Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

A defesa de Horácio Piriquito: “Não pratiquei nenhum ilícito. Sou amigo de Pedro Guerra há mais de vinte anos”

O membro do Conselho Fiscal da FPF demitiu-se após o artigo da revista “Sábado” ter revelado uma troca de e-mails entre o próprio e Pedro Guerra, comentador desportivo

Partilhar

Num comunicado enviado às redações, Horácio Piriquito diz ter-se demitido por ser “a forma de melhor defender o prestígio e o bom nome da instituição em causa”. O agora ex-membro do conselho fiscal da FPF admitiu ser amigo de Pedro Guerra “há mais de vinte anos”, dos tempos em que foi “jornalista”. “O Pedro Guerra sempre me pediu ajuda sobre informação financeira numa troca normal de informações e esclarecimentos, verbalmente ou por email, o que fiz sempre com todo o gosto”, lê-se no texto de Piriquito.

Na sequência das notícias vindas hoje a público e que, na qualidade de membro do Conselho Fiscal da Federação Portuguesa de Futebol me ligam ao comentador Pedro Guerra, venho esclarecer o seguinte:

1. Sou amigo do Pedro Guerra há mais de 20 anos e fomos colegas aquando dos tempos em que fui jornalista. Trocamos regularmente emails, por amizade ou na sequência das minhas participações ocasionais em painéis de debate na BTV, ou do Pedro nos canais em que colabora;

2. O Pedro Guerra sempre me pediu ajuda sobre informação financeira numa troca normal de informações e esclarecimentos, verbalmente ou por email, o que fiz sempre com todo o gosto. No caso da FPF até para evitar especulações e na defesa da própria instituição. Isto fez, aliás, de Pedro Guerra um defensor enérgico da actual direcção da FPF. O acesso criminoso a conversas privadas permite estes abusos, truncá-las, ajustá-las aos interesses de cada um. Foram utilizados factos e dados disponíveis em qualquer documento público da FPF. Nenhuma informação confidencial foi passada para a praça pública.

3. Estas notícias enquadram-se claramente no actual registo de guerra aberta no futebol português, em que vale tudo, em que se tenta espalhar o ódio e o medo, e pretendem criar ruído e fazer vítimas. A notícia foi escrita de forma intencionalmente tendenciosa por um jornalista afecto a um dos clubes em confronto, e que está a fazer este "trabalho" há já algum tempo. (Ver anexo);

4. Considerando os superiores interesses da FPF, que coloco acima dos meus interesses pessoais ou dos objectivos desse jornalista com cor e empenhamento clubístico, optei pela decisão que considero mais ajustada e apresentei a minha demissão do cargo de vogal do Conselho Fiscal da FPF;

Tomei esta decisão, repito, não porque considere ter praticado algum ilícito, mas porque é esta a forma de melhor defender o prestígio e o bom nome da instituição em causa.

Para defesa do meu bom nome, honra e imagem, irei recorrer às instâncias judiciais para reposição cabal da verdade, tendo em conta os factos que me são imputados.