Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Marco, um “monstro de músculos” com memória de passarinho

O agressor do árbitro José Rodrigues é um cultor do corpo trabalhado com muitas horas de ginásio. Conhecido por Marco ‘Orelhas’, o jogador do Canelas 2010 alinhou nos Passarinhos da Ribeira. Não se recorda de ter partido o nariz do árbitro do jogo com o Rio Tinto

Isabel Paulo

Partilhar

Como muitos dos elementos da numerosa claque dos Super Dragões, Marco António Viera Gonçalves, 34 anos, é mais conhecido nos bastidores do futebol pela alcunha, no caso Marco ‘Orelhas’, amigo de longa data de Fernando Madureira, aka ‘Macaco’, capitão do Canelas 2010, clube da I Divisão de Elite-Pro-Nacional da Associação de Futebol do Porto (A.F. Porto), equipa conhecida pela sua violência dentro de campo.

O Expresso sabe que Marco Gonçalves não tem ocupação profissional declarada, sendo frequentador assíduo de ginásios. “É um grande cultor do corpo”, refere fonte próxima do Canelas 2010, o clube renascido das cinzas no dobrar da década, após ter sido declarada a insolvência do Canelas Futebol Clube, com meio século de história.

Segundo fonte próxima do clube, o membro da claque dos Super Dragões foi funcionário da S.P.D.E. – Segurança Privada e Vigilância em Eventos, empresa dirigida por Eduardo Silva, um dos 53 acusados no processo em curso ‘Operação Fénix’ – entre fevereiro e julho de 2014. No processo, Pinto da Costa e Antero Henrique são também acusados por terem alegadamente recorrido a segurança pessoal da S.P.D.E., apesar de a empresa não ter alvará para prestar este tipo de serviço.

Registo criminal trama carreira na SPDE

Não lhe renovaram o contrato porque, soube o Expresso, teve problemas no registo do cadastro criminal. A S.P.D.E. de Edú, a alcunha do gerente da empresa suspeito de ter dominado pelo medo centenas de casas de diversão noturna no norte do país e em Lisboa, não terá sido a única firma de segurança em que trabalhou Marco Gonçalves, hoje constituído arguido após ter sido interrogado no Tribunal de Gondomar – fica a aguardar julgamento em liberdade com Termo de Identidade e Residência.

Marco cresceu e estudou no problemático bairro social do Cerco, na deprimida zona de Campanhã, berço de recrutamento de boa parte da claque dos Super Dragões. O camisola 10 do Canelas deu os primeiros pontapés na bola na coletividade Cerco do Porto, passou pelos Passarinhos da Ribeira, na zona de Miragaia, jogou no Castêlo da Maia e de novo no Cerco até ser convidado por Fernando Madureira para alinhar a seu lado na equipa que tenta a subida ao Campeonato de Portugal.

O presidente do Canelas, Bruno Canastro, já expulsou o agressor do árbitro. José Rodrigues deverá ser submetido nos próximos dias a uma cirurgia corretiva ao nariz, mas o presidente do Canelas não se conforma com a má fama do clube onde nunca jogaram “mais do que quatro ou cinco Super Dragões”.

“São mais as nozes do que as vozes”, diz o dirigente, para quem até ontem Marco ‘Orelhas’ era um rapaz sensível, mesmo sendo um “monstro de músculos”. Ainda há duas semanas, conta que o Canelas perdeu com o Desportivo das Aves B por 4-0, Marco falhou um penalti e no final ofereceu a camisola a um adversário. “E é capaz de chorar quando os jogos nos correm mal. Nunca o imaginei capaz de uma barbaridade daquelas”, afirma Bruno Canastro.

Força nas Canelas

O Canelas 2010 saltou para as páginas dos jornais dois anos depois da sua refundação, quando Fernando Madureira trocou o Mocidade Sangemil pelo clube de Gaia, com algumas condições preliminares – ser ele um dos titulares da equipa, a par de alguns companheiros da velha guarda dos Super Dragões. Outro dos requisitos era que o FC Porto está acima de tudo, o que implica faltar a treinos ou jogos quando os superiores interesses azuis e brancos assim o demandam.

Após duas épocas sem desmandos de maior, o Canelas 2010 entrou numa espiral de violência, um clima de insegurança que culminou em outubro com o boicoto das equipas adversárias aos jogos, exceção feita ao Candal, apesar do reforço de segurança e nomeação de árbitros das categorias nacionais nos encontros em casa e fora de portas.

O regresso dos rivais à competição aconteceu em meados de março, no início da segunda fase da prova, etapa em que a terceira falta de comparência negaria o acesso ao Campeonato de Portugal.

Ativo no Facebook, Marco é pai de dois filhos e declara-se viúvo. É amigo de Carlos Silva, mais conhecido por Aranha, o Super Dragão detido na Operação Jogo Duplo em maio de 2016, suspeito de ser um dos intermediários do caso das apostas ilegais e combinação de resultados que levou à suspensão de jogadores do Oriental, Oliveirense e dirigentes do Leixões.

O até ontem avançado do Canelas é ainda do círculo próximo de Bruno Mendes, também da claque portista e um dos seis detidos no processo desencadeado na passada semana no âmbito do processo Jogo Duplo por aliciamento de jogadores e combinação de resultados.