Tribuna Expresso

Perfil

Liga Europa

Entre a Europa e Arouca ainda há 22 títulos de distância

O Olympiacos foi a Arouca vencer por 1-0, na 1ª mão do play-off de qualificação da Liga Europa, já com Paulo Bento no banco - e Cambiasso no campo

Mariana Cabral

OCTAVIO PASSOS/ Lusa

Partilhar

Na época passada, a meio do campeonato de sonho do Arouca, logo depois de uma vitória no Dragão, Lito Vidigal aproveitou para fazer um pedido para a região: uma via rápida. É que Arouca ainda é demasiado inacessível para quem quer lá ir - a partir do Porto, por exemplo, são 60 km que demoram uma hora a percorrer, na melhor das hipóteses.

É duro para quem quer lá ir? É. Mas também é duro para quem quer sair de lá - e juntar-se aos grandes europeus. Na antevisão do jogo, Lito Vidigal mostrou a ambição de querer fazer "algo muito grande", mas do outro lado também havia um grande.

É que o Olympiacos pode não ter a qualidade de outros anos - foi estranhamente eliminado do play-off da Liga dos Campeões pelos israelitas do Hapoel Be’er Sheva -, mas ainda impõe respeito a quem o encontra pelo caminho, quanto mais não seja pelo homem que iniciou a jogada que levou ao único golo do jogo.

OCTAVIO PASSOS/ Lusa

Esta noite, no Municipal de Arouca, os 1950 adeptos presentes puderam ver Esteban Cambiasso, internacional argentino que tem 22 títulos no currículo, incluindo uma Liga dos Campeões conquistada com José Mourinho, no Inter de Milão, em 2009/10. O homem é um dos históricos do futebol atual e, apesar dos seus 36 anos, ainda faz pelos gregos aquilo que muitos não fazem sequer aos 20: impõe-se no meio-campo a defender e faz aberturas perfeitas a atacar, como aquela aos 27 minutos que foi para Pardo, no corredor direito, e ajudou o ex-jogador do Sporting de Braga a oferecer o golo a Sebá, ex-jogador do Estoril Praia que deixou para trás Anderson Luís na área.

No primeiro jogo de Paulo Bento enquanto treinador do Olympiacos, os gregos foram quase sempre superiores ao Arouca, muito por culpa do (rápido e possante) trio atacante Pardo, Ideye e Sebá, constantemente apoiado pelo 'dez' Dominguez, especialmente na 1ª parte.

OCTAVIO PASSOS/ Lusa

Na 2ª parte, a equipa de Lito reagiu e esteve algumas vezes perto do golo - Walter González imitou Messi e só não marcou porque o guarda-redes Kapino não deixou; defesa que foi repetida mais tarde quando Nuno Valente ia marcando de livre direto - mas também podia ter sofrido o segundo quando Cambiasso irrompeu pela área sozinho e rematou ao lado.

É certo que a vida dos arouquenses fica agora muito complicada para a 2ª mão, em Atenas, mas a equipa de Lito Vidigal rubricou uma exibição respeitável para quem não está habituado a estar na Europa. E nem sequer tem via rápida.