Tribuna Expresso

Perfil

Modalidades

Hole in none. Tiger Woods cancela regresso

É o novo ponto baixo da carreira de um dos melhores golfistas da história da modalidade: Tiger Woods já não vai competir esta semana no Safeway Open, na Califórnia, ao contrário do que tinha anunciado

Mariana Cabral

Comentários

A solidão de um dos melhores golfistas da história

David Cannon/Getty

Partilhar

No início da semana passada, a vida de Tiger Woods era bela: fez parte da equipa técnica que apoiou o capitão Davis Love III na Ryder Cup e celebrou o triunfo da equipa norte-americana sobre a Europa. De tal forma que até se empolgou: “Adoraria liderar os Estados Unidos na próxima Ryder Cup, se mo pedissem. Mas sob o ponto de vista de jogador, pois gosto de jogar”.

Sonhar é livre, mas as probabilidades de Woods voltar a uma Ryder Cup com um taco na mão voltaram a descer consideravelmente esta semana, quando o norte-americano tornou a adiar o seu regresso à competição.

“Não era isto que queria que acontecesse mas continuarei a lutar para poder voltar a jogar em torneios”, explicou num comunicado (AQUI) o golfista de 40 anos, que ia disputar esta semana o PGA Tour, no qual não participa desde agosto de 2015.

Sam Greenwood/Getty

Tiger Woods tinha anunciado no início de setembro que iria estar no Safeway Open, na Califórnia - e, em novembro, no Open da Turquia -, mas os problemas recorrentes nas costas, que o fizeram perder praticamente toda a última época, parecem continuar a atormentá-lo - pelo menos psicologicamente.

"Depois de muita reflexão interior, sei que ainda não estou pronto para jogar nem no PGA Tour nem na Turquia”, confessou, apesar de, na semana passada, ter confirmado a presença no torneio, que viu duplicar o número de bilhetes vendidos em relação ao ano passado.

“A minha saúde está boa e sinto-me bem, mas o meu jogo está vulnerável, não está onde devia estar”, acrescentou Tiger, que tem no currículo 14 'majors'.

“Estive a treinar nos últimos dias na Califórnia, mas depois de muitas horas percebi que não estou pronto para competir contra os melhores golfistas do mundo”. Alguma vez voltará a estar pronto?

  • O Rei

    Tribuna Expresso

    Antes de Arnold Palmer, não havia golfe como o conhecemos – havia golfe para um circuito restrito de clubes e jogadores. Depois de Arnold, que faleceu este domingo aos 87 anos, há um legado imortal: há um desporto para massas, há uma circulação de milhões e milhões de dólares, há ídolos e superestrelas. Ele, o miúdo da classe trabalhadora de uma pequena cidade industrial, tornou-se a primeira superestrela do golfe e construiu um exército de fãs dedicados – mas será sobretudo lembrado por ser “a pessoa mais terra-a-terra” e humilde que se poderia imaginar