Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Uma questão de velocità, ou da falta dela: o FC Porto-Sporting

A meio de uma série de cinco jogos em que apenas ganhou um, Jorge Jesus disse que o Sporting estava a ser “italiano”, mais “pragmático e realista”. A realidade é que os leões têm sido mais lentos, apáticos e sem ideias, o que contrasta com a forma vertical, veloz e intensa com que o FC Porto continua a fazer as coisas. Os rivais encontram-se esta quarta-feira (20h15, Sport TV1) pela terceira vez esta época, na primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal

Diogo Pombo

Brahimi e Gelson: os velocistas - e dribladores - de FC Porto e Sporting, respetivamente

Foto Paulo Oliveira/Getty

Partilhar

O cimento, vá lá, não estava coberto por gelo, o frio dera tréguas e era de aproveitar. No campo do campus da Universidade de Utrecht, uma pequena, pacata e estudantil cidade holandesa, marcou-se um jogo de futebol entre estrangeiros. Por acaso, nesse dia, apareceram cinco italianos num campo para uma dezena de tipos se dividirem em duas equipas e eles, face à insistência, ficaram juntos. Uma hora e qualquer coisa depois, coisa de amigos feitos no estrangeiro, estavam a rir, a disparar piadas, a troçar e a vangloriarem-se.

Os italianos ganharam esse jogo, não sei por quanto, e, no meio de tudo aquilo, lembro-me de um deles dizer, inconfundivelmente e com sotaque, traduzindo à força: “Foi à maneira italiana”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)