Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

O guarda-redes do FC Porto passou o jogo na fila do bar e Lá em Casa Mando Eu já não sabe como se chama o rapaz

Catarina Pereira está triste porque não houve dirigentes a chorar quando André Silva marcou e porque Slimani não passou pelo Dragão para conhecer um certo e determinado alçapão

Catarina Pereira, Lá em Casa Mando Eu

Comentários

David Ramos/Getty

Partilhar

Casillas

Reza a lenda que foi um grande guarda-redes, cheio de títulos e de fama mundial. Agora está reduzido a um espectador com lugar anual, daqueles que mal levantam o rabo da cadeira e que passam o jogo a queixar-se do frio ou a querer comentar a situação política no Iémen. Aos 60 minutos, fez uma grande defesa, mas havia fora-de-jogo do jogador do Leicester. Ou seja, escusavam de ter ido chamar o homem à fila do bar.

Maxi Pereira

Fez três faltas nos primeiros 30 minutos - uma delas cortou um contra-ataque e noutra deu uma alegada mão na bola - e não levou cartão amarelo. De repente, deve ter-se lembrado do que era jogar no anterior clube. Ah, a nostalgia da impunidade! Parece-me que ultimamente anda mais interventivo no ataque: ele é correr para se desmarcar, ele é cruzar, ele é rematar, ele é aparecer na área... Talvez esteja na altura de renovar contrato, não vá ele um dia tornar-se num daqueles jogadores que seriam capazes de nos trocar por um rival.

Felipe

Anda, há vários jogos, a tentar fazer uma desmarcação diretamente para a bancada do lado contrário, mas o sócio número 35.127 ainda não percebeu que é para se levantar da cadeira e receber a bola. Por falar em público, este aplaudiu veementemente uma troca de bola que fez com o colega Marcano e o guarda-redes (como é que ele se chama mesmo? Já não o vejo a jogar há tanto tempo...), não só porque a equipa do FC Porto não sofre um golo há seis jogos, mas porque às vezes convém mostrarmos gratidão por não termos como dupla de centrais o Luisão e o Lindelof.

Marcano

Mais uma exibição segura de um dos centrais que compõem um das melhoras duplas de sempre do FC Porto (se Pinto da Costa o diz é porque é. Não vamos duvidar do presidente que já viu jogar Aloísio, Fernando Couto, Jorge Costa, Ricardo Carvalho e Depoitre).

Alex Telles

Fez o cruzamento para o segundo golo da equipa, o terceiro desde a entrada do galo preto em campo. Não sei se será o suficiente para recuperar a titularidade na Liga e devolver o banco a Layún, mas tenho a certeza que Nuno Espírito Santo fará o que qualquer grande treinador faria: perguntar ao galo o que acha.

Danilo

O senhor comendador joga a competição com um tédio evidente. "Bora Danilo! É para ser campeão da Europa!", grita-lhe Nuno. "Outra vez?", responde Danilo, com enfado, enquanto ouve o hino da Liga dos Campeões como quem ouve o quinquagésimo concerto do Miguel Araújo e do António Zambujo. Aos 67 minutos, torceu o pé e esteve a ser assistido fora do campo. Depois acabou por ser substituído. Sentiu-se um ar pesado no estádio: Danilo lesionado só encontra equivalência na Quinta-Feira Negra ou na falência do Lehman Brothers.

Corona

FRANCISCO LEONG/Getty

Com a velocidade e a confiança, voltaram as fintas e os desequilíbrios ofensivos. Marcou o segundo golo da equipa, aos 26 minutos, num belo remate de primeira, de pé esquerdo, após cruzamento de Alex Telles. No entanto, pareceu-me que festejou pouco, o que só pode ter duas leituras: ou achou que o mundo tinha acabado por termos marcado dois golos no mesmo jogo, ou ainda está cansado de ter festejado o golo do Rui Pedro contra o Braga.

Óliver

Anda com aquele ar superior de quem se sente bastante confortável quando a bola rola de pé para pé e as coisas funcionam bem. Enquanto não for apanhado pelo Football Leaks podemos ficar descansados.

Brahimi

Continua a ser demasiado individualista e a não respeitar as mais básicas regras táticas, mas marcou um grande golo de calcanhar. É um bocadinho como aquelas crianças que se portam muito mal e não deixam os pais dormir, mas são fofinhas e de vez em quando sorriem, por isso safam-se de serem abandonadas.

Diogo Jota

Foi o que mais tentou marcar, com dois remates a passarem muito perto da baliza inglesa, e finalmente conseguiu-o, aos 77 minutos, após grande passe de André Silva. Aos 20 anos continua na Europa, o que é mais do que alguns clubes com 110.

André Silva

Marcou um golo de cabeça, num canto marcado por Corona, logo nos primeiros minutos de jogo. Incrivelmente, não houve jogadores a entrarem em campo que nem loucos nem dirigentes a chorar, passando a ideia errada de que marcar um golo aos 6 minutos de jogo não é tão porreiro como aos 95. Mais tarde, sofreu e marcou o penálti que deu o quarto golo e ainda assistiu Diogo Jota para o quinto. Está de volta!

Rúben Neves

Entrou para substituir Danilo, que é uma tarefa ingrata para um mero ser humano. O maior elogio que lhe posso fazer é que não se notou a diferença.

Herrera

Não foi mau, vá, deixem de ser assim.

Rui Pedro

Ouviu um dos maiores aplausos da noite quando Nuno o chamou do aquecimento para entrar. No entanto, desde que entrou em campo, o FC Porto não marcou mais golos. Chamem o galo!!!

Slimani

A sua ausência tornou aquele alçapão com crocodilos na nossa grande área um bocadinho inútil. Que pena. Fica para a próxima.