Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Podem os adeptos de um clube expulsar um jogador de que não gostam? Eis o caso espinhoso de Donnaruma no AC Milan

Uma notícia mudou a forma como os adeptos do AC Milan viam o guarda-redes. Na quarta-feira, Donnarumma acabou a fazer o aquecimento em lágrimas, devido às críticas dos apoiantes da equipa italiana

Expresso

Marco Rosi

Partilhar

De bestial, de jovem prodígio, quando foi contratado, passou a besta para os adeptos. Agora, todos o querem fora do clube, fora da baliza do AC Milan. Eis a situação de Gianluigi Donnarumma - o problema sério que Gattuso tem em mãos.

Na quarta-feira, os rossoneri asseguraram um lugar nos quartos de final da Taça de Itália, ao vencerem o Hellas Verona por 3-0. Contudo, o foco dos adeptos não ficou pela vitória.

No mesmo dia, veio a público que Mino Raiola, representante de Gianluigi Donnarumma, ia tentar a desvinculação do guardião do clube italiano, alegando que Donnarumma foi coagido a assinar o acordo de renovação.

Para os adeptos, esta notícia foi uma traição. Agora, eram eles que não o queriam mais no Milan. “Violência psicológica é cobrar seis milhões por ano e pagar um ordenado a um irmão parasita. Vai-te embora, acabou a paciência”, lia-se numa das faixas exibidas no San Siro.

Donnarumma fez o aquecimento em lágrimas na sequência das críticas dos adeptos.

“Claro que tremeu, é um miúdo de 18 anos. Pode ver-se pela cara dele que não está feliz. Vai ter toda a proteção que estiver ao meu alcance”, disse Gattuso aos jornalistas, já no final do encontro.

Ainda antes de entrar em campo, o guarda-redes teve de ser reconfortado pelo capitão Bonucci.