Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Quem tem Jonas tem o 2º lugar. Mesmo sem fazer muito por isso

Na luta pelo 2º lugar que dava acesso à Liga dos Campeões, o Benfica fez o que lhe competia: ganhou ao Moreirense, por 1-0. E beneficiou da derrota do Sporting na Madeira

Expresso

JOSE MANUEL RIBEIRO

Partilhar

Q.b. Diz o dicionário que a abreviatura de "quanto baste" é habitualmente usada em receitas para indicar a quantidade de um determinado ingrediente, que deve ser apenas aquela que se considera necessária - nem mais, nem menos.

Q.b. Foi isso que o Benfica jogou, esta tarde, na Luz, para conseguir o 2º lugar na Liga 2017/18: nem muito, nem pouco. Mesmo que a vitória tenha valido (impressionantes) €40 milhões, em caso de qualificação para a fase de grupos da Liga dos Campeões da próxima época (antes ainda tem de disputar a a pré-eliminatória).

Pormenorizando: "pouco" não foi, porque o Benfica, jogando em casa, assumiu as despesas do jogo, tendo mais bola, mais remates e mais ataques. Mas "muito" também não foi, porque, apesar de tudo isso, o Benfica foi sempre pouco criativo, pouco intenso e, a certas alturas, até pouco interessado num jogo que valia tanto para o clube.

Com Jonas de volta à titularidade, depois de lesão prolongada - já tinha sido suplente utilizado no dérbi mas apenas por poucos minutos -, o ataque do Benfica teve mais cérebro do que com Jiménez. Jonas joga e faz jogar os colegas, mesmo que a forma ainda não fosse a melhor, e foi dos pés do brasileiro que surgiu a primeira oportunidade de golo, aos 18 minutos. Cervi, sozinho pela esquerda, cruzou e Jonas, dentro da área, desviou a bola muito perto do poste.

Foi quase sempre por ali, aliás, que o Benfica criou perigo: as ligações entre Pizzi, Cervi e Grimaldo fizeram do corredor esquerdo encarnado um veículo perfeito para chegar à área, ainda que as oportunidades propriamente ditas tenham sido poucas - nota para remates de longe de Grimaldo e de Pizzi.

Do outro lado, o Moreirense de Petit pouco mais fazia do que procurar manter a organização defensiva, bem fechadinho lá atrás, e raramente ameaçava o meio-campo adversário. A arrancada de Ronaldo, num contra-ataque mesmo em cima do intervalo, foi a única exceção: o jogador do Moreirense ultrapassou Rúben Dias e, já perto da área do Benfica, teve mesmo de ser travado por Luisão, que acabou por levar amarelo.

A melhor época de Jonas e a festa do golo... do Marítimo

Quem esperava uma 2ª parte mais animada... não a teve. Logo nos minutos iniciais, Grimaldo cruzou e Alfa Semedo levou o braço à bola. Penálti que Jonas aproveitou para marcar, fazendo o 1-0.

Jonas conseguiu então o 34º golo na Liga 2017/18, o que fez dele o melhor marcador do campeonato, na sua melhor época desde que chegou ao Benfica, já que este ano marcou 37 golos (em 2014/15 marcou 31, em 2015/16 marcou 36 e em 2016/17 marcou 18).

E foi esse o facto a registar para a posteridade numa 2ª pouco inspirada de ambas as partes, com o Moreirense, nos minutos finais, até a tentar chegar mais à frente, mas sem grandes atrevimentos, uma vez que a conjugação dos resultados adversários também deixou a equipa de Petit descansada no que diz respeito à luta pela manutenção.

No final, mesmo assim, ainda houve tempo para mais festa: golo? Sim, mas não na Luz, apesar da euforia nas bancadas benfiquistas: é que o Marítimo fez o 2-1 perante o Sporting. E, assim, estava decidido o 2º lugar, a favor do Benfica. O q.b. de uma época pouco feliz.