Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

Como tudo seria diferente se em vez de uma trivela à Quaresma não tivesse saído um alívio para canto dos outros à Herrera

A Catarina Pereira, do Lá Em Casa Mando Eu, está a falar do remate com que Ricardo Pereira desperdiçou a melhor oportunidade para o FC Porto desfazer o empate no estádio do Besiktas, onde há "gente que parece que está no Coliseu romano a torcer pelos leões"

Catarina Pereira, Lá Em Casa Mando Eu

OZAN KOSE

Partilhar

José Sá

Iker Casillas foi titular no último jogo da Taça de Portugal e foi ele que deu o grito de incentivo aos colegas no final da partida contra o Portimonense. Ao que parece, terá dito algo do género: "No próximo jogo, vai ser aqui o jovem José Sá a estar na baliza e a sofrer que nem um estúpido perante a pressão turca, enquanto eu bato palmas no banco, com um cobertor em cima das pernas que a idade já não perdoa". O espanhol já sabia ao que íamos e José Sá sobreviveu ao teste. Destaque para as duas boas defesas a remates de Quaresma, ainda que Quaresma me tenha parecido hoje com tanta vontade de marcar um golo ao FC Porto quanto eu.

Maxi Pereira

Só há duas pessoas no mundo que eu imagino que gostem de jogar no estádio do Besiktas, como visitantes: felizmente, uma é o nosso treinador, outra é o nosso lateral-direito uruguaio. Esta incrível coincidência ajudou a que tivéssemos escapado com vida ao estádio mais barulhento do mundo, a seguir ao de Alvalade, quando Bruno de Carvalho anuncia um filho nos ecrãs.

Felipe

Marcou o golo do FC Porto num remate forte e colocado à entrada da área, mas ficou menos bem visto no golo que dá o empate do Besiktas, quando viu Tosun passar-lhe a bola por cima. Em alguns momentos, pareceu o menos concentrado da defesa, mas ele sabe bem que não digo isto por mal, mas antes porque o adoro. Enfim, tendo em conta o que ele já fez por nós, por mim Vale-Tudo!

Marcano

Pareceu andar praticamente o jogo todo com queixas físicas, ou então só pareceu mais fraco porque do outro lado estavam Pepe e Medel. Porra, Pepe e Medel JUNTOS! Isto devia ser proibido.

Alex Telles

Tornou-se quase sempre um defesa competente, mas é nas bolas paradas que mais brilha neste FC Porto. Com Marcano, Felipe, Danilo e Aboubakar na área, Alex Telles sente-se como uma pessoa que chega à beira de um aquário com piranhas e manda lá para dentro um naco de carne. Não sei se isto acontece muitas vezes, mas vocês perceberam. Hoje surpreendeu-nos, juntamente com Ricardo e Felipe (e Sérgio Conceição), e mostrou-nos outra vertente num livre muito bem marcado. Já sabem: ÀS 18 HORAS, NÃO PERCAM NA BTV A REVELAÇÃO DESTA JOGADA ESTUDADA DO FC PORTO QUE DEU GOLO.

Danilo

Um jogo sólido e silencioso do senhor comendador, que mostrou - como todos repararam - um enorme repúdio contra Erdogan e as suas políticas. A memória de Danilo é inexorável e a violência contra os manifestantes que lutaram contra a demolição do Parque Taksim Gezi, em 2013, esteve patente em cada corte, em cada disputa de bola. Danilo lida mal com ambientes sem total liberdade e isso fez-se sentir sobretudo no início da segunda parte, quando os turcos ameaçaram mais a nossa baliza, mas o nosso comendador soube reagrupar as forças democráticas do meio-campo do FC Porto e as coisas acabaram por se compor, apesar de as entidades internacionais continuarem, inexplicavelmente, sem impor sanções a Talisca.

Herrera

Estive quase para escrever um parágrafo a elogiá-lo, sobretudo à entrega num jogo tão duro e à calma que aparenta mesmo em momentos difíceis. Mas vou poupar-vos a isso.

Sérgio Oliveira

Não sei se viram, mas entrou em campo a bater três vezes com o pé direito no chão e a benzer-se outras tantas. E eu, quando assim é, fico logo super confiante. Surpreendentemente, depois disto, não fez o jogo mais brilhante de sempre, mas soube aguentar-se numa partida com características muito particulares, desde logo o facto de finalmente se ouvir mais os adeptos do que os comentadores. Por outro lado, infelizmente levou cartão amarelo, o que vai deixar Sérgio Conceição com um enorme problema contra o Mónaco: "O que dizer a Óliver para lhe explicar que não vai jogar?"

Brahimi

Não brilhou ao seu nível, o que me pareceu sensato, dado que era um jogo de Champions e estávamos perante uma equipa que parece que tem dinheiro. Ainda assim, o argelino voltou a ser a nossa bóia de salvação nos momentos de aperto, fazendo algumas arrancadas que colocaram os turcos em sentido e que resfriaram os ânimos daquela gente que parece que está no Coliseu romano a torcer pelos leões.

Ricardo Pereira

Sérgio Conceição subiu-o no campo e Ricardo correspondeu com uma boa exibição. Só era escusado aquele remate algo ridículo, aos 62 minutos, quando em vez de uma trivela à Quaresma lhe saiu um alívio para canto dos outros à Herrera.

Aboubakar

Apesar de não ter marcado, voltou a mostrar uma fibra e uma personalidade que eu nunca lhe tinha conhecido. Aboubakar parece que foi a um daqueles programas onde uma pessoa ganha autoconfiança só porque foi maquilhada e tem um penteado novo. Este homem, que eu considerava o avançado mais choninhas do futebol mundial, foi loucamente aplaudido no final do jogo pelos adeptos turcos, que são excelentes nisto do apoio à equipa e infelizmente não tão bons em golpes de Estado.

Jesús Corona

Segundo os comentadores da RTP, o treinador-adjunto estava a mostrar-lhe umas imagens táticas antes de entrar, tendo sido interrompido por Sérgio Conceição, que lhe gritou umas coisas e o mandou lá para dentro. E eu, como sabem, adoro todos os treinadores que não gostam de desenhos.

Diego Reyes

Quando Reyes entrou em campo, eu estava a tentar dar de comer ao meu filho enquanto ele fazia uma birra gigante. Estou a falar de gritos, murros e pontapés na cadeira e lançamentos de sopa a grande distância. Que, há uns tempos, era o que eu esperava do Reyes quando tivesse de entrar para aguentar um jogo contra o Besiktas, para a Liga dos Campeões, no estádio mais barulhento do mundo.