Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

A expulsão de Sérgio Conceição, vista pelo adjunto: "Não maltratou ninguém, foi uma reação normal de quem quer ganhar, apenas e só"

Devido à expulsão de Sérgio Conceição do banco, durante o jogo, foi o seu adjunto, Vítor Bruno, que compareceu na zona de entrevistas rápidas após a vitória "sofrida", como admitiu, contra o Portimonense. Elogiou o adversário e diz que a expulsão do "líder" complicou as coisas

Expresso

JOSE COELHO/LUSA

Partilhar

O adversário e a vitória

"Uma vitória difícil, obviamente numa partida, por tradição, complicada. Há que dar o mérito a quem trabalhou durante 90 minutos para conseguir uma vitória que, para mim, foi inteiramente justa. Defrontámos uma equipa com qualidade no nosso campeonato, na forma como sai a jogar e na velocidade que mete, conseguiu partir-nos muito."

O Portimonense tem qualidade e pôs-nos à prova em todos os momentos. Acaba por fazer um golo no único remate enquadrado na segunda parte. É uma vitória sofrida, não o podemos negar, mas é justa."

Os marcadores dos golos, o grupo e o estádio

"Foi uma resposta positiva de todos, não só do Brahimi e do Aboubakar. Todos ajudam e colaboram para o mesmo objetivo, que é ganhar. Se é um, ou outro, isso é pouco importante. O André Pereira e tem trabalhado connosco nas últimas semanas. Importante é realçar o trabalho que todos desenvolvem. particularmente quem está de fora e sofre, como o Tiquinho, o Otávio e o Marega, que têm estado magoados e estão sempre presentes.

Depois, a atmosfera que se vive no estádio, que é inolvidável. Transporta a equipa para a vitória em momentos difíceis e foi a primeira vez que estivémos a perder e demos a volta. Isso é fruto de uma alma muito grande que todos têm e de quem está de fora e empurra a equipa."

A expulsão de Sérgio Conceição

"Obviamente que complicou, é o líder. É uma expulsão difícil de contestar, obviamente, mas não me parece fazer muito sentido. Não maltratou ninguém, foi uma reação normal de quem quer ganhar, apenas e só. O grupo sentiu e dedica a vitória a quem sempre nos defende, nos momentos bons e menos bons.

As palavras de Casillas na habitual roda dos jogadores, no final

"É a palavra de um dos capitães, que tem muita experiência e já viveu muito, sabe o quão difícil é defrontar equipas em jogos de Taça que, à partida, tem menos valia, mas que acabam por criar dificuldades. É a alma da equipa que reage a momentos menos bons."