Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Manuel Cajuda está de volta ao futebol português

Aos 66 anos, Manuel Cajuda volta a Portugal, para treinar o Académico de Viseu, equipa da 2ª Liga

Expresso

Manuel Cajuda, treinador português

Rui Duarte Silva

Partilhar

Há um histórico de volta ao futebol português. Depois de várias épocas no estrangeiro, Manuel Cajuda está de regresso a Portugal, aos 66 anos.

O treinador foi apresentado esta quarta-feira como novo líder do Académico de Viseu, equipa que ocupa o 5º lugar da 2ª Liga com 36 pontos e que tinha dispensado esta semana o técnico Francisco Chaló.

"Na próxima época quero estar a treinar o Académico na 1ª Liga", disse, ambicioso, Cajuda, na sua apresentação, citado pelo "Record". "Nas quatro vezes que treinei na 2ª Liga subi sempre e este ano também quero subir", acrescentou, notando que a equipa só está a quatro pontos do 2º lugar, ocupado pela Académica, e a um do 3º e do 4º lugares, ocupados por Penafiel e Arouca. Na liderança está o FC Porto B, equipa que não pode subir de divisão, com 44 pontos.

Cajuda já não trabalhava em Portugal desde 2012/13, altura em que passou pelo Olhanense, afastando-se propositamente, segundo o próprio confessou em entrevista à Tribuna Expresso que pode recordar AQUI.

Nos últimos anos, Manuel Cajuda passou por vários países: China, Tailândia, Emirados Árabes Unidos e Egito. Em Portugal, o treinador algarvio, que começou - e jogou - no Farense, orientou Vitória de Guimarães, Sporting de Braga, Marítimo e Belenenses, entre outras equipas.

  • Cajuda: “Faço tudo para que gostem de mim. Mas não gosto que façam chichi no meu quintal”

    Entrevistas Tribuna

    Há oito anos decidiu não treinar mais em Portugal, não por ingratidão ao futebol que lhe deu de comer durante quase três décadas 30 anos. Aos 65 anos de idade, 35 de carreira, está de regresso à China, ao serviço Sichuan da II Divisão. De férias de Natal em Braga, onde levou o então Braguinha à Europa e fixou residência, Manuel Cajuda continua sem papas na língua. Diz que só por ignorância ou brincadeira se despede um treinador após dois meses de serviço, ou que o critério 'jovem ambicioso' prevaleça sobre a competência