Tribuna Expresso

Perfil

Jogos Olímpicos

O americano que irritou o Brasil pediu desculpa

Nadador olímpico recorreu ao Instagram para se desculpar pela confusão com as autoridades brasileiras. Em causa está um alegado assalto de que disse ter sido alvo. Locthe não esclarece o que aconteceu no passado domingo mas admite que lhe faltou sinceridade e cuidado quando descreveu o sucedido

Marta Gonçalves

Clive Rose/ Getty Images

Partilhar

O que aconteceu exatamente na madrugada do passado domingo com Ryan Lochte, James Feigen, Jack Conger e Gunnar Bentz parece continuar por esclarecer. Os relatos da polícia brasileira e dos nadadores olímpicos são contraditórios: os norte-americanos dizem que foram assaltados na Barra da Tijuca, as autoridades referem que não houve assalto e que na verdade se tratou de um ato de desordem dos atletas.

Esta sexta-feira, Locthe, o nome mais sonante envolvido na polémica, recorreu ao Instagram para se desculpar pela falta de cuidado e sinceridade ao descrever os acontecimentos. Será uma confissão? “Quero desculpar-me pelo meu comportamento no passado fim-de-semana – por não ter sido mais cuidadoso e sincero na forma como descrevi os eventos daquela madrugada e pelo meu papel ao tirar o foco dos vários atletas que cumprem os sonhos da participação olímpica.”

Instagram

Tudo começou com um suposto assalto à mão armada aos nadadores. Entretanto surgiram vídeos, cuja veracidade não foi oficialmente confirmada, que mostrava os quatro atletas a chegarem à aldeia olímpica serenos e a uma hora diferente da que tinham indicado às autoridades. A desconfiança sobre os contornos do episódio começou a aumentar: não havia provas que corroborassem o que Lochte e Feigen relataram à polícia. Foi então ordenada a apreensão dos passaportes dos quatro norte-americanos, de forma a impedi-los de deixar o Brasil. Um deles já está nos Estados Unidos - o próprio Lochte - , dois foram detidos quando embarcavam e quanto ao último não é ainda claro a sua localização.

Depois do diz-que-diz e da troca de acusações, esta sexta-feira Ryan Lochte (que está em casa desde segunda-feira) pediu desculpas e utilizou como justificação para toda a confusão a barreira linguística.

“É traumático quando sais à noite com os amigos num país estrangeiro – com a barreira linguística – e tens um estranho a apontar uma arma e a exigir dinheiro para te deixar ir embora”, argumenta Locthe. “Deveria ter sido mais responsável relativamente ao meu comportamento e por isso peço desculpa aos colegas de equipa, aos fãs, aos adversários, aos patrocinadores e aos anfitriões deste grande evento. Estou muito orgulhoso de representar o meu país nos Olímpicos e esta situação poderia e deveria ter sido evitada.”

James Feigen (em cima à esquerda), Ryan Lochte (em cima à direita), Gunnar Bentz (em baixo à esquerda) e Jack Conger (em baixo à direita)

James Feigen (em cima à esquerda), Ryan Lochte (em cima à direita), Gunnar Bentz (em baixo à esquerda) e Jack Conger (em baixo à direita)

AFP/ getty Images

Cronologia dos acontecimentos

No passado domingo, as primeiras notícias começaram a surgir: quatro nadadores da equipa olímpica norte-americana teriam sido assaltados num táxi. Após saírem de uma festa na Casa de França, na Barra da Tijuca, o grupo foi alegadamente abordado pelos ladrões, que começaram por se identificar como agentes da polícia. “Tiraram as armas, mandaram-nos deitar no chão, mas eu recusei”, descreveu na altura Ryan Lochte à NBC, acrescentando que teve uma arma apontada à testa.

Na segunda-feira, Lochte voou para os Estados Unidos. “Partiu tal como estava previsto depois de completar a sua participação [nos Jogos]. As autoridades brasileiras não lhe pediram para permanecer no país enquanto decorre a investigação”, disse Jeff Ostrow, advogado de Ryan Lochte, citado pela CNN. “Se tivessem pedido, teria ficado. Ainda não entraram em contacto para esclarecimentos adicionais.”

A defesa ainda acusou o Brasil de se encontra r“debaixo de uma nuvem negra por mais de mil e uma razões”. “Desde a sua economia ao crime, passando pela forma como geriram os Olímpicos”, acrescentou o advogado, citado pelo “New York Times”.

Entretanto, o “Daily Mail” divulgou um vídeo com a chegada dos atletas à aldeia olímpica na noite do alegado assalto. “Conseguimos ver as supostas vítimas a chegarem sem sinais de terem sido ameaçadas fisicamente ou psicologicamente - até estão a fazer piadas uns com os outros”, defendeu a juíza brasileira Keyla Blanc De Cnop.

Na quarta-feira - continuando a não aparecerem provas a favor dos atletas -, Keyla Blanc De Cnop ordenou, numa primeira fase, a apreensão dos passaportes de Lochte e Feigen. Depois, à noite, a polícia deteve Jack Conger e Gunnar Bentz quando embarcavam num voo com destino aos EUA.

Jack Conger e Gunnar Bentz regressaram esta sexta-feira aos EUA

Jack Conger e Gunnar Bentz regressaram esta sexta-feira aos EUA

Angel Valentin/ Getty Images

Na quinta-feira, as autoridades, que até então tinha mostrado sempre dúvidas relativamente ao testemunho dos atletas, negavam a existência do assalto. O que as autoridades agora contam é que Lochte, Feigen, Conger e Bentz chegaram de táxi a um posto de gasolina na Barra do Tijuca às 6h, depois de uma festa na casa de França. Foram à casa de banho, onde destruíram a porta e a saboneteira. O segurança apercebeu-se do sucedido e abordou os atletas, obrigando-os a pagar os estragos.

Inicialmente recusaram pagar, mas os funcionários da bomba de combustível alertaram as autoridades. Nesse momento, os quatro norte-americanos terão mostrado alguma agressividade, levando o segurança a apontar-lhes uma arma. Quando as autoridades chegaram ao local, já Lochte, Feigen, Conger e Bentz se tinham ido embora e pago os estragos, testemunhou um homem que naquela noite se ofereceu para fazer a tradução da conversa com o gerente, acrescenta o “New York Times”.

A imprensa brasileira, citando fonte da investigação, refere que uma das hipóteses é que o falso depoimento foi dado com o objetivo de enganar uma pessoa próxima a um dos atletas. E o caso só terá sido tornado público porque a mãe de Lochte contou o sucedido a um órgão de comunicação dos EUA.

Esta sexta-feira, Jack Conger e Gunnar Bentz regressaram a casa.