Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

O que tem a venda da antiga sede da FPF a ver com Pedro Guerra? Simples: Horácio Piriquito

Além das auditorias, Horácio Piriquito, vogal do Conselho Fiscal, enviou também um parecer fiscal interno da Federação ao amigo comentador. Este artigo foi publicado originalmente na edição de 18 de novembro do Expresso

Pedro Candeias

Nuno Fox

Partilhar

A 30 de junho de 2016, Horácio Piriquito, vogal do Conselho Fiscal da Federação Portuguesa de Futebol, partilhou informação da FPF com o comentador televisivo Pedro Guerra, conhecido por defender o Benfica no programa semanal “Prolongamento” (TVI). O conteúdo não é redigido por Piriquito, mas por dois indivíduos: um deles é Paulo Lourenço, secretário geral da FPF, e o outro é um fiscalista da Crowe Horwath, “empresa de auditoria, assessoria financeira, consultoria, gestão de risco, assessoria fiscal e tecnologias”, como consta no site.

O contexto é simples de explicar e tem dois momentos: no primeiro, Paulo Lourenço pede a opinião à Crowe Horwath, com quem a FPF tem uma ligação contratual, sobre a tributação e o regime fiscal a aplicar na venda da antiga sede da Federação, na Praça da Alegria; no segundo, o especialista responde às dúvidas que lhe foram colocadas por Paulo Lourenço.

Ambos os textos, sabe o Expresso, foram enviados de uma só vez por Horácio Piriquito a Pedro Guerra com o selo de confidencialidade. Ao nosso jornal, fontes próximas deste processo garantem que a troca entre Paulo Lourenço e a Crowe Horwath existe e que é classificada como “comunicação interna”. Fonte oficial da FPF diz “não ter mais nada a dizer” além do que já foi dito durante a semana, quando a revista “Sábado” revelou que Horácio Piriquito passou dados sobre auditorias da FPF a Pedro Guerra.

A Federação avançou com uma queixa-crime a Horácio Piriquito, e este demitiu-se do cargo, defendendo, em comunicado, a sua inocência (“não pratiquei atos ilícitos”) e assumindo uma “amizade de 20 anos” com Guerra. Piriquito é um conhecido benfiquista, com participações em alguns programas da BTV, o último dos quais o “Jogo Limpo”, a 3 de novembro deste ano.

A PWC e o Sporting

É esta estreita relação que terá levado, sabe também o Expresso, Horácio Piriquito a partilhar o parecer da consultora PWC relativamente às contas do Sporting 2015-16. À data que o fez, a 15 de novembro de 2015, a informação já era pública, mas Piriquito sublinhou alguns pontos do parecer quando o enviou a Pedro Guerra e a André Ventura, incitando-os a usarem o que estava na rubrica da “Reserva” da PWC nos programas “Prolongamento” (TVI) e “Pé em Riste” (CMTV). Os comentadores televisivos agradeceram e prometeram seguir as dicas.

Questionado pelo Expresso sobre estas novas informações, Horácio Piriquito respondeu assim: “Não vou falar mais sobre este assunto. Só o farei se entender que o devo fazer.” Pedro Guerra, por sua vez, disse que não iria falar sobre “toda esta farsa”. “Escreva o que bem entender e a sua consciência ditar”, afirmou. Já André Ventura reconheceu a existência deste e-mail e disse ser frequente a troca de ideias com Horácio Piriquito para esclarecimento de dúvidas relacionadas com temas económicos. “Mas nunca recebi informação confidencial da FPF, apenas debatemos textos públicos. Sou amigo dele.”

[Nota: estatutariamente, cabe ao Conselho Fiscal “fiscalizar os atos da administração financeira da FPF bem como o cumprimento dos Estatutos e das disposições legais aplicáveis”. O vogal do Conselho Fiscal é pago pela FPF apenas quando vai a reuniões convocadas pelo organismo.]

Este é mais um episódio do caso dos e-mails, que arrancou quando Francisco J. Marques divulgou informações trocadas entre Pedro Guerra e Adão Mendes, antigo árbitro, há vários meses, e que entretanto resultou numa guerra mediática mas também judicial que se resume aqui: o Benfica tentou, em vão, impedir que o Porto Canal revelasse os e-mails; houve buscas da PJ no Dragão e na Luz; o caso está entregue ao Ministério Público, que investiga a origem (e a eventualidade de crime) dos e-mails e o conteúdo dos mesmos; e Francisco J. Marques prosseguiu com a sua agenda, tendo apresentado, na sexta-feira de manhã, o livro “Polvo Encarnado”, que se baseia nas informações que os portistas têm em mãos.