Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

A liderança que ninguém quer passa agora por Alvalade

Depois do Benfica empatar, segunda-feira, em Belém (1-1), foi a vez do FC Porto fazer o mesmo, em Moreira de Cónegos. Os portistas não conseguiram marcar e podem ver o Sporting passar para o 1º lugar da Liga, quarta-feira, caso vença o Vitória de Guimarães

Expresso

Soares, avançado do FC Porto, com cara de poucos amigos

Gualter Fatia/Getty

Partilhar

É uma daquelas jogadas que deixa abananado até o mais crente dos adeptos. Logo no início da 2ª parte, Alex Telles pegou na bola, descaído para a esquerda, e preparou-se para marcar um livre direto. O remate, muitíssimo bem colocado, foi embater no poste, depois de ter sido levemente desviado pelo guarda-redes Jhonatan Luiz, e, na recarga, mesmo em cima da linha de golo, Felipe viu o defesa Rúben Lima fazer um corte incrível, afastando a bola dali ao estilo de Oliver - não o do FC Porto, mas este.

Se aquilo não entrava, era difícil acreditar que algo entraria. É que mesmo antes disso, na 1ª parte, Brahimi esteve cara a cara com Luiz, depois de um passe exímio por cima da barreira, à futebol de praia, de Alex Telles, mas rematou na atmosfera em vez de acertar na bola - o que deixou Sérgio Conceição tão irritado que até esmurrou a parte lateral do banco, soltando-a da restante estrutura.

A frustração portista foi crescendo ao longo do jogo, depois de uma 1ª parte para esquecer, e as oportunidades de golo escasseando, ainda que o FC Porto tenha obviamente dominado o jogo. É certo que o Moreirense nunca assustou José Sá, mas, arrumado num 4-4-2 muito compacto e muito baixo no campo, fechou quase todos os caminhos para a sua baliza, demonstrando claramente que a missão prioritária era impedir o golo adversário.

O FC Porto, no mesmo esquema, procurava, pelo contrário, criar espaços junto da baliza do Moreirense: Paulinho, que se estreou a titular, jogou como falso extremo direito, uma vez que deambulava pelo corredor central, sendo Ricardo Pereira o homem encarregue de dar profundidade pelo corredor. Mais ao meio, Herrera fazia de Danilo, lesionado, e Óliver procurava pegar no jogo - quase sempre sem sucesso, devido à tal falta de espaço.

Na frente, Marega esteve quase sempre desaparecido, mesmo quando passou a estar no corredor lateral, na 2ª parte - Sérgio Conceição mostrou que já perdoou Soares ao colocá-lo em campo por troca com Paulinho, mas nem com a "força bruta" da dupla Soares e Aboubakar o FC Porto conseguiu marcar.

Do outro lado do campo, José Sá era um mero espectador do jogo: era sempre o FC Porto a carregar no ataque, de forma mais ou menos atabalhoada. Já no quinto minuto de descontos, Waris ainda conseguiu marcar golo... mas foi assinalada posição de fora de jogo ao reforço portista.

Depois de 10 jogos a vencer, o FC Porto tropeçou na meia-final da Taça da Liga, frente ao Sporting, e, agora, na 20ª jornada da Liga, frente ao 15º classificado, que luta pela manutenção. A equipa de Sérgio Conceição ainda mantém a liderança, com 48 pontos, mas o Sporting, que recebe quarta-feira o Vitória de Guimarães, tem 47 e pode ultrapassar o rival, caso vença. Mas, depois, ainda falta a 2ª parte do Estoril 1-0 FC Porto.