Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

Lá em Casa Mando Eu ficou com pena de André Silva, que tinha sonhado com a concretização suprema do amor na baliza de Buffon

Catarina Pereira congratula-se por Felipe ter sobrevivido ao crime organizado, ele que por cá está mais habituado aos mitras de Chelas. Acredita também que se o Comendador Danilo deu muito espaço ali à entrada da área, é porque é hora do FC Porto se concentrar no campeonato e se o Comendador diz não há como não concordar

Catarina Pereira, Lá em Casa Mando Eu

FRANCISCO LEONG/Getty

Partilhar

Vamos tirar um momento para pensar no que sentirá um adepto portista, no fim deste jogo, quando se apercebe que tem de escrever um texto sobre o que se passou, sem ser um chorrilho de palavrões e cenas incompreensíveis. Sejamos solidários com tão pobres almas, obrigadas a tentar ter piada quando tudo o que desejam é enfiar-se na cama com os cobertores a tapar a cabeça durante uns dias.

Casillas

Na antevisão do jogo, muito se falou do duelo de gigantes na baliza. Não é todos os dias que Casillas e Buffon pisam um relvado português e o nosso guarda-redes venceu claramente o duelo, ainda que por falta de comparência do adversário. O gigante italiano não merecia a camisola de Iker no fim, dado que o espanhol levou para casa uma que nem estava suada.

Maxi Pereira

A vida já não estava a ser fácil: a Juventus tem um lateral-esquerdo excelente, que lhe deu muito trabalho (a assistência para o segundo golo é do seu lado, por exemplo). Mas o árbitro conseguiu dificultá-la, ao mostrar-lhe cartão amarelo por ter a desfaçatez de cortar uma bola. Eu nem sou de seguir muito isto do futebol - acho um exagero o tempo que as pessoas perdem a pensar (e até sofrer, imaginem!) apenas num desporto, porque há coisas mais importantes, como a saúde e o amor e as derrotas do Benfica - mas dizem-me que, noutro momento da sua carreira, Maxi já tinha sido confrontado com este defesa brasileiro e que não costumava correr bem, pelo que isto tudo para dizer que nada mudou entretanto.

Felipe

Está habituado a ver a equipa lá à frente e a ter que dar uma traulitada ou outra num sul-americano mal intencionado de um Tondela desta vida que venha disparado num contra-ataque, como se fosse um porteiro de discoteca que, de tempos a tempos, tem que expulsar um bêbado mais chato. Hoje estranhou tanta gente no seu habitat natural e, sobretudo, nomes como Higuain e Mandzukic. Em vez de mitras de Chelas, Felipe enfrentou pela primeira vez o crime organizado. Não foi fácil, mas sobreviveu.

Marcano

Foi cortando o que pôde e destaco a maneira estrondosa como tirou a bola a Higuain, aos 18 minutos, como se não tivesse respeito por quem estava ali ao lado dele. Por tudo o que fez, fica a ideia que não lhe podíamos pedir mais esta noite. Mas ia jurar que, perante a incapacidade da equipa, ao segundo golo sofrido o vi a perguntar se alguém sabia como é que os três reclusos de Caxias tinham conseguido fugir. Era para um amigo.

Alex Telles

Tinha acabado de levar um cartão amarelo quando decidiu fazer um carrinho e a cara de Nuno era de quem não tinha preparado um desenho para isto. Quanto a esta cronista, digamos que ainda estou a imaginar três ou quatro maneiras mais ou menos requintadas e raivosas de castigar o rapaz, mas adiante. A verdade é que admito que as duas faltas tenham merecido cartão, mas, ao mesmo tempo, penso que o árbitro já tinha avisado toda a equipa da Juventus de que, ao próximo meteorito que arrasasse com a Terra, iam também levar um amarelo (o que é estranho, tinha uma óptima impressão deste árbitro por causa de uma final da Liga Europa).

Danilo

Talvez tenha sido da minha vista, mas pareceu-me que os rapazes da Juventus tiveram demasiado espaço no meio para rematar. Se o senhor comendador permitiu que isto acontecesse, é porque considera que temos que nos concentrar no campeonato e eu não só concordo em absoluto, como até saúdo a coragem de assumir as decisões mais difíceis.

Rúben Neves

Formou com Danilo uma espécie de duplo-pivot à Paulo Fonseca (não sei se ainda se lembram daquele treinador que não sabia dizer a cidade onde jogávamos, não estou a referir-me ao que vai ganhar o campeonato ucraniano com oito mil pontos de avanço e que ainda pode ganhar a Liga Europa), com os resultados incríveis que lhe reconhecemos desde essa altura. Tem um remate na primeira parte com um colega na direita completamente livre, o tipo de lance onde obedeceu a algum adepto na bancada que gritou "Chuta!". O tipo de adepto que terá gritado a Alex Telles: "De carrinho, dá-lhe!", com este já com amarelo. Nada contra o adepto, atenção, podia perfeitamente ter sido eu.

Herrera

Durante aquele tradicional cumprimento de capitães antes do jogo, no caso entre Herrera e Buffon, dei por mim a pensar que, naquele exato momento, olhando para um e para outro, poucas mulheres estariam mais preocupadas com o estado anímico do mexicano do que do italiano e eu era uma delas. Em campo, foi obrigado a encostar-se ao lado direito para tentar travar o excelente lateral-esquerdo da Juventus. Aos 24 minutos, mandou a bola contra esse mesmo jogador e a bola saiu pela linha lateral conforme desejava, provando a sua enorme evolução nos últimos meses.

Brahimi

Esteve mais agressivo do que o normal a defender, mas não conseguiu levar a equipa para o contra-ataque como se lhe pedia. É estranho que, de um jogador com tanta técnica, poucas vezes se possa esperar que se destaque nos momentos mais difíceis. Além disso, parece-me que está a tentar deixar crescer a barba de uma maneira esquisita e ainda não percebi se é suposto aquilo dar pinta, ser intimidatório ou se pretende dar um ar casualmente desalinhado, mas dou por mim a pensar que a barba é precisamente uma bonita metáfora para todas aquelas vezes em que não percebemos o que é que ele quis mesmo fazer com a bola.

André Silva

Protagonizou a única jogada de ataque do FCPorto da primeira parte, numa tabela com Soares que foi travada em falta, para um livre perigoso que Brahimi desperdiçou. Foi o avançado sacrificado pela expulsão de Alex Telles e chorou ao lembrar-se que, antes do jogo, tinha confessado sonhar com marcar a Buffon. Parece que tinha preparado uma noite perfeita, um jantar romântico, um passeio a dois e quem sabe até a concretização suprema do amor, mas passado 30 minutos ela pediu para a deixar em casa porque estava com dores de cabeça.

Soares

Perante a inferioridade numérica da equipa, o treinador preferiu-o a André Silva, provavelmente embalado pela veia goleadora que veio mudar as nossas expectativas para consumo interno. Só que a Champions é a Champions e Soares não foi mais do que aquele aluno que pediu transferência a meio do ano e chegou a uma turma claramente mais avançada do que estava à espera. Lutou muito, mas, perante aqueles defesas brutos da Juventus, só faltou fazer queixinhas à professora.

Layún

Entrou mais cedo do que esperaria, para tapar o buraco deixado por Alex Telles com a expulsão, numa mensagem óbvia do FC Porto para o lateral-esquerdo da Juventus: foste embora, mas repara como encontrámos dois que também jogam aí. Esteve na primeira e única oportunidade de golo do FC Porto, ao cruzar a bola para a cabeça de Herrera, aos 48 minutos, mas só aos 72 conseguiu fazer uma excelente assistência para o golo da Juventus.

Corona

Até entrou com aqueles movimentos típicos de Corona, uma sequência de embalos para a direita, esquerda, trás e frente - não necessariamente por esta ordem -, que dão a falsa sensação de que está com uma enorme vontade de mudar o jogo a nosso favor, mas não, não, não foi isso que aconteceu.

Diogo Jota

Percebo que, para um rapaz tão jovem, os oitavos de final da Liga dos Campeões sejam uma mistura de cores, sons e sensações incríveis, mas da próxima vez, se não for pedir muito, gostaria que não ficasse pregado no chão a olhar para a descontração de Dani Alves a fazer o segundo golo da Juventus. Grazie.