Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Peseiro e a visita à Luz: “O Jonas não faz tudo. Alguém lhe passa as bolas, alguém as cruza, alguém o assiste”

O treinador do Vitória de Guimarães diz que a equipa tem de "ter a coragem de passar por riscos" para vencer na Luz, sábado - e explica por que razão contratou um especialista em psicologia do desporto para a equipa

Expresso e Lusa

JOS\303\211 COELHO

Partilhar

O treinador José Peseiro salientou hoje que o Vitória de Guimarães precisa de concentração e organização para somar pontos frente ao melhor Benfica da época, no sábado, em jogo da 28.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Após a primeira vitória no comando do nono classificado da prova, perante o Desportivo das Aves (2-1), o técnico quer continuar na senda dos pontos e realçou que, para "vencer ou empatar na Luz", frente a um opositor que, a seu ver, está no "melhor momento da época", a equipa vimaranense precisa de uma "qualidade de jogo" superior à que tem apresentado, quer na defesa, quer no ataque.

"Uma equipa com uma grande dinâmica ofensiva tem de ter um adversário que esteja concentrado, que esteja organizado, que tenha uma postura defensiva forte. Mas para fazer um bom resultado não basta defender bem, é também preciso atacar bem e ter a coragem de passar por riscos", anteviu o técnico, na conferência de antevisão ao jogo marcado para as 18:15 de sábado, em Lisboa.

Apesar de ter a noção de que vencer no reduto do vice-líder da I Liga, com 68 pontos, é "difícil", José Peseiro realçou que o plantel está ciente de que precisa apenas de marcar mais um golo do que o adversário, apesar de estarem em confronto a segunda pior defesa do campeonato (49 golos sofridos) e o melhor ataque (71 marcados).

"[A fórmula] só pode ser não sofrer golos e pelo menos marcar um, sendo solidários, organizados, muito compenetrados nas ações, a defender com todos e a atacar com todos", insistiu o técnico.

Peseiro, que foi o último treinador a vencer no Estádio da Luz para o campeonato - 2-1, pelo FC Porto, em 12 de fevereiro de 2016 -, mostrou-se ainda mais preocupado com as "dinâmicas" do que os números de ambas as equipas, alertando que os seus jogadores precisam de estar "atentos a todos os sinais" do jogo, embora sem dedicarem cuidados especiais a Jonas, o melhor marcador do campeonato, com 31 golos.

"Vamos jogar contra o Benfica. Alguém lhe passa as bolas, alguém as cruza, alguém o assiste. O Jonas não faz tudo", observou.

A contratação de um especialista em psicologia do desporto

O treinador realçou ainda que a interrupção da prova, no fim de semana anterior, permitiu-lhe "definir estratégias de desenvolvimento individual e coletivo" no plantel e disse que a contratação de José Neto, especialista em psicologia do desporto, para a equipa técnica destina-se à "otimização das competências psicoemocionais" dos jogadores.

Convicto de que os adeptos vitorianos vão estar, doravante, "todos unidos" em torno da equipa após as eleições de sábado - Júlio Mendes foi reeleito com 52% dos votos, na disputa com Júlio Vieira de Castro -, Peseiro disse ainda que o avançado Junior Tallo foi reintegrado no plantel, após o processo disciplinar, mas vai falhar a deslocação à Luz devido a lesão, tal como Victor Garcia e Celis.

Já o avançado Rafael Martins ainda está em dúvida após ter fraturado o nariz no treino de terça-feira.

O Vitória de Guimarães, nono classificado da I Liga de futebol, com 33 pontos, defronta o Benfica, segundo, com 68, pelas 18h15 de sábado, no Estádio da Luz, em Lisboa.

  • Peseiro e a casa às costas: “Tenho um pombal e adoro corridas de touros e de cavalos”

    A casa às costas

    José Peseiro, licenciado em Educação Fisica, com mestrado em Desporto, foi professor universitário depois de ser um jogador de futebol pouco reconhecido, mas é como treinador que se sente realizado. Amante confesso de todos os desportos, tem um pombal, é aficionado das touradas (a semana passada esteve em Madrid a assistir a quatro corridas) e anda derretido com a neta. Homem de família, tem o filho a trabalhar com ele desde o Egito (faz parte do gabinete de observação e scouting dos clubes por onde tem passado) e lamenta estar há tanto tempo fora de Portugal, o país que, para ele, continua a ser o melhor de todos. Desde 2003 até agora, além dos portugueses Sporting, FC Porto e Sp. Braga, treinou o Al Hilal, Panathinaikos, a seleção da Arábia Saudita, o Al Wahda, Al-Ahly e esta época o Al Sharjah. Este é o segundo episódio de “A Casa às Costas”