Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

O resumo de uma rendição, por Lá em Casa Mando Eu: Hector, meu amor, tens toda a razão

A Catarina Pereira, metade portista do Lá em Casa Mando Eu, enterrou todos os maldizeres que alguma vez dedicou ao médio mexicano do FC Porto e mostrou-se disponível "para ouvir tudo o que ele tem para dizer"

Catarina Pereira, Lá em Casa Mando Eu

Carlos Rodrigues

Partilhar

Casillas

Entre as coisas que Iker Casillas mais gosta de fazer, percebe-se facilmente que “passar tempo com a família” e “evitar que os rivais marquem golos ao FC Porto” são duas delas. Hoje até foi dos jogos em que não teve de se esforçar muito, mas cumpriu sobretudo com uma boa defesa a remate de Pizzi, no final da primeira parte. A partir de hoje, entre as coisas que Iker Casillas mais gosta de fazer, também suponho que esteja “olhar para Herrera com adoração”. Mas, nisso, é só mais um.

Ricardo

Teve alguns problemas defensivos, sobretudo devido a uma enorme entrega que o deixava descompensado quando falhava um passe ou um corte em esforço. Felizmente, compensou ao conseguir criar perigo no ataque, com uma tática de que todos tínhamos saudades e que consiste em, resumidamente, colocar a bola no Marega e esperar a habitual magia. Curiosamente, na bancada estava Fernando Santos a ver, mas certamente a pensar: “É uma pena que este Herrera não seja português”.

Felipe

Havia uma grande expectativa sobre a maneira como Felipe iria lidar com o público que está convencido que ele se trata de um serial killer (público esse que considera Rúben Dias um jovem promissor do coro da igreja local, porque o futebol nos torna a todos bastante coerentes). Infelizmente, não foi possível ao nosso central colocar em prática tudo o que tinha treinado para enfrentar de novo Jonas e isso foi notório na tristeza que aparentou em campo, apenas compensada com a alegria e puro prazer que qualquer um tem por poder partilhar um balneário com Hector Herrera.

Marcano

A ausência de Jonas também foi um golpe duro para o espanhol, habituado a anulá-lo facilmente. No entanto, verdade seja dita que Raúl Jimenez conseguiu estar ao mesmo nível. Esta semana, sentimos pela primeira vez uma aproximação do empresário de Marcano aos interesses do FCPorto no que diz respeito à renovação. Não sei o que será possível fazer mais para o convencer, além de o deixar continuar a jogar na mesma equipa de Herrera.

Alex Telles

A comunhão que Alex Telles tem com os adeptos do FCPorto é uma coisa bonita de se ver. Mal entrou em campo, foi apanhado pelas câmaras a dirigir-se ao Mar Azul, prometendo muita raça e fazendo vénias aos portistas que se deslocaram 300 quilómetros apenas para assistir a mais uma brilhante exibição de Herrera.

Sérgio Oliveira

O fim de semana já não lhe estava a correr bem desde que foi multado numa operação stop aleatória no Olival, mas depois ainda teve de fazer uma falta cirúrgica sobre Rafa e levar amarelo, condicionando-o para o resto da partida. Saiu quando já não tinha mais força para dar, tendo sido bastante assobiado pelo público, por ter a mania que é mais bonito do que o Herrera.

Otávio

Lutou muito e entregou-se a cada jogada sempre no limite da raça, mas fica a ideia que faltou alguma calma para pensar e executar melhor. Claro que nem todos podem apresentar a qualidade de Herrera, por isso penso que não podíamos pedir mais.

Brahimi

Individualmente, pode ter sido o melhor jogador em campo e foi graças a ele que conseguimos sair de alguns dos piores momentos de pressão do adversário, na primeira parte. Na segunda, fez um bom remate em jeito, que saiu pouco ao lado da baliza do guarda-redes que gosta de perder tempo quando não está a perder. Julgo que poderíamos estar numa daquelas fases da época em que é preciso recordar a Brahimi que o futebol é um jogo de equipa, não tivesse ele decidido passar a bola na jogada que inevitavelmente terminou com um grande golo de Herrera.

Marega

Foi o nosso jogador mais perigoso, mas isso vocês já esperavam por isso não vou perder muito tempo a analisar os lances em que podia ter marcado golo. Aos 64 minutos ainda pediu um penálti de Rúben Dias, que o árbitro não assinalou e a BTV não achou polémico, mas isso vocês já esperavam por isso não vou perder muito tempo a analisá-lo. É bom ver que está de volta, ainda que claramente não a 100%, mas o que ainda lhe falta em força decerto lhe sobra em vontade de servir Herrera da melhor maneira.

Soares

Continua sem marcar golos e só por uma vez esteve perto de o fazer, tendo o remate saído mal na hora de finalizar. Afinal não era só a falta de Marega que o estava a prejudicar, mas todos os nossos problemas fossem os jogos terem de ser resolvidos pelo herói do costume: Herrera.

Óliver

A certa altura, percebeu-se que Sérgio Conceição, ao contrário do senhor que se encontra no banco do Benfica a dizer frases do Gustavo Santos, quis ganhar o jogo. E a entrada de Óliver foi só o primeiro sinal, tornando o FC Porto numa equipa mais inteligente a trocar a bola, sem perder capacidade de luta na hora de correr atrás dela. Já vos disse várias vezes que acho o espanhol fundamental quando o interesse é esse e vocês deviam estar atentos ao que eu digo, porque basta fazerem uma pesquisa aqui na Tribuna Expresso para se lembrarem de há quanto tempo eu ando a antever que o Herrera ia ser decisivo.

Corona

O nosso banco não tem propriamente o mesmo número de efetivos da GNR num sábado de manhã aleatório no Olival, por isso já estamos habituados a estas substituições que nos deixam em dúvida se realmente estamos a melhorar a equipa. Mas o que interessa este tipo de divagações quando se tem Herrera?

Aboubakar

Entrou a tempo de estar na jogada que termina com o habitual golaço de Herrera. Infelizmente, a BTV não filmou Jonas a levantar-se com dores nas costas neste momento.

HERRERA

Faltam-me as palavras para agradecer a este enorme jogador pelos três pontos que nos deu hoje. Quero só apenas garantir-lhe que estou disponível para ouvir tudo o que ele tem para me dizer: que sou uma besta, que não lhe dei o devido valor, que não o mereço. Hector, meu amor, tens toda a razão. E obrigada. Nada está ganho, faltam quatro jogos muito difíceis, mas já vi, naquele remate em força, raiva e raça, tudo o que quero ver sempre no meu FC Porto. Amo-te muito.