Tribuna Expresso

Perfil

Modalidades

João Ganço: “Fui eu que decidi deixar de treinar o Nelson Évora”

O antigo treinador do campeão olímpico de 2008 fala pela primeira vez do fim da relação de 25 anos. Ganço não gostou da atitude de Évora no final dos Jogos Olímpicos do Rio e decidiu quebrar o vínculo. A assessoria do atleta confirma esta versão

FABRICE COFFRINI

Partilhar

Desde que terminaram os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro que a vida profissional de Nelson Évora está a tornar-se uma novela. Primeiro, foi o fim misterioso da ligação com o treinador João Ganço, que durava há 25 anos; depois, a troca do Benfica pelo Sporting.

Puxemos o filme atrás.

Através de um comunicado emitido pela agência que gere a sua carreira, Nelson Évora anunciou a 23 de setembro: “Na próxima época já não serei treinado pelo professor João Ganço (…). Quero também agradecer profundamente ao Professor Ganço toda a dedicação, entrega e companheirismo, em todos os momentos da minha (e nossa) carreira. Novos voos virão, mas a admiração e amizade permanecerá”.

Nem o atleta nem o treinador revelaram, então, pormenores sobre o motivo que os teria levado à separação, mas ficava a ideia de que teria sido por vontade de Nelson Évora que a ligação chegara ao fim.

João Ganço esclarece agora que não. “A decisão foi minha”, revela ao Expresso o treinador. Após dois meses e meio em silêncio, o Ganço explica que no dia da final do triplo salto, no Rio de Janeiro, Nelson Évora terá criticado em público, e à sua frente, o plano de treinos. “Não gostei. Achei que foi uma falta de respeito fazer aquele tipo de declarações sem falar comigo antes. Decidi logo ali que não o treinava mais, mas não lhe disse na altura porque ele ainda tinha dois meetings para disputar e não queria perturbá-lo”, conta.

João Ganço garante ter dito a Évora que não tinha gostado da atitude. Mas a gota de água transbordou ao ver as críticas nos jornais. “Só agravou as coisas. Decidi enviar um email ao Benfica, a informar que não o treinava mais, e outro ao Nelson, estava ele de férias. Não esperei que ele regressasse das férias para ter tempo de encontrar novo treinador e preparar nova época”, revela. O -mail, sabe o Expresso, deixou o atleta surpreendido. João Ganço acrescenta que “a partir do momento em que o Nelson não confia mais no treinador não faz sentido continuar, até porque as imagens que se tinham criado até aí já não iam ser tão bonitas”.

[Recorde-se o que o campeão olímpico de Pequim declarou ao "DN" após o 6.º lugar conquistado na final do triplo salto dos JO: "A única coisa que, se calhar, teria feito de diferente era não ter feito pista coberta. Fiz uma preparação muito a fundo e, se calhar, deveria ter-me resguardado um pouco mais, mas o meu treinador optou por eu ter mais ritmo competitivo. Não me trouxe nada", assumiu. Ainda assim, nessa altura, acrescentou: "O que está feito está feito, não podemos olhar para trás, temos de aprender com estas coisas e eu e o meu treinador vamos encontrar forma de voltarmos ao pódio nas próximas grandes competições”.]

Segundo João Ganço, só depois de ter enviado o email a Nelson Évora é que foi publicado o referido comunicado da Glam, a agência do atleta. “A Glam falou comigo para fazermos um comunicado em conjunto e eu disse-lhes que não o fazia sem ele chegar de férias. Mas decidiram fazê-lo na mesma”, assegura o técnico do Benfica.

Ganço admite que Évora possa estar “chateado” com ele por tê-lo informado que não o treinava mais, via email, mas defende-se argumentando que o atleta sabia que o técnico “estava ofendido e que por isso devia ter falado” com ele. E conclui: “Desejo-lhe felicidades e que volte a saltar bem longe. Ele tem uma força mental muito grande.”

Críticas não foram “ataque ao treinador”

A assessoria de comunicação do atleta confirmou ao Expresso que a iniciativa de terminar a ligação partiu de João Ganço e que o atleta “não quer pronunciar-se mais sobre a situação para não beliscar a boa imagem que a dupla construiu ao longo dos anos”.

Sobre as críticas à planificação da época, a agência Glam diz que nunca foi intenção de Nelson “fazer um ataque pessoal ao treinador, porque o plano é feito em conjunto, por comum acordo entre treinador e atleta”, pelo que as declarações feitas no dia da final no Rio foram “um mea culpa” do agora triplista do Sporting.

E a novela prossegue nas redes sociais

Sábado passado a entrada de Nelson Évora no relvado do Estádio de Alvalade, durante o intervalo do jogo com o Tondela, para ser apresentado aos adeptos como novo reforço do atletismo, voltou a apanhar todos de surpresa.

E a troca do Benfica pelo rival Sporting parece ter condimentos para fazer a novela render mais alguns episódios. É que, para o Benfica, o atleta ainda tinha mais um ano de contrato, a crer no que o futuro vice-presidente para as modalidades amadoras da Luz, Fernando Tavares, escreveu na sua conta pessoal do Facebook. “O Sporting decidiu contratá-lo sabendo que o atleta tinha mais um ano de contrato. Caberá agora à Federação Portuguesa de Atletismo decidir se aceita tal inscrição”, publicou.

Entretanto, também nas redes sociais, o campeão olímpico de 2008 negou ter qualquer vínculo contratual. "Era um atleta livre quando assinei pelo Sporting”, escreveu, acrescentando: “Ninguém muda de emprego quando a nossa entidade patronal nos valoriza, respeita e nos quer de verdade”.

O presidente da Federação Portuguesa de Atletismo, por seu lado, já veio dizer que, por enquanto, não há nada para dizer. Jorge Vieira garante que não deu entrada qualquer pedido formal do Sporting para inscrever o atleta.

Nelson Évora está agora a treinar-se em Espanha, sob a orientação do cubano Ivan Pedroso.