Tribuna Expresso

Perfil

Jogos Olímpicos

Rússia banida dos Olímpicos de Inverno por causa de escândalo de doping

Ao anunciar a decisão sem precedentes, o Comité Olímpico Internacional garantiu que atletas russos que provem que estão “limpos” vão poder competir em fevereiro na Coreia do Sul sob uma bandeira neutra

Joana Azevedo Viana

Han Myung-Gu/Getty

Partilhar

A Rússia foi banida dos Jogos Olímpicos de Inverno que vão ter lugar no início do próximo ano em Pyeongchang, na Coreia do Sul, por causa de um escândalo de doping que estava a ser investigado desde 2014, quando o país acolheu os últimos Jogos Olímpicos de Inverno, em Sochi.

A decisão sem precedentes foi anunciada na terça-feira à noite (hora portuguesa) pelo Comité Olímpico Internacional (COI), com a adenda de que os atletas russos que provem que estão “limpos” vão poder competir sob uma bandeira neutra no próximo ano.

“Isto deverá encerrar este episódio danoso”, declarou o chefe do COI, Thomas Bach, em Lausanne. A investigação ao esquema de doping patrocinado pelo Kremlin tinha começado a mando do ex-Presidente da Suíça, Samuel Schmid, há 17 meses.

Depois de anunciada a decisão, políticos russos vieram exigir um boicote aos Olímpicos de Inverno, isto apesar de as autoridades desportivas terem agradecido a oportunidade de atletas que não consomem drogas poderem participar no evento ainda assim. O Comité Olímpico Russo foi suspenso mas os desportistas do país que queiram integrar os jogos em fevereiro poderão fazê-lo enquanto “atletas olímpicos da Rússia”, informou o COI.

Apesar de o Kremlin continuar a desmentir as alegações, o comité avançou no chamado relatório Schmid que foram recolhidas provas de “manipulação sistemática das regras e do sistema anti-doping”, acusações que já tinham sido feitas ao governo russo antes e durante os Olímpicos de Inverno há quase quatro anos.

“Este foi um ataque sem precedentes à integridade dos Jogos Olímpicos e do desporto”, declarou Bach ao anunciar a decisão. “Esperamos que isto enterre este episódio danoso e que sirva de catalisador para que se adote um sistema anti-doping mais eficaz.”