-americano se juntam para jogar, o que fica na memória não é o resultado mas as imagens das melhores jogadas e afundanços. Foi o que voltou a acontecer no 'All Star Game' da NBA, em que Eric Gordon, dos Houston Rockets, venceu no sábado o concurso de triplos, enquanto Glenn Robinson, dos Indiana Pacers, conquistou o concurso de afundanços. Já no domingo, no embate entre as seleções das conferências Este e Oeste, esta última equipa saiu vencedora (192-182), num encontro em que Anthony Davis jogou “em casa” e marcou 52 pontos pela equipa Oeste.

Trampolim de medalhas

Portugal foi à Taça do Mundo de ginástica de trampolins, disputada em Baku, no Azerbaijão, e saiu de lá com uma medalha de prata e duas de bronze. Raquel Pinto subiu ao segundo lugar do pódio na disciplina de tumbling, enquanto nos trampolins Diogo Abreu, em singulares masculinos, e a dupla feminina formada por Sílvia Saiote e Beatriz, conquistaram medalhas de bronze.

Noivado, reabertura e gestos impróprios

É verdade que o Braga-Benfica ficou marcado pelo esquisito e contundente golo de Mitroglou, mas para duas das 20 mil pessoas que estavam no estádio minhoto, esse será o facto menos lembrado daqui a uns anos. No intervalo da partida um adepto bracarense pediu a sua namorada em casamento. E ela disse que sim. E já que falamos de acontecimentos que não sendo diretamente desporto estão ligados a ele, outro facto marcante do fim de semana foi a reabertura do Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, 14 anos depois do seu encerramento e na data, 18 de fevereiro, que assinalou os 70 anos do ex-atleta que hoje lhe dá nome. Para terminar, há que contar como o técnico italiano do Bayern de Munique, Carlo Ancelotti perdeu a postura este fim de semana, ao mostrar o dedo do meio aos adeptos adversários. Aconteceu no final do jogo com o Hertha de Berlim, que acabou empatado a um golo. Ancelotti levantou e mostrou o dedo do meio bem alto, foi filmado a fazê-lo e agora arrisca-se a uma suspensão. O italiano entretanto já veio justificar o seu comportamento alegando que só reagiu assim porque foi cuspido.