Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

A marcar dois golos por jogo, Soares pode insultar Sérgio Conceição à vontade - e a mim e aos meus pais, garante Lá Em Casa Mando Eu

Catarina Pereira está surpreendida com as exibições de alguns portistas na vitória sobre o Chaves (4-0), mas só quer que elas continuem, seja lá como for: "Até pode ser o sacrifício de pandas em extinção para usarem as suas peles em feitiços que eu estou plenamente de acordo"

Catarina Pereira, Lá em Casa Mando Eu

MIGUEL RIOPA

Partilhar

José Sá

Não faço ideia o que é que ele e o Sérgio Oliveira começaram a fazer a meio da semana para se tornarem melhores jogadores, mas até pode ser o sacrifício de pandas em extinção para usarem as suas peles em feitiços que eu estou plenamente de acordo. Não trocava a defesa que fez aos 23 minutos, a remate de Matheus, pela defesa de espécie animal alguma. Nem sequer da humana, uma vez que nessa altura só estava 0-1.

Maxi Pereira

Apanhou pela frente Davidson, que apesar de ter nome de extremo manhoso de equipa de meio da tabela, se revelou um actor candidato a aparecer na próxima peça do Teatro Experimental Flaviense (googlei). Aos 36 minutos, o corte após jogada de Matheus Pereira (nome de extremo manhoso e que jogou como extremo manhoso) foi fundamental. Viu ainda um cartão amarelo, pela razão que julgo normal os jogadores verem cartões amarelo, ou seja, fez uma falta para cartão amarelo.

Felipe

Colheu, sem grandes problemas, os restos dos ataques do Chaves. O tiki-taka do Marão, os "ataques posicionais" e as colocações "entre linhas" morreram sempre em cortes práticos do nosso central brasileiro, como quem nem precisou de treinar para fazer aquilo, quanto mais assistir a uma palestra do Luís Castro. No fundo, Felipe olhou para um daqueles livros de auto-ajuda new age e usou-o de forma realmente útil: como tapete.

Reyes

O FC Porto tem uma vaga na defesa sempre aberta para alguém tranquilo, competente, que esteja 90 minutos em campo com uma cara que mistura confiança e tédio e um ar de quem tinha coisas melhores para fazer. Se Marcano ainda estiver a pensar dar uns toques na bola antes de assinar pelo Valência, tem aqui um problema.

Alex Telles

Apanhou pela frente Matheus Pereira, uma pessoa que, apesar de partilhar comigo o apelido, estava apostada em estragar-me a tarde. Fez maioritariamente um jogo sofrível e nem esteve tão inspirado nas bolas paradas. Tinha sido uma boa oportunidade para fazê-lo descansar, mas depois eu não tinha nada de mal para dizer e era uma pena.

Herrera

A mera posse de um lugar onde costuma estar o senhor comendador tornou o mexicano um jogador melhor, com uma ocupação de espaços mais inteligente, menos passes errados e muito mais concentração competitiva. Daqui em diante, a minha singela sugestão é colocar Herrera a viver na casa de Danilo. Tomará o pequeno-almoço com ele, farão passeios junto ao Douro e à noite, à lareira, Danilo mostrar-lhe-á a sua colecção de primeiras edições de Eça de Queiroz. Será inevitável vê-los a cumprimentarem-se como capitães de Portugal e México, na final do Mundial, enquanto a minha única preocupação nesse momento será rezar para que não se cansem muito antes do nosso estágio de pré-temporada.

Sérgio Oliveira

Acerto no passe, até nos mais simples - como a assistência para o primeiro golo -, posicionamentos sempre certos, faltas inteligentes e senhor do meio-campo. Já é conhecido como o Busquets de Paços de Brandão, quando há cerca de um mês eu nem sabia que ele era de Paços de Brandão. O grande golo nos últimos minutos, a passe soberbo de Herrera, prova que o futebol é uma modalidade inesperada e que a qualquer momento podemos ver um porco a andar de bicicleta ou um fora-de-jogo bem assinalado a uma equipa que esteja a defrontar o Benfica.

Otávio

Não obstante um penteado que retira logo à partida toda a credibilidade, o pequeno brasileiro foi rato o suficiente para roubar a bola que dá o primeiro golo e deu de calcanhar para Marega fazer o terceiro. Continuando assim, por mim até pode acrescentar umas pintas cor-de-rosa ao cabelo e uma tatuagem no pescoço com uma citação do Gustavo Santos (ou Rui Vitória, se as conseguir distinguir).

Corona

Entrou em campo colocado do lado esquerdo do ataque, substituindo Brahimi, que ficou no banco porque obviamente não deu o suficiente nos treinos durante a semana e não porque precisa de descansar para o jogo com o Liverpool, uma vez que a Liga dos Campeões não é nada importante para nós. Curiosamente, Corona parece ter sido a única pessoa capaz de receber esta missão com agrado e não esteve nada mal. Após a saída de Marega, voltou ao lado direito do ataque e apagou-se, obviamente por estar cansado e não porque é o que normalmente lhe acontece ali.

Marega

Apesar do golo marcado - no único lance em que parece ter-se esquecido que só sabe rematar em força -, continua em maré de exibições pobrezinhas. Dá ideia que está cansado e que, sem o fator "sou mais forte do que vocês todos juntos", é apenas aquele Marega desajeitado que alguns ainda teimam em não recear. Por outro lado, gosto de imaginar Jurgen Klopp a ver vídeos dos últimos jogos do FC Porto e a perguntar-se como será possível uma equipa estar nos oitavos de final da Liga dos Campeões com um jogador como este, não antecipando o hat trick que o nosso Moussa está a preparar para quarta-feira.

Soares

Bisou, ainda enviou uma bola ao poste e está numa forma incrível, que cala os que achavam que só marcava a guarda-redes medianos como Rui Patrício. Não deixa de ser estranho que isto aconteça depois de ter falado mal com o treinador e ter estado, alegadamente, quase a sair do clube, mas, sinceramente, a marcar dois golos por jogo, pode insultar o Sérgio Conceição à vontade. Aos três, pode insultar-me a mim e aos meus pais. Por uma assistência a cada 30 minutos, até pode dizer que o meu marido é um benfiquista nojento. Por sete golos ao Benfica e mais seis ao Sporting, até arrisco que pode dizer que Pinto da Costa não é espectacular, vá.

Waris

Aos 65 minutos, fez um bom remate fora da área, acertando na trave, mas ainda lhe falta muito para entrar no jogo coletivo da equipa. Espero que este meu breve apontamento não resulte num post dele no Facebook a queixar-se que está sozinho e triste, que essas coisas deprimem-me.

Óliver

Entrou sem grande critério e até com aparente pouca atenção, levando à perda de algumas bolas, certamente porque estava a pensar no próximo jogo em que será titular, ou seja, num amigável de pré-época.

Ricardo

Teve oportunidade de descansar o suficiente para na próxima quarta-feira fazer um jogão e ser vendido no final da época por 150 milhões, ou lá quanto é que os clubes ingleses costumam pagar por defesas direitos.