Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Benfica acusa Francisco J. Marques de ser avençado do FCP quando era jornalista

Diretor de comunicação do Benfica, Luís Bernardo, acusa o diretor de comunicação do FC Porto. E acrescenta que os emails divulgados pelo FC Porto, que implicam o Benfica num esquema de corrupção desportiva, não comprometem o seu clube

Maria João Bourbon e Pedro Candeias

Francisco J. Marques é o diretor de comunicação do FC Porto

DR

Partilhar

“Tenho aqui um contrato de trabalho, não sei se é verdade, de Francisco J. Marques com o Porto quando era ainda jornalista da Lusa, editor de Desporto da Lusa. Na altura, já tinha uma avença com o FC Porto.” Quem o diz é o diretor de comunicação do Benfica, Luís Bernardo, na primeira reação do clube à divulgação, por parte do FC Porto, dos emails que implicam o Benfica num esquema de corrupção desportiva.

O caso está a ser investigado pelo Ministério Público e pelo conselho disciplinar da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

“Os emails são verdadeiros?”, questiona Luís Bernardo, em declarações esta sexta-feira à Benfica TV. “Se são verdadeiros ou não, isso compete ao Ministério Público. É um ciber-crime.” E acrescenta que o Benfica vai entrar com um processo crime contra o presidente do FC Porto e contra a Porto SAD.

O diretor de comunicação do clube da Luz diz não saber se os Dragões terão pago a uma empresa de hackers para ter acesso aos emails, mas acredita que a sua divulgação não passa de uma “tentativa desesperada de condicionar todo o início de época” e de criar “um clima de instabilidade” no Benfica.

“Os adversários vivem numa crise de instabilidade muito grande”, afirma. “O Porto é um clube intervencionado, está num descalabro. (...) Já o Sporting está numa indefinição estratégica.”

Apesar das acusações sobre o clube, Luís Bernardo garante estar “de portas abertas” para investigar a situação “a fundo” e “de forma célere”. “Queremos que a verdade venha ao de cima”, remata.

O diretor de comunicação do Benfica frisou ainda que o clube vai pedir a reabertura do processo Apito Dourado.

Notícia atualizada às 18h54