Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

Qualquer um à baliza, uma dupla sertaneja, Douglas, um miúdo da formação e... Mantorras (Lá Em Casa Mando Eu escolheu o onze do Benfica)

Catarina Pereira apresenta o onze que gostaria de ver no clássico de amanhã, contra o seu FC Porto. Não se ria, é uma coisa séria. Bom, mais ou menos

Catarina Pereira, Lá Em Casa Mando Eu

FRANCISCO LEONG

Partilhar

Qualquer um

Peço desculpa por começar logo sem precisão, mas sinto-me a voltar àquela fase da vida em que qualquer escolha para a baliza do Benfica era sempre uma excelente escolha. Na ausência de Júlio César (já não o via chorar assim desde que levou 7 da Alemanha, realmente ter representado este clube deve ser pelo menos igualmente traumatizante) e pressupondo que Paulo Lopes só continua lá para animar os treinos, a dúvida estará entre Bruno Varela, a natural - e muito apoiada da minha parte - primeira escolha de Rui Vitória, e Svilar, a natural capa da Bola desde que Renato Sanches deixou de ser – alegadamente - o melhor jogador do mundo. Talvez eu esteja com excesso de fanfarronice, mas realmente não consigo escolher.

Douglas

Desde que vi este lateral brasileiro a chegar a Portugal a falar espanhol, percebi que tínhamos aqui imenso potencial. Não precisei de mais provas, nem sequer de um treino. Foi logo ali que depositei todas as minhas esperanças nele e até agora não tenho tido razões de queixa. Brahimi pode não estar em grande forma, mas, em princípio, tem condições para ter uma agradável noite de sexta-feira. Desde que não fale espanhol, claro, que aí o Douglas apanha-o num instante.

Lisandro e Luisão

Para já, porque o nome de uma dupla sertaneja me inspira logo muita confiança. E depois porque, sempre que vejo o Luisão aos gritos com o Lisandro, porque não estava no sítio certo, porque deixou um Aboubakar sozinho ou outra genialidade qualquer, sinto que há uma energia que se gasta e, assim sendo, há um árbitro que está mais longe de ser agredido.

Eliseu

Por falar em agressões, o Eliseu tem que jogar. Mais ninguém parece ter compleição física para aguentar 90 minutos e uma jantarada a seguir com o Marega. Ainda estive para adaptar o André Almeida a lateral esquerdo, mas tenho medo que ele tenha metido na cabeça que ainda vai melhorar o prémio Puskas mais do que garantido com um remate agora do outro lado.

Fejsa

Não é, de todo, uma opção que me agrade tomar, mas há momentos na vida em que temos de ter a coragem de assumir as consequências dos nossos riscos. Não gosto do Fejsa, é verdade. E nem tem nada a ver com ser ou não ser bom jogador, simplesmente não me agrada nada saber que é campeão há mil anos consecutivos, o que ajuda muito a perceber, por exemplo, como é que o Benfica foi campeão nos últimos quatro. Mas estamos ainda a terminar o ano de 2017, vem aí a fase mais importante da época e eu nunca poderia entregar os meus jogadores à outra opção. Tudo o que eu puder fazer para evitar que um rapaz da minha equipa leve uma cotovelada ou um gancho do Samaris, eu farei. A não ser que na segunda volta seja preciso sacrificar um ou dois Herreras para que o Fejsa não jogue.

Filipe Augusto

Vocês perguntam-me assim: “Catarina, o que é que sabes do Filipe Augusto?”. Na verdade, muito pouco. Se ele passar por mim na rua, nem reparo, nem o insulto, nada, uma tristeza. Mas sei que um comentador da BTV elogiou a sua contratação ao Rio Ave com a justificação de que assim trazia segredos desta equipa que podiam ser importantes para o Benfica. E sei que é vagamente assobiado por adeptos benfiquistas. Portanto, sei mais do que o suficiente para estar confiante na sua exibição.

Um miúdo da formação

Quando Luís Filipe Vieira deixou Jorge Jesus sair para o Sporting, ouvi por aí muitas vezes que o que era importante agora era o Benfica apostar na formação. E, se isso significa manter Rui Vitória, devo dizer que fico logo automaticamente inclinada em também apostar muito na formação do Benfica. Não é uma aposta fácil, é verdade, mas se fosse fácil não era para mim.

Rafa

Há mais de 16 milhões de euros, perdão, de razões para eu escolher o Rafa para este onze, mas não vou cansar-vos com elas.

Seferovic

É engraçado, até começar a pensar no onze que eu escolheria para o Benfica, já nem me lembrava do Seferovic. Mas depois lembrei-me da pré-época, quando ele marcou uns golitos e já era o maior do mundo de sempre e infinitos mil. Ai, como deve ser emocionante ser do Benfica!

Gabigol

Parece que há responsáveis do Benfica que não gostam desta alcunha, mas também parece que esses responsáveis do Benfica muito entendidos em psicologia ou o caraças subestimaram o poder da alcunha GABIGOL, que transformava um mero Gabriel Barbosa numa máquina de fazer golos. Enfim, estão a ter o que merecem. Já agora, Gabigol, sexta à noite tens Galerias de Paris, Eskada, enfim, uma variedade de sítios para onde podes canalizar a tua motivação.

Árbitro principal, árbitros assistentes, quarto árbitro, vídeo-árbitro, rádio-árbitro, árbitro de baliza, aspirante a árbitro, uma vez fui árbitro num jogo da escola, etc

Porque qualquer coisa que tenha “árbitro” no nome jogará, certamente, pelo Benfica.

Mantorras

Talvez achem estranho eu terminar por aqui: não só porque Mantorras já não é jogador do Benfica (mentira, Mantorras é o Benfica!), mas porque já escolhi 11 jogadores, mais os árbitros, portanto já estamos a falar de gente a mais. A verdade é que eu enviei o texto sem esta parte, mas entretanto o Benfica manipulou as minhas palavras, acrescentou-lhe esta parte e agora os leitores da Tribuna estão convencidos que eu escolhi o Mantorras para jogar.

P.S. É certo e sabido que, sempre que eu gozo um jogador adversário, ele arrasa o FCPorto. Portanto, aquele pontapé de baliza do Varela ou do Svilar, que vai parar ao Douglas e que finta Brahimi antes de dar para Lisandro, que recebe com o peito e deixa Luisão entregar a Eliseu, que faz um sprint para depois passar a Fejsa, que por sua vez deixa Felipe Augusto brilhar com um passe de calcanhar para o miúdo da formação, que humilha o nosso meio-campo antes de entregar a Rafa, que cruza de trivela para o Seferovic, que amortece para o remate sem hipóteses de Gabigol ou Mantorras, em fora-de-jogo, essa jogada foi culpa minha sim senhor.