Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Segurança dos adeptos no Estoril-FC Porto nunca esteve em causa, assegura LNEC

Relatório preliminar sobre a bancada norte do estádio da Amoreira revela que nem no jogo realizado a 15 de janeiro, nem no passado, houve problemas de segurança

Hugo Franco

M\303\201RIO CRUZ

Partilhar

Um relatório preliminar do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), solicitado pela Câmara de Cascais, sobre o estado da bancada norte do estádio Estádio António Coimbra da Mota, do Estoril, revela que não existem problemas de segurança na estrutura do recinto desportivo. E que os adeptos do último Estoril-FC Porto nunca estiveram em perigo.

No documento, a que o Expresso e a SIC tiveram acesso, é referido pelos técnicos do LNEC, que "no que se refere à esturura da bancada, até à data não foram detetadas evidências de comportamento estrutural anómalo, ie: nem nas visitas de inspeção realizadas ao local foram observados indícios de comportamento deficiente da estrutura; nem foi, até à data, fornecido ao LNEC nenhuma informação que indicie algum comportamento anómalo no passado”.

Ao Expresso, Carlos Carreiras, o presidente da autarquia, sublinha que o relatório preliminar dissipa todas dúvidas. "A segurança da estrutura e dos adeptos nunca esteve em causa. Nem no jogo de 15 de janeiro, nem no passado. E isso, para nós é o essencial".

Estas afirmações baseiam-se sobretudo no teor do ponto 4 do relatório que refere: " A zona interior da bancada é utilizada para acessos, instalações sanitárias, bares, arrumos e postos de socorro. É constituída por uma laje, betonada, diretamente sobre o aterro (laje térrea) e contra os pilares, sem ligação estrutural. Nessa laje, apoiam-se as paredes divisórias interiores (de alvenaria de blocos). Esta zona interior é, assim, uma construção independente da estrutura da bancada."

O documento revela ainda que o estrondo ouvido no intervalo do jogo da última segunda feira à noite terá resultado da "rotura da laje térrea em redor do pilar situado nessa instalação sanitária". A vistoria LNEC detetou danos de maior expressão na zona da casa de banho masculina, "zona onde se observou um vazio entre a face inferior da laje térrea e o aterro subjacente".

O LNEC recomenda, entre outras obras, a demolição controlada da laje térrea do interior da bancada. Depois dessas ações emitirá novo parecer: "O projeto da reabilitação da zona interior da bancada deverá ser baseado num reconhecimento prévio das condições do aterro da fundação que permita a escolha fundamentada da solução de reabilitação mais adequada."