Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

A Liga é de quem a apanhar. Não é, Jiménez?

Quem precisa de Jonas quando há Jiménez? O melhor marcador da Liga lesionou-se no aquecimento, mas o avançado mexicano assumiu o lugar do colega e marcou os dois golos com que o Benfica venceu o Vitória de Setúbal, já nos descontos, no Bonfim

Expresso

Jiménez marcou os dois golos do Benfica no Bonfim

FRANCISCO LEONG/GETTY

Partilhar

Uma crise autoinfligida no Sporting, duas derrotas inesperadas no FC Porto e, de repente, o Benfica é líder. E, mesmo vendo-se a perder no Bonfim, e, depois, a empatar, durante muito, muito, muito tempo... houve aquele rapaz que há sempre quando o jogo fica difícil e mais do que tática já só há mesmo fé: Raúl Jiménez.

O avançado mexicano que normalmente só entra em jogo nas segundas partes, esta noite, no Bonfim, foi titular, mas não por escolha de Rui Vitória: Jonas, que estava no onze, lesionou-se no aquecimento e teve de ir para a bancada, daí que Jiménez tenha avançado para ocupar essa vaga.

Em boa hora para os benfiquistas, bem entendido.

É que, na 2ª parte, só deu Vitória de Setúbal... mas quem marcou foi Jiménez.

Voltando ao início: o jogo ainda mal tinha começado quando um cruzamento largo de Nuno Pinto para o segundo poste encontrou Costinha sozinho, porque Grimaldo estava preocupado com Edinho e não havia mais ninguém nas costas do lateral benfiquista.

Três minutos de jogo e golo para o Vitória de Setúbal, logo na primeira oportunidade de jogo. A partir daí, o Benfica teve de andar a correr atrás do empate, mas o Vitória nunca deixou de ameaçar, criando sempre algum desconforto na defesa adversária quando saía em transições rápidas para o ataque.

Ainda assim, o Benfica foi subindo de rendimento e, a partir dos 25 minutos, teve uma (Jardel cabeceou, Cristiano defendeu), duas (Zivkovic cruzou e houve um desvio para fora) e três oportunidades de golo - e à terceira marcou mesmo. Aos 27', Jiménez apareceu ao segundo poste sozinho, já que Arnold ficou a olhar, e encostou para o 1-1.

Só que, na 2ª parte, ao contrário do que seria expectável, houve bem mais Vitória do que Benfica. Edinho, já dentro da área, falhou a oportunidade mais flagrante do jogo; André Pereira, pouco depois, fez o mesmo; e Wallyson, a seguir, também.

De uma rajada, a equipa de José Couceiro, que estava por cima do jogo, falhou três oportunidades e, depois, só deu confusão. Rui Vitória tirou Rafa e Grimaldo e fez entrar Seferovic e Salvio e o jogo do Benfica passou a ser uma sucessão de repelões, com bola lá e bola cá, mais na fase da fé do que na razão.

Aos 85', Salvio apareceu em frente à área mas rematou por cima e, já nos descontos, Luís Felipe, acabado de entrar e a estrear-se na Liga NOS, puxou o extremo argentino do Benfica, o que fez o árbitro Luís Godinho apontar para a marca de penálti.

Chamado a converter, na ausência de Jonas, Raúl Jiménez, mais uma vez, voltou a marcar. E o Benfica consegue uma vitória mais ou menos caída do céu, mas que lhe permite manter a liderança da Liga, agora com 74 pontos. O FC Porto, que recebe domingo o Aves, vai com 70 pontos. E, na próxima jornada, há Benfica-FC Porto. Aí, a Liga é mesmo de quem a apanhar.