Tribuna Expresso

Perfil

Liga dos Campeões

Tudo o que sempre quis saber sobre o Leipzig, a Juventus e o Manchester United e ninguém lhe disse. Até agora

Pedimos a Rui Malheiro que nos fizesse a análise, tintim por tintim, aos adversários dos clubes portugueses nesta ronda da Liga dos Campeões. Os jogos são estes, e não são fáceis: Leipzig - FC Porto (terça-feira), Juventus - Sporting e Benfica - Manchester United (ambos na quarta-feira)

Rui Malheiro

José Mourinho, treinador do Manchester United

Foto Carl Recine/Reuters

Partilhar

Ora então, está na hora daquela hora em que toca aquela música que antecede um jogo da Liga dos Campeões. O leitor sabe qual é, não é preciso dizer muito mais, mas é imprescindível que leia o que se segue para realmente ficar a conhecer os adversários de FC Porto, Sporting e Benfica. O texto é do analista e comentador Rui Malheiro.


Leipzig

Equipa-tipo (1x4x2x3x1): Gulácsi – Klostermann, Orban, Upamecano, Halstenberg – Sabitzer, Kampl, Naby Keïta, Forsberg – Augustin, Werner.

Equipa-tipo (1x4x2x3x1): Gulácsi – Klostermann, Orban, Upamecano, Halstenberg – Sabitzer, Kampl, Naby Keïta, Forsberg – Augustin, Werner.

Gulácsi. Internacional húngaro. 27 anos. 12 golos sofridos e 2 balizas-virgens em 10 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Salzburgo, em julho de 2015, por 3 milhões de euros. Muito concentrado, evidencia um boa colocação, elasticidade e reflexos muito interessantes. Contudo, é mais competente a fazer face a remates a curta distância do que a média-longa. Agressivo e impetuoso na resolução de situações de um contra um ante os adversários, revela um bom tempo de reação, e firmeza a reduzir o ângulo e a suster o tempo de queda. Apesar de ser muito alto, denota inconstância nas saídas a cruzamentos, um dos seus pontos mais débeis. Assume alguns riscos na construção curta, convidativa a ações de pressão, mas possui um pontapé forte que lhe garante aberturas longas muito incisivas para as costas da defesa rival.

Klostermann. Internacional olímpico e sub-21 alemão. 21 anos. 1 golo em 9 jogos oficiais em 2017/18, depois de ter estado praticamente toda a temporada anterior afastado da competição em virtude de uma rotura dos ligamentos cruzados. Contratado ao Bochum, em agosto de 2014, por 1 milhão de euros. A sua utilização está em dúvida, devido a um traumatismo na coxa, o que o obrigou a ficar de fora dos convocados na deslocação ao terreno do Borussia Dortmund, onde foi substituído pelo brasileiro Bernardo, lateral-esquerdo de origem. Forte e muito disponível fisicamente, o que lhe permite fazer o vaivém defesa-ataque-defesa, é incisivo a atacar a profundidade, tirando partido da sua velocidade e agressividade em ações de desmarcação e de condução. Contudo, falta-lhe alguma criatividade no drible, ainda que a sua potência lhe permita criar desequilíbrios no um contra um, e pode melhorar a tomada de decisão e definição nos cruzamentos e no passe. Do ponto de vista defensivo, revela-se mais forte na antecipação do que no desarme, mostrando-se impositivo nos duelos aéreos, o que lhe garante uma boa cobertura do espaço interior. No entanto, deve melhorar a sua perceção posicional do jogo em momento defensivo.

Orban. Internacional sub-21 alemão de origem húngara. 24 anos. 1 golo em 9 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Kaiserslautern, em julho de 2015, por 2 milhões de euros. Capitão e líder do setor defensivo, perdeu a titularidade após a derrota na deslocação ao terreno do Besiktas (0-2), mas o rendimento inconstante do jovem Konaté (titular diante do Colónia) e do adaptado Ilsanker (expulso na deslocação a Dortmund, depois de ter cometido um erro grave que esteve na origem do primeiro golo do adversário) devem voltar a conferir-lhe a titularidade na receção aos dragões. Forte e muito disponível fisicamente, sobressai por ser agressivo e impositivo nos duelos, o que o leva a recorrer a algumas intervenções faltosas para travar os adversários. No entanto, sabe tirar partido dos seus ótimos argumentos no jogo aéreo – também em momento ofensivo, a dar sequência a lances de bola parada laterais –, no desarme e na antecipação. Sente algumas dificuldades quando as suas costas estão expostas em situações de um contra um ante adversários rápidos e potentes, o que procura compensar com o seu sentido posicional e sentido prático no corte. Capaz de assumir as saídas em construção para ataque, sente-se mais confortável no passe curto em segurança, mas busca algumas aberturas longas em direção ao ataque: corredor central ou corredores laterais.

Upamecano. Internacional sub-19 francês. 18 anos. 10 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Salzburgo, em janeiro de 2017, por 10 milhões de euros. Grande promessa do futebol europeu. Defesa-central destro, habitualmente utilizado pelo centro-esquerda, é um verdadeiro portento físico, já que concilia força, resistência e disponibilidade física com velocidade e aceleração nas deslocações, o que o torna contundente nos duelos, ainda que recorra, em algumas situações, a intervenções faltosas para travar os adversários. Impositivo pelo ar, sagaz na antecipação e forte no desarme, falta-lhe, contudo, aumentar os índices de concentração, de forma a não cometer alguns erros primários por excesso de impetuosidade ou a não respeitar a definição da última linha, e ganhar uma maior perceção posicional e tática do jogo, já que perde posição com alguma facilidade e busca excessivamente referências individuais. Potente em condução, assume alguns riscos ao buscar a criação de desequilíbrios em zonas mais recuadas, mostrando também facilidade na construção, alternando passes curtos em segurança com aberturas longas em direção à referência ofensiva.

Halstenberg. Alemão. Não é internacional. 26 anos. 2 assistências em 10 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao St. Pauli, em agosto de 2015, por 3,5 milhões de euros. Lateral-esquerdo muito competente no capítulo defensivo, revela segurança na defesa do espaço exterior, ao tirar partido da sua agressividade, robustez física e velocidade para se impor no um contra um, além de revelar atributos na antecipação e no desarme sob o solo ou no espaço aéreo. Deve, no entanto, melhorar a forma como se opõe a cruzamentos. No espaço interior, sente-se confortável, já que é impositivo nos duelos aéreos, muito concentrado e perspicaz na leitura do jogo. Muito disponível, veloz e resistente, faz com grande facilidade o vaivém defesa-ataque-defesa, revelando grande argúcia a projetar-se ofensivamente a partir de ações de condução – consegue criar desequilíbrios no um contra um – e de desmarcação, atacando com ferocidade a profundidade. Apresenta atributos muito razoáveis nos cruzamentos e no passe, que poderá aprimorar. O seu forte jogo aéreo garante-lhe a presença na área adversária para dar sequência a lances de bola parada laterais.

Kampl. Internacional esloveno nascido na Alemanha. 27 anos. 1 assistência em 7 jogos oficiais pelo Leipzig em 2017/18. Contratado ao Bayer Leverkusen, a 31 de agosto de 2017, por 20 milhões de euros. Extremamente versátil, Kampl cresceu como flanqueador, atuando, preferencialmente, no corredor direito, mas mostra-se cada vez mais talhado para atuar no espaço interior, até pela capacidade para realizar impressionantes cavalgadas pelo corredor central, a fazer rememorar Schweinsteiger, outro médio-ala de origem que se transformou num dos melhores médios-centro do futebol mundial. Com uma agressividade e disponibilidade física tremendas, é um todo-campista móvel, dinâmico, veloz, acelerador, ágil e driblador, astuto a assumir ações de condução, sagaz a desmarcar-se e desequilibrador no um para um, mas também extremamente agressivo e pressionante, o que lhe permite efetuar inúmeras recuperações através de ações de antecipação e de desarme. Sagaz nos passes de rutura e nos cruzamentos, o que lhe garante a realização de várias assistências para finalização a partir de lances de bola corrida e parada, possui um remate forte de pé direito que utiliza, diversas vezes, em finalizações de fora da área.

Naby Keïta. Internacional pela Guiné-Conacri. 22 anos. 2 golos e 1 assistência em 7 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Salzburgo, em julho de 2016, por 29 milhões de euros. Será jogador do Liverpool, em 2018/19, numa transferência avaliada em 70 milhões de euros. Médio-centro completíssimo, ainda não atingiu este exercício o nível patenteado em 2016/17. Muito disponível do ponto de vista físico, revela-se extremamente agressivo e pressionante, assumindo um papel nuclear como recuperador através de ações de desarme e de antecipação, ainda que deva moderar a tendência para recorrer a intervenções faltosas, por excesso de ímpeto no tempo de entrada aos lances, no um contra um ante oponentes. Muito evoluído no capítulo técnico, nomeadamente na receção e no controlo orientado, sente-se extremamente confortável a construir a diferentes distâncias, alternando progressões mais apoiadas com dilacerantes aberturas de rutura para as costas da defesa rival, patenteando uma ótima leitura do jogo e perceção das desmarcações dos colegas de equipa. Também capaz de assumir ações de condução, sabe temporizar e gerir os ritmos, mas também é acutilante na produção de desequilíbrios no um contra um através do drible, adindo velocidade, agilidade, mobilidade e poder de aceleração, o que leva os adversários a recorrerem a intervenções faltosas para o travar. Astuto a surgir em zonas de finalização, até porque é sagaz a desmarcar-se, revela grande facilidade no remate com o pé direito de dentro ou de fora da área, mas o esquerdo está longe de ser cego.

Sabitzer. Internacional austríaco. 23 anos. 3 golos e 3 assistências em 10 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Rapid Viena, em julho de 2014, por 2 milhões de euros, esteve emprestado, em 2014/15, ao Salzburgo, antes de rumar em definitivo ao Leipzig. Sub-capitão. Avançado de origem, talhado para atuar ao lado, numa estrutura em 1x4x4x2, de uma referência ofensiva mais fixa, foi transformado, com amplo sucesso, em médio-ala/extremo-direito. Arguto a protagonizar movimentos para o espaço interior, surge, com extrema sagacidade em zonas de criação e de finalização no corredor central, explorando a sua argúcia em ações de condução, até porque revela bons predicados técnicos e finura na temporização, com pungência na desmarcação a partir de ações sem bola, já que é muito incisivo a atacar os espaços vazios, tirando partido da sua velocidade e poder de aceleração na exploração de contra-ataques e ataques rápidos. Ardiloso nos passes de rutura quando invade o corredor central, ao demonstrar uma boa leitura das movimentações dos seus colegas de equipa, e com atributos muito razoáveis nos cruzamentos, surge, com grande sagacidade, em zonas de finalização, onde tira partido do seu bom remate com o pé direito – dentro ou fora da área – e dos seus ótimos atributos no jogo aéreo em ações de antecipação ao segundo poste. Além disso, trata-se de um jogador com elevado sentido coletivo, que não se nega a trabalho defensivo, mostrando uma grande disponibilidade física, agressividade e capacidade de pressão.

Forsberg. Internacional sueco. 25 anos. 1 golo e 1 assistência em 8 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Malmö, em janeiro de 2015, por 3,7 milhões de euros. Poupado na deslocação a Dortmund, deverá regressar à titularidade diante do FC Porto. Médio-ala-esquerdo dinâmico, incisivo nas movimentações com e sem bola, e muito virtuoso do ponto de vista técnico, gosta de assumir ações de condução e de desequilíbrio, principalmente em direção ao corredor central, conjugando grande qualidade no drible com mobilidade, agilidade e poder de aceleração, o que lhe permite superar os adversários no um contra um e atacar com grande sagacidade as entrelinhas. Extremamente sagaz nos cruzamentos e nos passes de rutura, o que lhe garante a realização de inúmeras assistências para situações de finalização, surge com perspicácia em zonas de definição – dentro ou fora da área – onde tira partido do seu remate forte com o pé direito. É exímio na execução de lances de bola parada: diretos ou indiretos.

Augustin. Internacional sub-21 francês de origem haitiana. 20 anos. 3 golos e 2 assistências em 8 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Paris Saint-Germain, em julho de 2017, por 16 milhões de euros. Avançado móvel e potente, que não gosta de atuar fixo na área, busca, quase sempre, espaços exteriores para partir em direção à área, sobressaindo pela contundência que evidencia no ataque à profundidade, o que o torna num especialista na exploração de contra-ataques e ataques rápidos. Capaz de conjugar mobilidade, agilidade, agressividade, disponibilidade física e argúcia na desmarcação – ainda que caia, em algumas situações, em fora-de-jogo – com uma velocidade e um poder de aceleração tremendos que lhe garantem também a criação de desequilíbrios no um contra um, até porque possui atributos no drible, ainda que, em algumas situações, acabe por se exceder em iniciativas individuais que o levam a perder objetividade. Com argumentos interessantes no último passe, destaca-se, principalmente, pela enorme espontaneidade e potência que manifesta no remate com o pé direito de dentro ou de fora da área.

Werner. Internacional alemão – 6 golos em 8 internacionalizações – depois de um trajeto nas seleções inferiores iniciado nos sub-15: 39 golos em 53 internacionalizações ao serviço de todas as seleções germânicas. 24 anos. 6 golos e 1 assistência em 9 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Estugarda, em julho de 2016, por 10 milhões de euros. Superado um problema auditivo, que conduziu à sua substituição na deslocação ao terreno do Besiktas, deverá regressar à titularidade na receção ao FC Porto. Apontado como sucessor do predador Mario Gómez, também formado no Estugarda, Timo Werner é uma unidade móvel de ataque que se destaca pela acutilância com que ataca os espaços vazios e pela astúcia na desmarcação, muitas vezes no limite do fora-de-jogo, o que o torna impressionante na exploração de contra-ataques e de ataques rápidos, pois é um verdadeiro tanque de assalto à profundidade. Tremendamente acelerativo, ágil, móvel, agressivo e desequilibrador no um contra um, sobressai pela facilidade e contundência com que aparece em zonas de finalização, revelando um excelente poder de antecipação, oportunismo e uma espontaneidade tremenda na busca da baliza adversária – principalmente dentro da área, mas também de fora da área – com ambos os pés: o direito é o que melhor define. Um dos aspetos que deve melhorar é a forma como se conecta com os colegas de equipa, já que revela algumas limitações no capítulo do passe.

Alternativas. No setor defensivo, Klostermann, a recuperar de uma lesão, poderá ser rendido por Bernardo – lateral-esquerdo de origem – que foi titular em Dortmund. Ilsanker, médio-defensivo de origem também capaz de atuar a defesa-central, posição que ocupou na deslocação a Dortmund (Orban foi preterido), e Laimer, médio-centro austríaco, são outras opções para o lugar. Na zona central do meio-campo, Demme, habitual titular, é hipótese para o onze, mas dificilmente Hasenhütl abdicará dos nucleares Kampl ou Keïta. Contudo, poderá deslocar o guineense ou o esloveno para o papel de falso médio-ala-direito, adiantado Sabitzer para a frente do ataque, onde se espera o regresso de Werner, após um problema auditivo, à titularidade. À espreita de um lugar na frente do ataque estão Augustin, tremendo no ataque à profundidade, e Poulsen, um avançado dinamarquês – 3 golos e 4 assistências em 9 jogos oficiais em 2017/18 – com enorme sentido coletivo e disponibilidade física. O português Bruma, a atravessar um bom momento de forma, deverá perder a titularidade para Forsberg na ala esquerda, mas poderá ser muito útil como suplente utilizado.

Juventus

Equipa-tipo (1x4x2x3x1): Buffon – Lichtsteiner, Rugani, Chiellini, Alex Sandro – Pjanic, Matuidi – Cuadrado, Dybala, Mandzukic – Higuain.

Equipa-tipo (1x4x2x3x1): Buffon – Lichtsteiner, Rugani, Chiellini, Alex Sandro – Pjanic, Matuidi – Cuadrado, Dybala, Mandzukic – Higuain.

Buffon. Internacional italiano: 173 jogos pela Seleção A, o que o torna, a larga distância, no jogador mais internacional de sempre pelos Azzurri. 39 anos. 13 golos sofridos e 3 balizas-virgens em 9 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Parma, em julho de 2001, por 52,88 milhões de euros, o que o torna no guarda-redes mais caro da história do futebol mundial. Não está a realizar uma época tão superlativa como a anterior, a que não é alheia a reformulação no setor defensivo após a saída de Bonucci para o AC Milan. Soberbo sobre a linha de baliza na resolução de remates a diferentes distâncias, sempre com a preocupação de realizar defesas completas ou de projetar a bola para espaços que impeçam o adversário de atacar segundas bolas, a lenda continua a destacar-se pela excelsa colocação, enorme capacidade de liderança, grande concentração e por uma elasticidade e reflexos invulgares para um jogador prestes a completar 40 anos. Sagaz na resolução de situações de um contra um ante os adversários, pela impressionante argúcia com que reduz o ângulo e sustem o tempo da queda, assume poucos riscos nas saídas aéreas, apesar de mostrar conforto no controlo da pequena área. Importante no lançamento de ataques através de reposições longas com os pés, normalmente direcionadas a Mandzukic (ou Higuaín), e de lançamentos manuais, tirando partido da sua força de braços.

Lichtsteiner. Internacional suíço. 33 anos. 1 assistência em 8 jogos oficiais em 2017/18. Contratado à Lazio, em julho de 2011, por 9,93 milhões de euros. As lesões de De Sciglio e de Höwedes reabriram-lhe as portas da titularidade, depois de uma temporada na sombra de Daniel Alves, transferido, no último defeso, para o Paris Saint-Germain. É um jogador em quem Massimiliano Allegri não deposita total confiança, o que já o levou a recorrer às adaptações de Sturaro – que poderá surgir como titular ante do Sporting – e de Barzagli. Lateral-direito de elevada propensão ofensiva e grande disponibilidade física, é incisivo no ataque à profundidade, mostrando ótimos argumentos na desmarcação e atributos muito razoáveis na assunção de ações de condução, ainda que peque por previsibilidade no drible e alguma inconstância na definição de passes e cruzamentos, o que não o inibe de proporcionar assistências para situações de finalização. Muito agressivo e pressionante, ainda que tenda a recorrer, de forma excessiva, a intervenções faltosas para travar os adversários, sente dificuldades a defender o espaço interior ao revelar algum desconforto nos duelos aéreos e uma excessiva tendência por buscar referências individuais, o que conduz a arrastamentos.

Rugani. Internacional italiano. 23 anos. 5 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Empoli, em fevereiro de 2015, por 5 milhões de euros. Defesa-central destro, capaz de atuar pelo centro-direita ou pelo centro-esquerda, é apontado como o futuro líder da defesa da Juventus e da Seleção italiana. Deverá recuperar a titularidade ante o Sporting, depois de uma exibição muito negativa de Barzagli na receção à Lazio (1-2). Muito forte nos duelos aéreos e dotado de um ótimo sentido posicional, o que lhe permite compensar algumas lacunas a nível da velocidade de deslocação, mostra sagacidade na antecipação e no desarme mesmo não se tratando de um defesa que busque o contacto físico – apesar da morfologia robusta – para se impor nos duelos. Exibe atributos muito interessantes nas saídas para ataque, mostrando conforto no passe a diferentes distâncias.

Chiellini. Internacional italiano. 33 anos. 8 jogos oficiais em 2017/18. Contratado à Fiorentina, em julho de 2005, por 7,7 milhões de euros. Defesa-central canhoto, com enorme capacidade de liderança e extremamente forte do ponto de vista físico, revela-se fortíssimo no jogo aéreo, impositivo no desarme e sagaz na antecipação, adindo um ótimo sentido posicional que lhe permite cortar linhas de passe e esconder debilidades que começa a sentir na reação a acelerações quando as suas costas são exploradas. Extremamente confortável a assumir ações de condução e construção, mostra-se capaz de variar entre o passe curto-médio em segurança e o passe médio-longo em direção aos corredores laterais, como também de penetrar com bola no meio-campo adversário, criando alguns desequilíbrios no um contra um em progressão.

Alex Sandro. Internacional brasileiro. 26 anos. 1 golo e 2 assistências em 7 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao FC Porto, em agosto de 2015, por 26 milhões de euros. Lateral-esquerdo de características marcadamente ofensivas, revela-se extremamente incisivo a atacar a profundidade a partir de ações de condução e de desmarcação. Veloz, potente e acelerativo, cria desequilíbrios no um contra um através do drible, até porque é agressivo a partir para cima dos adversários, além de se revelar muito acutilante nos cruzamentos, proporcionando inúmeras assistências para situações de finalização, e no passe. A sua grande disponibilidade física permite-lhe realizar o vaivém defesa-ataque-defesa, sendo notória a sua evolução no capítulo defensivo desde a chegada ao futebol italiano, o que se faz sentir principalmente na acutilância evidenciada no desarme e na antecipação, mas também numa maior perceção do jogo no capítulo posicional. Perigoso a dar sequência aérea a lances de bola parada. Suplente não utilizado ante Atalanta (2-2) e Lazio (1-2), já que Allegri lançou Asamoah como titular a lateral-esquerdo, deverá regressar à titularidade na Liga dos Campeões.

Pjanic. Internacional bósnio. 27 anos. 1 golo e 6 assistências em 8 jogos oficiais em 2017/18. Contratado à Roma, em julho de 2016, por 32 milhões de euros. Uma lesão muscular, após o triunfo no dérbi ante o Torino, que marcou uma sequência de 6 triunfos consecutivos na Série A para a Juventus, afastou-o da equipa, mas deverá regressar na receção ao Sporting. Na sua ausência, o que atesta o seu papel absolutamente nuclear, a formação de Allegri empatou na deslocação ao Atalanta (2-2) e perdeu em casa diante da Lazio (1-2). Crucial, pela sua impressionante sagacidade tática e posicional, a equilibrar a equipa, até porque é extremamente perspicaz na antecipação e patenteia um elevado sentido coletivo, destaca-se, sobretudo, pela sua sublime visão de jogo e qualidade no passe a diferentes distâncias, mostrando uma grande sagacidade a alternar uma construção mais apoiada pelo espaço interior com aberturas médias-longas que garantem variações contundentes do centro de jogo e passes de rutura em direção a zonas de finalização. Muito evoluído no capítulo técnico, assume ações de condução e de desequilíbrio através do drible, além de se assumir como um tremendo executante de lances de bola parada: diretos – remate forte e colocado de pé direito – ou indiretos – ótimos argumentos nos cruzamentos e grande facilidade de perceção dos movimentos padrão dos seus colegas de equipa.

Matuidi. Internacional francês de origem angolana. 30 anos. 10 jogos oficiais pela Juventus em 2017/18. Contratado ao Paris Saint-Germain, em agosto de 2017, por 20 milhões de euros. Médio-centro com uma disponibilidade física tremenda, o que lhe permite ocupar inúmeros espaços (por norma, entre o corredor central e o esquerdo), o canhoto revela-se extremamente agressivo e pressionante, impondo-se com facilidade em ações de antecipação e de desarme, até porque é rápido a atacar a bola e muito reativo à perda. Capaz de queimar linhas em condução acelerada, é móvel, tremendamente dinâmico e protagoniza desmarcações contundentes, mas falta-lhe uma maior imprevisibilidade no drible. No entanto, apresenta atributos muito interessantes no passe curto e médio, como também possui um remate forte de pé esquerdo, ainda que lhe falte uma maior definição e enquadramento.

Cuadrado. Internacional colombiano. 29 anos. 1 golo e 3 assistências em 8 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Chelsea, em julho de 2017, por 20 milhões de euros, depois de ter atuado na formação de Turim, ao longo dos últimos dois exercícios, na condição de emprestado, o que obrigou a um investimento de 6,8 milhões de euros. Suplente não utilizado diante da Lazio (1-2), poderá regressar à titularidade na receção ao Sporting, aproveitando a inconsistência no capítulo exibicional do desequilibrador Douglas Costa, ainda a sentir dificuldades de adaptação a uma realidade competitiva diferente, e a menor experiência nesta dimensão competitiva de Bernardeschi, os dois principais concorrentes na luta pelo lugar de médio-ala-direito. Veloz, ágil e acelerativo, revela-se arguto e agressivo a criar desequilíbrios no um contra um através do drible, aproveitando o seu vasto leque de fintas, o que leva os adversários a recorrerem a intervenções faltosas para o travar, e a buscar cruzamentos em direção à área, mas também é incisivo a buscar diagonais para o espaço interior, a partir de ações com e sem bola, evidenciando sagacidade no passe de rutura – pode ser mais consistente na tomada de decisão – e no remate com o pé direito. A sua enorme disponibilidade física permite-lhe prestar apoios, em momento defensivo, ao lateral, ainda que acuse, algumas vezes, falhas de concentração.

Dybala. Internacional argentino. 23 anos. 12 golos em 11 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Palermo, em julho de 2015, por 40 milhões de euros. Enquanto na Argentina se debate, na antecâmara do Mundial’2018, a incompatibilidade para alinhar no mesmo onze que Messi, a jóia de Laguna Larga foi definida por Pavel Nedved, atual vice-presidente da Juventus, como o melhor jogador humano do futebol mundial. Figura maior do Calcio, Dybala é um segundo-avançado extremamente móvel, incisivo na busca das entrelinhas no corredor central e contundente no ataque à profundidade em ações com e sem bola. Contudo, está longe de limitar o seu espaço de ação às costas da referência ofensiva, já que se mostra capaz de baixar no terreno para assumir ações de condução e estabelecer conexões com fluência, ou de abrir sobre os corredores laterais em busca de desequilíbrios, assumindo o jogo mesmo nas fases mais delicadas. Distinto do ponto de vista técnico e com uma velocidade tremenda de execução e de raciocínio, o que lhe afiança a capacidade para definir com facilidade a um-dois toques, alia aceleração e agilidade a um impressionante poder de drible, o que lhe garante a criação de desequilíbrios no um contra um. Com ótimos argumentos nos cruzamentos – em bola corrida e em bola parada -, e nos passes de rutura, sobressai pela tremenda espontaneidade no remate de pé esquerdo e por um enorme sentido de baliza em definições de dentro ou de fora da área. Especialista na execução de lances de bola parada diretos e indiretos.

Mandzukic. Internacional croata. 31 anos. 3 golos e 2 assistências em 10 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Atlético Madrid, em julho de 2015, por 21 milhões de euros. Deslocado para o corredor esquerdo de forma a poder atuar em simultâneo com Higuaín, mas com uma sagacidade tremenda para se transformar em segundo avançado, é fortíssimo nos duelos aéreos, o que o torna na principal referência da equipa quando esta busca uma construção mais longa. Poderoso e extremamente disponível do ponto de vista físico, o que lhe garante a participação no processo defensivo, sem perder mobilidade, velocidade e qualidade técnica, o que lhe permite definir a um-dois toques, revela uma tremenda sagacidade a segurar a bola e a temporizar, como também a estabelecer conexões curtas, fomentando tabelas pela sua facilidade em jogar de costas para a baliza, ou a produzir desequilíbrios em espaços curtos através do drible. Extremamente arguto a desmarcar-se, destaca-se pela agressividade, poder de antecipação e oportunismo em zona de finalização, tratando-se de um especialista no ataque ao segundo poste. Define, preferencialmente, através do jogo aéreo ou de remates com o pé direito (o esquerdo está longe de ser cego).

Higuaín. Internacional argentino. 29 anos. 4 golos e 2 assistências em 11 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Nápoles, em julho de 2016, por 90 milhões de euros. Está a realizar um início de época aquém das expectativas, como atesta o inabitual parco registo goleador, o que tem motivado críticas por parte dos adeptos e de alguma imprensa. Contudo, o avançado argentino é um exímio finalizador que define e enquadra com uma espantosa facilidade com os dois pés, mesmo sendo o direito o seu preferencial, revelando-se extremamente oportuno, sagaz a desmarcar-se, e antecipativo e agressivo em zona de finalização. Além disso, revela um enorme sentido coletivo, oferecendo apoios frontais, de forma a fomentar conexões, ou baixando para estabelecer um jogo combinativo, muitas vezes direcionado aos corredores laterais. Evoluído do ponto de vista técnico, nomeadamente no capítulo da receção e do controlo orientado, é capaz de criar desequilíbrios no um contra um através do drible.

Alternativas. Depois de ter defrontado a Lazio (1-2) com uma organização estrutural em 1x4x3x3, Massimiliano Allegri deverá recuperar o habitual 1x4x2x3x1 na receção ao Sporting. A má exibição do defesa-central Barzagli, que acusou muitas dificuldades no controlo da profundidade e a fazer face a situações de um contra um ante Immobile, deverá custar-lhe a titularidade ante os leões, surgindo Rugani, com o marroquino Benatia como alternativa, como principal candidato a fazer dupla com o intocável Chiellini. Na lateral-direita, é notória a pouca confiança do treinador no suíço Lichtsteiner, mas as lesões do alemão Höwedes e de De Sciglio deixam-no sem alternativas. Contudo, não deve ser excluída a hipótese do médio-centro Sturaro, jogador versátil, agressivo e de grande disponibilidade física, ser adaptado ao lugar. Na zona central do meio-campo, o regresso do ansiado Pjanic deverá conduzir à saída do onze de Khedira – ainda a recuperar a melhor forma – e de Bentancur, jovem internacional uruguaio sagaz na assunção de ações de condução e de construção. A outra dúvida prende-se com a aposta para médio-ala-direito: Cuadrado, suplente não utilizado diante da Lazio, deverá regressar à titularidade, mas o virtuoso canhoto Douglas Costa, tremendo na assunção de ações de condução e de desequilíbrio, mas ainda a adaptar-se a uma nova realidade competitiva, e o agitador Bernardeschi, criativo e desequilibrador contratado no último defeso à Fiorentina, são também possíveis opções para Allegri.


Manchester United

Equipa-tipo (1x4x2x3x1): De Gea – Valencia, Smalling, Phil Jones, Blind – Herrera, Matic – Mata, Mkhitaryan, Rashford – Lukaku.

Equipa-tipo (1x4x2x3x1): De Gea – Valencia, Smalling, Phil Jones, Blind – Herrera, Matic – Mata, Mkhitaryan, Rashford – Lukaku.

De Gea. Internacional espanhol. 26 anos. 5 golos sofridos e 8 balizas-virgens em 11 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Atlético Madrid, em julho de 2011, por 25 milhões de euros. Soberbo na resolução de remates a diferentes distâncias, sabe tirar partido de excelentes reflexos, de agilidade, elasticidade e flexibilidade superlativas, e de grande qualidade no posicionamento e no controlo espacial da baliza. Muito concentrado, exibe sempre uma grande preocupação em realizar defesas completas – ótima técnica de bloqueio da bola – ou de projetar a bola para espaços que impeçam o adversário de atacar segundas bolas. Muito consistente na resolução de situações de um contra um ante adversários, ao evidenciar um excelente tempo de reação e grande sagacidade a reduzir o ângulo e a suster o tempo da queda, revela também inteligência a controlar a profundidade, mostrando atenção e argúcia na leitura de jogo. É menos consistente nas saídas a cruzamentos, principalmente quando são direcionados para fora da pequena área, alternando intervenções a soco com a permanência entre postes, e nem sempre revela eficácia no passe quando busca uma construção mais longa.

Valencia. Internacional equatoriano. 32 anos. 1 golo em 9 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Wigan, em julho de 2009, por 18,9 milhões de euros. Médio-ala-direito convertido com amplo sucesso em lateral-direito, sobressai pela velocidade, aceleração, força e disponibilidade físicas tremendas. Pungente no ataque à profundidade, revela grande sagacidade a assumir ações de condução, mostrando agressividade a partir para cima dos adversários e capacidade para criar desequilíbrios através do drible, ou em desmarcação, atacando com contundência os espaços vazios. Dotado de atributos muito razoáveis nos cruzamentos, no passe e no remate com o pé direito, falta-lhe, em alguns momentos, maior serenidade na tomada de decisão e na definição. Cada vez mais impositivo no capítulo defensivo, fruto de um maior conhecimento tático-posicional do jogo, é incisivo no desarme, apesar de alguma tendência para recorrer a entradas mais duras, e vem demonstrando cada vez mais acerto quando é necessário fechar o espaço interior, aspeto em que demonstrava bastantes dificuldades.

Smalling. Internacional inglês. 27 anos. 7 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Fulham, em julho de 2010, por 8 milhões de euros. Defesa-central destro, revela-se extremamente poderoso, resistente e disponível fisicamente, o que lhe permite impor-se com contundência nos duelos. Impositivo no jogo aéreo, principalmente em momento defensivo, é rápido e agressivo a atacar a bola, realizando inúmeros cortes providenciais, fruto de um bom sentido posicional, além de ações de antecipação e de desarme. Assume poucos riscos nas saídas em construção ou condução, optando, diversas vezes, pela solução mais segura de forma a não correr riscos.

Phil Jones. Internacional inglês. 25 anos. 8 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Blackburn Rovers, em julho de 2011, por 19,3 milhões de euros. Ainda não foi utilizado na Liga dos Campeões’2017/18, daí que possa vir a ser substituído, de forma a gerir a sua condição física, pelo sueco Lindelöf na deslocação à Luz, já que o internacional costa-marfinense Bailly, o seu habitual parceiro no centro da defesa, recupera de uma lesão contraída ao serviço da sua Seleção e a sua utilização está em dúvida. Defesa-central destro, que também já desempenhou funções de lateral-direito e de médio-defensivo, costuma atuar pelo centro-esquerda. Muito disponível, resistente e forte fisicamente, é tremendamente impositivo nos duelos pelo ar – muito forte no jogo aéreo – e sob o solo, tirando partido de uma agressividade esdrúxula, que, em algumas situações, o leva a recorrer a intervenções faltosas para travar os adversários, fruto da sua propensão para buscar o contacto físico para se impor, mas também é muito sagaz no capítulo posicional, o que lhe garante o corte de inúmeras linhas de passe. Capaz de assumir ações de condução e de desmarcação, ao conseguir aliar velocidade com força física, o que o torna bastante potente, assume cada vez menos riscos, mostrando uma cada vez maior maturidade. Sobressai também pelos bons argumentos na construção a diferentes distâncias, ainda que tenda a privilegiar os passes em segurança.

Blind. Internacional holandês. 27 anos. 2 assistências em 7 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Ajax, em setembro de 2014, por 17,5 milhões de euros. Tem sido o lateral-esquerdo nos jogos da Liga dos Campeões, mas conta com a concorrência de Darmian e do multifunções Ashley Young na posição, não se prevendo que Luke Shaw, recuperado de um longo calvário de lesões, seja opção principal para um jogo desta dimensão. Muito versátil, o canhoto, filho do antigo internacional holandês Danny Blind, pode atuar como lateral-esquerdo, defesa-central ou médio-defensivo. Competente na antecipação e no desarme, nem sempre revela sagacidade na interpretação defensiva do jogo, o que lhe tem custado algumas desconcentrações e erros que o impediram de se assumir como titular indiscutível. Muito disponível do ponto de vista físico, o que lhe permite fazer todo o corredor, exibe sagacidade na condução de ações ofensivas e a protagonizar ações de desmarcação, acrescentando bons argumentos no passe e nos cruzamentos. Podia, ainda assim, revelar-se mais dinâmico e agressivo, mas o seu registo é pausado.

Herrera. Internacional espanhol. 28 anos. 9 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Athletic, em julho de 2014, por 36 milhões de euros. As lesões de Pogba e Fellaini, opções principais de Mourinho para a posição, assim como a do eventual relevo Carrick, garantem-lhe a continuidade como titular na dupla de médios de contenção ao lado de Matic. Médio-centro de elevada qualidade, está cada vez mais arguto no capítulo defensivo, como atesta a forma agressiva e pressionante como aborda os lances e reage à perda da bola, o que lhe garante a realização de recuperações através de ações de antecipação – bom sentido posicional e leitura de jogo – e de desarme. Apesar de muito disponível do ponto de vista físico, sente algumas dificuldades para se impor quando os adversários fazem entrar o jogo numa dimensão de maior contacto corpo a corpo, onde não se sente tão confortável. Móvel e ágil, exibe perspicácia a assumir ações de condução e de desequilíbrio, além de gostar de assumir o jogo, mostrando critério na construção a diferentes distâncias: privilegia o passe curto, mas sabe realizar passes médios-longos no espaço e em direção aos corredores laterais. O facto de jogar um pouco mais recuado fez com que perdesse algum engodo pela busca da baliza adversária através de remates com o pé direito.

Matic. Internacional sérvio. 29 anos. 2 assistências em 11 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Chelsea, em julho de 2017, por 44,7 milhões de euros. Regressa à Luz, depois de ter representado o Benfica, com amplo sucesso, entre julho de 2011 e janeiro de 2014. Médio-centro canhoto completíssimo, alia robustez, resistência e disponibilidade física superlativas a velocidade de execução e de raciocínio. Dotado de um ótimo sentido posicional, o que lhe garante a realização de coberturas e o corte de inúmeras linhas de passe, mostra-se também incisivo e agressivo na assunção de ações de pressão, efetuando inúmeras recuperações através do desarme e da antecipação. Com a bola nos pés, assume o jogo e nunca se esconde, patenteando uma enorme qualidade na tomada de decisão. Capaz de gerir os tempos da forma que mais interessa à equipa, evidencia excelentes argumentos na visão de jogo e na construção a diferentes distâncias, tanto em busca de um jogo mais interior como na busca do jogo exterior, e sabe progredir com a bola em condução, criando desequilíbrios no um contra um em espaços curtos e queimando linhas. Possui um disparo violento de pé esquerdo, que utiliza preferencialmente de fora da área, como também dotes no jogo aéreo, dando sequência a lances de bola parada laterais.

Mata. Internacional espanhol. 29 anos. 1 golo em 9 jogos oficiais em 2017/18. Contratado ao Chelsea, em janeiro de 2014, por 44,73 milhões de euros. Deverá regressar à titularidade na deslocação à Luz. Preterido na deslocação a Liverpool, pode ser utilizado como médio-ala-direito, normalmente em busca de diagonais dilacerantes para o espaço interior, ou como médio-ofensivo, caso José Mourinho opte por dar descanso a Mkhitaryan. Criativo muito virtuoso tecnicamente e com um ótimo drible curto, o que lhe permite criar desequilíbrios no um contra um até porque se trata de um jogador ágil e acelerativo, aporta grande qualidade na condução, na leitura de jogo e nos passes de rutura, o que lhe permite proporcionar várias assistências para situações de finalização. Exímio na execução de lances de bola parada – diretos e indiretos (cruzamentos teleguiados) –, até porque possui um remate colocado com o pé esquerdo, falta ao seu jogar um pouco mais de consistência e um maior sacrífico em prol do coletivo, nomeadamente em momento defensivo.

Mkhitaryan. Internacional arménio. 28 anos. 2 golos e 6 assistências em 11 jogos oficiais em 2017/18. Contrado ao Borussia Dortmund, em julho de 2016, por 42 milhões de euros. Médio-ofensivo versátil, facilmente metamorfoseado em segundo-avançado, mas também capaz de atuar a partir dos corredores laterais (preferencialmente o direito), alia velocidade, agilidade, mobilidade e aceleração a grande criatividade, qualidade técnica – ótima receção e controlo orientado – e virtuosismo no drible, o que o torna contundente na assunção de ações de condução e de desequilíbrio a toda a largura do terreno. Crucial a fomentar um futebol combinativo e a proporcionar assistências para situações de finalizações, já que se revela extremamente incisivo nos cruzamentos – em bola corrida e em bola parada – e nos passes de rutura, evidencia bons predicados como finalizador com os dois pés – o direito é o preferencial – em definições de dentro ou de fora da área, até porque surge com grande argúcia em zonas de finalização.

Rashford. Internacional inglês. 19 anos. 5 golos e 4 assistências em 12 jogos oficiais em 2017/18. Formado nas escolas do Manchester United, que o descobriu, aos 7 anos, no Fletcher Moss Rangers. Unidade móvel de ataque, capaz de atuar a partir dos corredores laterais ou como (falsa) referência ofensiva, destaca-se por ser um jogador tremendamente veloz e acelerativo, que exibe uma agressividade superlativa a partir para cima dos adversários e a criar desequilíbrios no um contra um até pela forma como conduz a bola de forma acelerada. Apesar de poder melhorar os seus argumentos na tomada de decisão e na definição dos lances, principalmente no capítulo do passe e dos cruzamentos, algo em que tem vindo a melhorar consideravelmente como atesta o cada vez maior número de assistências para situações de finalização, exibe grande capacidade e potência no remate com o pé direito, tanto de dentro como fora da área, já que revela um grande sentido de baliza e espontaneidade no remate, além de sagacidade na desmarcação e agressividade na busca da baliza rival.

Lukaku. Internacional belga de origem congolesa. 24 anos. 11 golos e 1 assistência em 11 jogos oficiais em 2017/18. Contrado ao Everton, em julho de 2017, por 84,7 milhões de euros. Tem sido uma das grandes figuras do arranque de temporada do Manchester United. É uma referência ofensiva tremendamente contundente nos duelos aéreos e no ataque à profundidade, mas também com inteligência para temporizar, protegendo a bola com o corpo, quando sente que necessita de apoios para chegar com mais pungência a zonas de finalização, e estabelecendo conexões curtas, até pela facilidade que exibe em jogar de costas para a baliza. Alia força, agressividade e velocidade, o que o torna bastante potente em ações com e sem bola, a qualidade no drible, não se inibindo de buscar desequilíbrios no um contra um, e um impressionante poder de finalização – conjuga potência, definição e enquadramento – com ambos os pés ou através do jogo aéreo, tirando partido do seu oportunismo, perspicácia na desmarcação e incisividade no ataque à bola.

Alternativas. Apesar do recurso ao 1x3x4x1x2 na deslocação vitoriosa a Moscovo (4-1 ao CSKA), José Mourinho deverá manter-se fiel à organização estrutural em 1x4x2x3x1 na deslocação à Luz, onde se afigura como provável que promova algumas alterações no onze inicial em relação à partida com o Liverpool, promovendo rotação de algumas unidades. Uma das principais dúvidas prende-se com a dupla de centrais: com Bailly em dúvida devido a lesão, Mourinho poderá poupar Phil Jones, que ainda não atuou na Liga dos Campeões, e apostar numa dupla formada por Smalling e por Lindelöf, permitindo o regresso do sueco à Luz como titular. Na lateral-esquerda, onde a rotação tem sido profunda, a escolha mais natural será a do holandês Blind, titular nos triunfos diante de Basileia (3-0) e CSKA Moscovo (4-1). Contudo, o italiano Darmian, titular ante o Liverpool, e o versátil Ashley Young também podem ser opção para o lugar, já que se afigura como pouco provável a titularidade de Luke Shaw, após três épocas de um quase jejum competitivo, num jogo com estas características. Com Pogba, Fellaini e Carrick lesionados, Mourinho será obrigado a manter Herrera e Matic como dupla de médios de contenção, o mesmo se passando com Lukaku que deverá permanecer como referência ofensiva, papel em que tem sido absolutamente determinante. No tridente de apoio ao avançado as dúvidas são maiores: Mkhitaryan poderá descansar, o que levaria Mata a ocupar o posto mais central, abrindo um dos corredores laterais para Lingard, que poderá oferecer mais garantias a fechar as subidas de Grimaldo, ou o desequilibrador Martial, que poderá surgir como alternativa a Rashford, suplente utilizado ante o Liverpool, depois de ter chegado com problemas físicos da Seleção inglesa.