Tribuna Expresso

Perfil

Jogos Olímpicos

O Relâmpago

Bolt é o atleta mais famoso do mundo. Os amigos de infância, os antigos professores, e ele próprio explicam o que o torna grande. Os Jogos Olímpicos do Rio podem fazer dele uma lenda viva do desporto mundial. Esta madrugada (meias-finais à 1h e final às 2h25) pode tornar-se no primeiro a conquistar o ouro olímpico nos 100 metros por três vezes

Mick Brown* Telegraph Magazine/The Interview People

Comentários

Robert Beck / Getty Images

Partilhar

A pista onde Usain Bolt corria, quando era aluno na Escola Primária de Waldensia, é um relvado esfarrapado cheio de altos, próximo da estrada que leva à aldeia de Sherwood Content.” Sim, foi onde tudo começou para mim”, diz Bolt. “Era mesmo pequeno mas só pensava em ganhar.”

A escola fica numa colina por cima da pista — um edifício em tijolo, com um único andar, não muito diferente do que era quando Bolt lá andou. Embora nessa altura houvesse latrinas e agora haja casas de banho como deve ser, pagas por Bolt — o mais trivial dos muitos atos de beneficência do atleta de pista mais rico do mundo. O vasto mural pintado ao lado da escola também não estava lá. Mostra Bolt na pose de vitória que se tornou a sua imagem de marca, e que o mundo conhece como “lightning bolt” (o relâmpago), embora Bolt lhe chame “to di world” (para o mundo), inspirado por um movimento de dança jamaicano.

É a pose que ele assumiu quando o planeta acordou para o seu brilhantismo explosivo como corredor de sprint nos Jogos Olímpicos de Pequim em 2008, onde estabeleceu três recordes mundiais nos 100 metros e nos 200 metros (tornando-se o primeiro homem na história a vencer ambos com recordes mundiais) e na estafeta de 4x100 metros. Também conhecemos o seu feito de Londres, quando se tornou o primeiro atleta na história a ganhar medalhas de ouro em Olimpíadas sucessivas nessas mesmas três provas. E se tiver êxito na sua tentativa de conseguir o chamado ‘triplo-triplo’, será algo que custa imaginar outro atleta a repetir no futuro.

“O que eu sempre quis”, diz Bolt, “foi ser grande”.

E o que significa a grandeza?

Ele pensa nisto.

“Para mim, significa ser lembrado. As pessoas falam de desporto a toda a hora, e eu quero ser parte dessa conversa, percebe? Quando falam dos grandes é sempre Muhammad Ali, Michael Jordan, Pelé. Eu quero que, quando falarem dos grandes, digam Muhammad Ali, Michael Jordan, Pelé, Usain Bolt.”

As pessoas não dizem já isso?

“Sim, mas eu ainda corro. Ainda estou fresco nas suas mentes. Quero que quando me retirar seja tão grande que não me possam esquecer, como nunca se pode esquecer o que Ali e todos esses tipos fizeram. Eles deixaram realmente a sua marca na história. É o que quero fazer, e penso que estas Olimpíadas me vão ajudar.” A voz dele é quase um sussurro. “As pessoas dizem-me, ‘És uma lenda...’ Sim, mas vai ser nestes Jogos Olímpicos.”

Leia mais na edição deste fim de semana do Expresso

*Tradução de Luís M. Faria