Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

O Lá Em Casa Mando Eu imaginou como seria levar Jaime Pacheco, Petit e Martelinho a irem ver os Mirós a Serralves

A Catarina Pereira, do Lá em Casa Mando Eu, teve esta visão depois de ver como Óliver mostrou “o lado bonito da cidade do Porto aos adeptos da rotunda”

Catarina Pereira, Lá em Casa Mando Eu

MIGUEL RIOPA

Partilhar

Iker Casillas

Não teve muitas intervenções no jogo, exceção feita à defesa monumental, aos 30 minutos, a remate de Anderson Carvalho, tendo a bola ainda batido no chão para o tentar enganar. Citando Pedro Madeira Rodrigues, "Um amador é alguém que ganha mal ou não ganha nada" e Casillas ganha muito bem, por isso pensem. (Sim, eu vi o debate de candidatos à presidência do Sporting e não só não tenho vergonha de o assumir, como recomendo vivamente a todos os que perderam este grande momento do futebol português)

Maxi Pereira

Em noite de Óscares, Maxi Pereira pediu dois penáltis na área do Boavista e foi expulso sabe-se lá porquê. Talvez, nesta altura da sua carreira, o uruguaio já tenha percebido que longe vão os seus tempos de passadeira vermelha.

Boly

Sabíamos, desde há uma semana, que Felipe não jogava hoje. Confesso que o sentimento foi mais ou menos o mesmo que Gotham City ver anunciado que o Batman estava uma semana fora. No entanto, Boly tomou conta do recado e aos 10 minutos até fez um grande corte de cabeça, à super-herói. No resto do jogo, foi sempre suficientemente eficaz para me descansar e suficientemente discreto para não gerar problemas a Nuno, porque para a semana volta tudo ao mesmo.

Marcano

Mais um jogo irrepreensível do nosso central espanhol, com destaque para o corte, aos 67 minutos, quando alguns dos seis milhões de adeptos do Boavista já se levantavam da cadeira. Um corte que nos deu pontos fundamentais e que já não surpreende ninguém pela qualidade deste jogador. Assim de repente, consigo enumerar mil razões para eu desejar que o FC Porto seja campeão este ano e confesso desde já que uma delas é imaginar Marcano, louco, a celebrar o título no meio dos Super Dragões, de microfone da CMTV em punho e a cantar músicas ofensivas para com o rival. Isso sim, seria surpreendente.

Alex Telles

Grande jogo! Esteve muito bem! Excelente até! Que coisa linda de se ver! Meu Deus, que maravilha! (Não fez duas faltas para cartão amarelo em dois minutos)

Danilo

Entramos naquela fase da época em que o FC Porto não joga de azul e branco, para tentar vender camisolas alternativas, suponho. Claro que, a Danilo, qualquer trapinho cai bem, por isso foram só mais 90 minutos de tranquilidade e classe. Muitos parabéns então aos milhares de adeptos portistas que não se inibiram de visitar a zona menos nobre da cidade para ir ver o senhor comendador jogar.

André André

Entre o nosso meio-campo, era a ele que cabia a sempre dura tarefa de tentar assustar os axadrezados na pressão alta e na recuperação de bolas, missão que cumpriu praticamente na perfeição, mesmo tendo sido amarelado muito cedo. Tenho escrito muitas vezes que lhe falta a intensidade que vimos noutros tempos, mas ela hoje aí esteve, melhorando logo a qualidade do seu jogo. É assim que te queremos, André André. É, é. Olhem, até rimou. E quem rima sem querer, pode ser campeão sem saber.

Óliver

Para mostrar o lado bonito da cidade do Porto aos adeptos da rotunda, Óliver fez um maravilhoso passe que antecede a assistência de Corona para o golo. Um gesto tão simples e tão bonito, no estádio de um clube que joga tradicionalmente tão mal, que foi como levar Jaime Pacheco, Petit e Martelinho a irem ver os Mirós a Serralves.

Corona

Fez a assistência para o golo e ainda esteve perto da segunda, mas o remate de Brahimi saiu ao lado. No final da primeira parte, sofreu uma entrada de Talocha para cartão vermelho, mas o árbitro só deu amarelo. Visivelmente zangado, o mexicano iniciou o conflito que ditou a expulsão de Nuno Espírito Santo, que foi defender os seus jogadores de um mito dos anos 80 e 90: Alfredo. Estou ansiosa por ver o resultado desta entrada sobre Corona, porque seria de uma maldade incrível deixar o pé de Herrera ganhar o prémio de fotografia mais feia da temporada.

Brahimi

Tentou, por duas vezes, que Soares aumentasse a vantagem e esteve ele próprio perto de o fazer, aos 38 minutos, mas a bola passou um pouco ao lado da baliza do Boavista. De repente, parecia que tinha enfiado na cabeça que ia ser decisivo este fim de semana, mas acabou por sair de campo sem influência direta no resultado. Não o censuro: este fim de semana também enfiei na cabeça que ia arrumar a casa, mas acabei por não fazer nada com influência direta nesse sentido.

Soares

Esta vida são dois dias e o Carnaval do nosso Tiquinho já são cinco. Foi mais uma vez decisivo, ao marcar o golo da vitória - o quinto desde que chegou -, e ainda falhou mais dois só porque não eram necessários. Já lá vão uns tempos, nem sei se se lembram, mas, antes da chegada dele, o FC Porto falhava golos ao ritmo dos milhões que fugiram para offshores durante o Governo de Pedro Passos Coelho.

Diogo Jota

Tentou aproveitar a fase em que a equipa tentou mais o contra-ataque, mas desta vez não consolidou a vantagem. O que se compreende, sobretudo porque o nível de violência dos jogos com o Boavista não é apropriado à idade dele.

Otávio

Parece que foi há muito tempo, mas recordo que chegámos a acreditar que seria a grande surpresa da temporada. Esta frase pode ser aplicada a:

a) Otávio

b) Jorge Simão

c) Sporting

d) Todas as anteriores

Layún

Gosto muito de Maxi Pereira e Alex Telles, mas, tendo um jogador no plantel capaz de derrubar um muro, têm mesmo que continuar sempre ao melhor nível, para não acabarem a brincar no Toys "R" Us.