Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Arbitragem: depois dos presentes, um relatório com muitos insultos (e muitos asteriscos)

Bem, na verdade não tem nenhum, porque o árbitro Fábio Veríssimo escreveu ipsis verbis o assanhado diálogo que levou à expulsão de Zainadine e Jubal, no encontro da última jornada entre Vitória de Guimarães e Marítimo

Lídia Paralta Gomes

Carlos Rodrigues/Getty

Partilhar

Já se sabe que dentro de um campo de futebol muitas vezes as emoções estão à flor da pele e as maneiras ficam em casa. Mas no encontro entre V. Guimarães e Marítimo, da última jornada, o diálogo entre Zainadine e Jubal atingiu os limites da decência. Pelo menos na opinião do árbitro Fábio Veríssimo, que expulsou os dois jogadores e relatou o episódio no seu relatório, agora público.

Ipsis verbis e sem censura.

Assim, sobre o lance aos 63 minutos, Veríssimo escreveu o seguinte para justificar a expulsão de Zainedine, do Marítimo (versão com asteriscos, porque o diálogo que se segue pode conter linguagem ou cenas suscetíveis de ferir a sensibilidade dos leitores):

“Deslocou-se desde a sua área até ao meio de adversário aquando de uma assistência a um colega de equipa, entrando em provocações verbais grosseiras, injúrias e ameaças em direção do seu adversário nº33, dizendo: ‘És um filho da p*** do car****... vai para a p*** da tua mãe...Quem pensas que és tu palhaço?’”

Sobre o jogador do V. Guimarães (o tal número 33), o juiz escreveu o seguinte: “Respondeu a provocações verbais grosseiras, injúrias e ameaças por parte do seu adversário nº5, dizendo: ‘Vai para a p*** que pa*** seu filho de uma p***... vou-te f****, cab***!"

Já que estamos a falar de mimos, Fábio Veríssimo e a sua equipa não foram para casa de mãos a abanar, tendo recebido do V. Guimarães cachecóis, doces e peças de artesanato.