Tribuna Expresso

Perfil

Liga dos Campeões

“Quero ver Ronaldo no banco, Benzema na bancada e Bale em casa a ver o jogo pela televisão”

O treinador do Bayern de Munique quer dormir bem antes de receber o Real Madrid, nos quartos de final da Liga dos Campeões, e já tem uma fórmula mágica para que isso aconteça

Expresso

Ancelotti tem 57 anos e treina o Bayern de Munique, depois de ter orientado o Real Madrid

CHRISTOF STACHE/GETTY

Partilhar

Há treinadores e treinadores e Carlo Ancelotti não é um daqueles que finge que não se preocupa com o adversário. É que o italiano esteve no Real Madrid em 2013/14 e em 2014/15 e sabe bem quão perigosa é a tripla "BBC".

E é por isso que, questionado sobre a titularidade dos atacantes merengues quarta-feira, na Allianz Arena (19h45, RTP1), Ancelotti respondeu assim: "Não quero que joguem. Quero ver Ronaldo no banco, Benzema na bancada e Bale em casa a ver o jogo pela televisão".

Questionado sobre a vitória sobre 4-0 que conseguiu sobre os alemães, quando era treinador dos espanhóis, Ancelotti não quis comparar as equipas. Mas... "Se quero dormir bem esta noite tenho de pensar que o Real de agora é muito pior do que aquele dos 4-0 em 2014", gracejou.

"Vi muitos jogos do Real e conheço muito bem a 'BBC'. As críticas? Parece-me que o Real vai à frente na Liga espanhola e está a fazer as coisas bem, com e sem 'BBC'. Ter Bale, Benzema e Cristiano é uma sorte e não um problema e creio que Zidane pensa o mesmo", disse.

"Tenho muito carinho por Zidane e fico muito contente por ver que as coisas lhe correm bem. Foi um excelente adjunto [no Real Madrid], ajuda-te muito com a sua personalidade e com a relação que tem com os jogadores", acrescentou.

Ancelotti também disse que o Real de Zizou não está assim tão diferente do Real anterior. "A ideia é a mesma: ter o controlo do jogo e utilizar toda a qualidade que têm os jogadores. Não mudou muito. Podem criar-nos problemas em qualquer momento", disse, rejeitando encarar o jogo como uma espécie de vingança, já que saiu de Madrid antes de acabar o contrato.

"A única vontade que tenho é que a minha equipa jogue bem e ganhe. Não tenho nenhuma vontade de vingança ou vendetta", garantiu.