Tribuna Expresso

Perfil

Mercado

Quando William já pensava que estava “out” do Sporting, foi “pulled back in”

O West Ham bem quer William Carvalho, mas o Sporting não está disposto a ficar a perder. Bruno de Carvalho começou por pedir €30 milhões pelo médio, mas depois pensou melhor e começou a exigir mais: mais milhões e mais condições. E a paciência do clube britânico está prestes a esgotar-se

Fábio Monteiro

JOSE COELHO/LUSA

Partilhar

“Just when I thought I was out they pull me back in”, diz Al Pacino no filme “O Padrinho 3”.

Ou, por outras palavras: sair do Sporting pode ser mais complicado do que parece. Que o diga William Carvalho, que há semanas é dado como certo no West Ham. Que fale da sua experiência João Mário, cuja ida para o Inter de Milão teve de ser forçada. Que nos lembremos de Carrillo, que foi obrigado a marcar passo por uma época no Sporting, para conseguir mudar de clube. E até do capitão Adrien, que chegou a admitir que queria ir para o Leicester... mas acabou por ficar em Alvalade.

Bruno de Carvalho: o negociador implacável

William Carvalho já era valioso antes de fazer parte da seleção que ganhou o Euro-2016. Mas mantê-lo em Alvalade depois disso tornou-se uma tarefa hercúlea. Em esforço, não cedendo à tentação de ‘milhões rápidos’, e com promessas de futuros títulos, Bruno de Carvalho conseguiu manter o médio no clube.

Se William já queria sair no final da época passada, ficou só com mais motivos para isso, quando a equipa liderada por Jorge Jesus ficou muito aquém do esperado em 2016/17 e longe dos triunfos prometidos. Durante o último ano, o médio, que faz parelha com Adrien Silva, esteve sempre debaixo de olho de vários clubes - o que não é bem novidade: a notícia é que o valor pedido pelo jogador esteve sempre a aumentar.

Desde 2013, quando regressou ao Sporting, clube onde se formou, William Carvalho afirmou-se como um dos titulares indiscutíveis do plantel. Leonardo Jardim, na época 2013/2014, deu-lhe a oportunidade de mostrar os seus dotes e ele não desperdiçou. Passados quatro anos, William mostrou trabalho tanto ao serviço de Marco Silva como de Jorge Jesus. Não é de estranhar que tenham surgido sempre muitos interessados: Juventus, Everton, Leicester... O Euro-2016 foi, no fundo, um bónus de valorização.

Agora, o jogador parece finalmente estar de saída. Já há algumas semanas que o nome de William é dado como reforço do West Ham e as negociações entre os dois clubes estão a decorrer, confirmaram os mesmos. Previa-se um negócio fácil, tendo em conta a intenção do jogador de sair. Mas não é isso que está a acontecer.

O Sporting começou por pedir €30 milhões por William, valor que o clube britânico chegou a aceitar. O médio terá pensado que já estava de saída, quando o Sporting voltou a aumentar a fasquia e a puxá-lo para dentro do clube: e assim foram os milhões subindo dos 30 para os 32, dos 32 para os 38, chegando agora aos 45 milhões de euros (o valor da sua cláusula de rescisão), conta “O Jogo” esta quarta-feira.

William Carvalho foi formado no Sporting

William Carvalho foi formado no Sporting

Carlos Rodrigues/Getty

Sempre que o West Ham pensou ter chegado ao valor pedido pelos leões, Bruno de Carvalho aumentou-o. E este jogo do gato e do rato já começou a esgotar a paciência dos britânicos. Para o presidente do West Ham, William Carvalho tem valor, mas não deve ser comprado a todo o custo. Mais de €35 milhões, diz a imprensa inglesa, seria um exagero.

Irá o Sporting ceder? Se olharmos para o histórico de vendas do clube há pistas.

O clube onde é preciso fazer 'greve' para sair

Se a proposta do West Ham fosse irrecusável, William já estava vendido. Mas este não é o caso. Por outro lado, Bruno de Carvalho gosta de fazer todas as vendas render o máximo possível.

William Carvalho já não voou para Bucareste, para enfrentar o Steaua, no jogo decisivo do ‘play-off’ da Liga dos Campeões desta quarta-feira, nem jogou no último encontro dos leões para o campeonato com o Vitória de Guimarães.

De acordo com o relato oficial do Sporting, o médio está lesionado. Contudo, há outra narrativa a circular na imprensa desportiva: William, na semana passada, recusou-se a treinar para forçar a sua saída para o West Ham e obrigar Bruno Carvalho a fechar negócio. Como punição, foi deixado de fora do jogo da Liga e da Champions.

No ano passado, João Mário foi obrigado a adotar a mesma estratégia, quando quis forçar a sua saída para o Inter de Milão - tal como agora, o Sporting foi aumentando o valor pedido pelo extremo nas negociações com os italianos até eles chegarem aos €40 milhões.

E não cometa William o mesmo erro de Carrillo, pois poderá ficar em maus lençóis: Bruno de Carvalho, já com Jorge Jesus no banco do Sporting, fez o peruano marcar passo por uma época até o seu contrato expirar, por este ter assumido publicamente que queria sair (Carrillo acabou processado pelo próprio clube).

Neste momento, em Portugal ou em Inglaterra, só uma coisa é certa: o mercado encerra a 31 de agosto.