Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

As lágrimas também falam e foi com elas que Vagner agradeceu aos adeptos do Boavista

Final da partida entre Boavista e Tondela marcado pela emoção, com Vagner a agradecer aos adeptos da casa depois de ter sido alvo de suspeição. Caso do brasileiro é um dos que motivou o agendamento de várias reuniões do Sindicato dos Jogadores na próxima semana.

MIGUEL RIOPA

Partilhar

De megafone na mão, Vagner foi colocado no centro do habitual momento de agradecimento dos jogadores aos adeptos.

Virado para a bancada, Vagner quis cantar com a claque, em jeito de agradecimento pelo apoio, mas as lágrimas sairam com mais força que a voz.

No Bessa, o final do jogo que terminou empatado entre Boavista e Tondela (1-1) esta sexta-feira foi marcado pela emoção.

Em causa está a posição difícil em que o guarda-redes axadrezado se viu colocado depois de uma denúncia anónima no Ministério Público a acusá-lo de um alegado aliciamento antes do jogo com o FC Porto, que os azuis e brancos venceram por 2-0.

Clube e companheiros de equipa mostraram sempre estar do lado do experiente brasileiro que este sábado quis retribuir o gesto.

Na conferência de imprensa que se seguiu ao jogo, Jorge Simão voltou a mostrar-se solidário com o jogador: "É uma pessoa inteligente com bagagem cultural do jogo da vida acima da normalidade. É um grande profissional e a prova está na forma como soube lidar com isto em dois ou três dias", disse aos jornalistas.

O técnico garante que a questão está ultrapassada: "o Vagner está aí para as curvas".

Clima de suspeição motiva reunião com Governo

Casos como o de Vagner têm feito endurecer o discurso do presidente do Sindicato dos Jogadores, Joaquim Evangelista, em várias entrevistas dadas nos últimos dias.

O sindicato entende que a reiterada suspeição sobre estes profissionais, sobretudo através de denúncias anónimas, tem de ser combatida.

Uma greve dos jogadores foi ponderada, mas o cenário está para já afastado. Certo é que o Sindicato e uma comitiva integrada por capitães de clubes da primeira e segunda ligas têm reuniões agendadas na próxima semana.

Os interlocutores dos jogadores serão a Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto, a Liga e a Federação Portuguesa de Futebol. A reunião com a Liga será na segunda-feira. As outras duas estão agendadas para terça-feira.

"Os jogadores não querem ser arma de arremesso entre os clubes", afirmou Evangelista este sábado ao "Record".