Tribuna Expresso

Perfil

Mercado

O Milan tem milhões, mas não os suficientes para comprar Renato Sanches? Mais ou menos

Renato Sanches é bom. O problema é que o Milan não está convencido que o português, que mal jogou na época passada, seja tão bom - para valer mais de 40 milhões de euros

Expresso

Renato Sanches não teve uma época feliz no Bayern de Munique

Foto Michael Dalder/Reuters

Partilhar

Segundo o presidente-executivo do AC Milan, o clube italiano não tem dinheiro (suficiente) para contratar Renato Sanches e a possibilidade de compra do jogador já está afastada. Estratégia negocial ou verdade? Ao certo, não se sabe.

O que parece ser a realidade: o Milan não está disposto a pagar o que o Bayern Munique pede. Para os italianos, os alemães exigem demasiado - mais de 40 milhões de euros -por um jogador que mal jogou na época passada.

“Nesta altura não decorrerem quaisquer negociações. O nosso relacionamento com o [Karl-Heinz] Rummenigge [presidente-executivo do Bayern Munique] é muito bom. Discutimos a situação um par de vezes, mas eles mantêm o futebolista num patamar de valorização que o Milan não está preparado para satisfazer”, disse Marco Fassone, presidente-executivo do AC Milan, em declarações à “Sky Italia” na quarta-feira.

Porém, ainda ontem, o jornal francês “'L'Équipe” deu conta de um acordo para a transferência do futebolista por 40 milhões de euros. Renato Sanches romaria para Itália, a princípio, a título de empréstimo.

Também esta semana, o jogador português assumiu publicamente a vontade de sair do Bayern para ter a oportunidade de “jogar mais”. Mas parece que os astros não estão a seu favor.

É preciso lembrar: “Se um clube está interessado em garantir o empréstimo de um jogador do Bayern Munique tem de perceber que isso tem efeitos financeiros significativos e fiquei com a impressão que o Milan não está preparado para satisfazer as nossas exigências. Não se trata apenas de um empréstimo. Não me parecia mal se pagassem 48 milhões por ele…”, disse Rummenigge, presidente-executivo do Milan, à chegada a Xangai na semana passada.