Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Árbitros mantêm suspense sobre boicote ao logótipo oficial da Liga

Pedro Proença e Luciano Gonçalves deram início esta quarta feira a uma ronda de negociações para sistematizar o diálogo entre as duas entidades. Fonte da APAF não garante, contudo, que o encontro demova os árbitros de voltarem a apitar os jogos da próxima jornada com o logótipo da Liga NOS

Isabel Paulo

MIGUEL RIOPA/Getty

Partilhar

O presidente da Liga Portugal e o líder da APAF estiveram esta manhã reunidos em Lisboa, dando início a um plano de encontros para aproximar os árbitros e o organismo de clubes. As delegações lideradas por Pedro Proença e Luciano Gonçalves debateram, entre outros assuntos, as propostas da APAF de alteração ao Regulamento Disciplinar das competições profissionais.

Num comunicado vago, a Liga Portugal avançou que se acentuou entre a Liga e a APAF acentuaram “a sua sensibilidade e trabalho conjunto no sentido de fomentar condições de serenidade, respeito e segurança”, condições consideradas fundamentais para o trabalho de todos os intérpretes do futebol, “em consonância com os valores desportivos e na defesa intransigente da credibilidade das competições dos que delas desfrutam e dos que nelas investem”.

O Expresso tentou em vão junto das duas entidades se no encontro, realizado nas instalações da Liga em Lisboa, ficou acordado o fim do boicote das equipas de arbitragem à utilização do símbolo da Liga NOS nas camisolas dos jogos da 13ª jornada, deste do próximo fim de semana, entre os quais se conta o esperado dérbi FC Porto-Benfica. Por esclarecer fica ainda se o pedido de dispensa de 76 árbitros aos jogos da I e II Liga da 14ª jornada continua em aberto ou foi cancelado.

Os árbitros que no passando fim de semana apitaram sem o logótipo oficial da Liga, entre quais se contam Rui Costa, Luís Godinho, Tiago Martins e João Capela, serão punidos com uma repreensão, mas em caso de reincidência arriscam sanção de um a três jogos de suspensão, segundo o Regulamento Disciplinar da FPF. A rebeldia foi reportada nos relatórios dos delegados aos jogos, tendo fonte da APAF referido ao Expresso “não estar ainda decidido as equipas de arbitragem vão repetir o veto à sigla oficial da Liga como forma de retaliação ao clima de suspeição instalado desde o início da época”.