Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

Lá Em Casa Mando Eu evoca Kralj, põe Corona a falar francês e defende a tolerância de ponto para André Silva

Poderá encontrar estas e outras construções frásicas neste texto de Catarina Pereira, uma das duas caras do Lá Em Casa Mando Eu

Catarina Pereira, Lá Em Casa Mando Eu

MIGUEL RIOPA

Partilhar

Casillas
Vai acumulando minutos a uma das temporadas mais tranquilas da sua carreira. Será de uma enorme injustiça se um dos jogadores mais titulados do mundo não conseguir ser campeão no FCPorto. Recordo que estamos a falar de um clube que fez campeão guarda-redes como Rui Correia e Ivica Krajl. Acrescento ainda que estamos a falar de um clube que fez campeão, por exemplo, um jogador que passou anos a tentá-lo noutro sítio e que, depois, em meia dúzia de dias e com apenas um passe decisivo para um golo aos 92 minutos, teve finalmente o tão desejado título. Enfim, isto para dizer que será uma pena perdermos isto este ano. Não por mim; pelo Iker, claro.

Maxi Pereira
Estive a ouvir atentamente a entrevista que deu esta semana ao Porto Canal e fiquei a saber que, por exemplo, Maxi não assistiu ao nascimento dos filhos gémeos porque estava na selecção, uma informação que pode não ter surpreendido os adeptos que esperam de si sempre a máxima entrega dentro de campo, mas que me surpreendeu a mim, que estava convencida que tinha sido ele a pari-los, recusando a epidural e pedindo aos médicos para se afastarem enquanto resolvia rapidamente aquilo com um lançamento de bebés para a grande área. Enfim, que bela imagem que se perdeu. Quanto a este jogo, foi expulso aos 89 minutos e não vai assistir à brilhante exibição de Layún na Madeira na próxima jornada.

Felipe
Levou cinco pontos na cabeça após um choque com um jogador do Feirense e já assinei a petição online para evitar o seu abate. Dizem que Felipe é perigoso, que tem instintos irracionais, mas tudo o que eu vejo é uma carinha laroca que só precisa de ser bem orientada. Para os que acham que oito cartões amarelos neste campeonato traduzem a sua agressividade desmedida, vejam e revejam vídeos deste jogo em Chaves, com os seus cortes limpos e a sua postura irrepreensível que provam que, mais do que a raça, o que interessa é o carinho que lhes transmitimos.

Marcano
Perdeu a cabeça num lance em que, após ter levado um pontapé na cara de um jogador do Chaves que teve de receber assistência (talvez lhe tenha ficado a doer a perna com que deu o pontapé), fez um passe calmo para o colega Alex Telles e, de repente, tinha esse mesmo jogador do Chaves com a bola e só com ele pela frente. Fiquei em choque pela maneira com que se dirigiu a Carlos Xistra, que tinha mandado reentrar em campo o adversário na altura errada. Temo que as arbitragens estejam a transformar Marcano, o santo, em Ivan, o terrível.

Alex Telles
Esteve menos interventivo do que o habitual, sobretudo porque o vento lhe dificultou o habitual destaque nas bolas paradas. De resto, como já falei das condições meteorológicas, não tenho mais conversa de ocasião para fazer convosco.

Rúben Neves
A perna de Danilo a sangrar no fim do jogo com o Feirense foi a imagem mais chocante que vi desde aquelas centenas de baleias a morrer numa praia da Nova Zelândia. Há poucas coisas que mexam tanto comigo como animais indefesos e comendadores em sofrimento. Nove pontos depois (mais ou menos os mesmos que andamos a perder nos últimos tempos), surgiu Rúben Neves no onze. Na primeira parte, destacou-se na marcação de dois livres, bem defendidos pelo guarda-redes do Chaves. No geral, não teve grande trabalho defensivo e dominou bem a circulação de bola no meio-campo. Mas tenho saudades do Danilo.

André André
Fez uma das melhores exibições da época: boa precisão de passe, excelentes recuperações de bola e ainda o golo que matou o jogo. Nos festejos, o microfone da Sport TV aproximou-se demais e ouviram-se algumas palavras em bom português de vários jogadores do FCPorto, alguns dos quais nem sabia que dominavam a língua de Camões. Imagino que o árbitro Tiago Antunes, em casa, se tenha levantado e aplaudido, como grande defensor da língua portuguesa que é.

Otávio
Voltou às exibições que lhe valeram um lugar no onze no início do campeonato, com a irreverência e vontade que lhe são facilmente reconhecidas. Fez a assistência para o segundo golo e saiu com a certeza de estar mais próximo de convencer Nuno a mantê-lo no desenho.

Corona
Je pense que le castigue au Brahimi c'est juste parce que l'argelin parle une langue trés esquisite. Já Corona não fez nada por merecer a titularidade e a crença de que o FCPorto, com dois extremos desequilibradores nas alas, seria sempre mais perigoso. Pero Tecatito, no hay problema, lo que interessa es que seguimos en la lutcha hasta el final.

Diogo Jota
Foi titular pela segunda vez consecutiva, uma vez que André Silva viu ser-lhe atribuída uma mais do que justificada tolerância de ponto para ir a Fátima rezar por golos. Houve uns tempos em que escrevi elogios a Diogo Jota, mas estou a passar uma fase em que dou por mim a pensar se não valeria a pena ter no plantel antes um Hernâni ou um Marega, o que pode dizer muito tanto sobre o momento atual de Diogo Jota como sobre o desespero atual desta que vos escreve.

Soares
Voltou aos golos num ressalto que sobrou de um remate de André André e antes já se tinha queixado de um penálti na área do Chaves onde pode ter havido duas mãos dos adversários. No entanto, para melhorar o clima no futebol português, devíamos parar todos de dizer que o FCPorto está a ser constantemente roubado pelos árbitros e admitir que o Benfica é um clube incrível e que a linda festa no Marquês já está a ser preparada há muito tempo.

Óliver
Correu bem, mas não gosto de vê-lo jogar pouco. Porque, por esta altura, já saberá o caro leitor que tenho alguma admiração por jogadores que tratam a bola como Óliver o faz tão bem. Isto se o caro leitor tiver lido o que tenho escrito ao longo da época, ou seja, caso se trate da minha mãe, do meu pai, ou das pessoas que pesquisam Lá em casa mando eu a pensar que vão parar a um texto com dicas sobre decoração.

João Carlos Teixeira
Tenho a impressão que entra sempre que o FCPorto está a ganhar e a controlar o jogo, não sabendo então Nuno o que deve um treinador fazer além de fazer entrar um médio que domine minimamente a bola. Desejo, por isso, que entre em campo nas próximas três jornadas pelas mesmas razões.

Herrera
Pois é, meus amigos, isto agora não há grande coisa a fazer além de ganhar os nossos joguinhos. Se tudo correr mal, peço que enviem um mail para [email protected] com sugestões de desculpas espectaculares para eu dar à Tribuna e não ter de escrever um texto depois de ver os outros a festejar.

  • O Esquadrão Classe AA

    Futebol nacional

    André André fez o remate que deu o primeiro golo a Soares e fez o golo que garantiu, enfim, os três pontos ao FC Porto. Foi o homem do jogo em que Nuno Espírito mudou de planos, mas pode cantar de galo como John "Hannibal" Smith: "I love it when a plan comes together".